Meio Ambiente Mineração de moedas criptográficas na China poderá comprometer objetivos climáticos

10:51  08 abril  2021
10:51  08 abril  2021 Fonte:   istoedinheiro.com.br

Indígenas pedem linha direta com governo Biden em conversas sobre Amazônia

  Indígenas pedem linha direta com governo Biden em conversas sobre Amazônia Nos últimos dias, autoridades dos EUA e Brasil têm tentado acertar metas ambientais, mas indígenas querem ser incluídos nas mesas de negociaçãoOs indígenas querem ser incluídos em qualquer debate promovido pelos EUA para negociação sobre o meio ambiente do Brasil, sem a intermediação da administração de Jair Bolsonaro, como seria praxe na relação diplomática entre os dois países.

A China detém um vasto império no comércio global de moedas criptográficas, sendo responsável pela maioria do processo de mineração. Paralelamente, estabeleceu o ano de 2030 para diminuir as suas emissões de carbono. Estas duas responsabilidades não são compatíveis e a mineração de moedas poderá comprometer os objetivos climáticos estabelecidos pela China.

+ Ações da China caem pressionadas por ações de consumo

Embora não seja um processo muito conhecido, as moedas criptográficas dependem de uma tecnologia apelidada de blockchain. Em grosso modo é uma base de dados compartilhada de transações cujas entradas devem ser confirmadas e encriptadas.

Por que jornalistas estrangeiros estão fugindo da China?

  Por que jornalistas estrangeiros estão fugindo da China? Para Comitê para a Proteção de Jornalistas, maior saída de repórteres indica que país "tem muito a esconder". Com endurecimento da repressão em Pequim, público internacional pode ficar a mercê da mídia estatal chinesa. © picture-alliance/dpa/Imaginechina/Z. Junxiang 'O êxodo dá à China a oportunidade de divulgar amplamente a mídia estatal' Pelo menos 20 jornalistas foram expulsos ou forçados a deixar a China desde o ano passado, afirmou o Clube de Correspondentes Estrangeiros do país.

Esta rede de mineração é gerada por “mineiros ou mineradores” que utilizam computadores poderosos para verificar as transações. Estas máquinas consomem quantidades absurdas de eletricidade. Conforme revela um estudo publicado na revista Nature, as minas de Bitcoin chinesas, que consomem quantidades enormes de eletricidade, alimentam quase 80% do comércio global de moedas criptográficas.

Desses, 40% são alimentados com carvão, sendo os restantes com energias renováveis. Este consumo excessivo poderá pôr em risco os objetivos da China em reduzir as emissões de carbono, até 2030, e atingir a neutralidade, até 2060.

De acordo com o estudo, se não forem implementados controles, as minas na China gerarão 130,5 milhões de toneladas métricas de emissões de carbono, até 2024. Este valor aproxima-se das emissões anuais de gases com efeito de estufa da Arábia Saudita, por exemplo, rica em petróleo.

“A operação intensiva da blockchain de moedas de Bitcoin na China pode crescer rapidamente como uma ameaça que pode potencialmente minar o esforço de redução de emissões.”

Nova NDC do Brasil: entenda por que a meta climática foi considerada pouco ambiciosa .
O Acordo de Paris completou cinco anos em dezembro e a data marcou o prazo para que os países apresentassem atualizações ou novas metas climáticas Foto de Michael Bryant no Unsplash Construído com base em confiança e cooperação, o Acordo de Paris completou cinco anos em dezembro e provocou reflexões sobre o seu sucesso até o momento. A data também marcou o prazo para que os países apresentassem atualizações ou novas metas climáticas (conhecidas como Contribuição Nacionalmente Determinada, ou NDCs) mais ambiciosas do que as de 2015, quando a capital francesa presenciou a histórica assinatura do acordo.

usr: 2
Isto é interessante!