Meio Ambiente Mudanças climáticas e queda na biodiversidade devem ser combatidas juntas, apontam pesquisadores

19:16  10 junho  2021
19:16  10 junho  2021 Fonte:   estadao.com.br

Madeireiros peruanos multados nos EUA exportam madeira da Amazônia para América Latina

  Madeireiros peruanos multados nos EUA exportam madeira da Amazônia para América Latina Investigação transnacional revela que punições dos Estados Unidos a madeireiras não impediram exportação; comércio vende também madeira da Amazônia brasileiraAs revelações são o resultado de uma investigação jornalística transnacional da qual a Agência Pública faz parte com Columbia Journalism Investigations (CJI), Centro Latino-Americano de Jornalismo Investigativo (Clip), El Informe con Alicia Ortega do Grupo SIN (República Dominicana), Ojo Público (Peru) e Mongabay Latam (México e Peru). A apuração acompanhou as operações internacionais das duas madeireiras peruanas.

É como um ciclo vicioso. Impulsionadas pela ação humana, a redução da biodiversidade e as mudanças climáticas se reforçam e agravam os efeitos uma da outra. Se não forem combatidas ao mesmo tempo por políticas públicas coordenadas, nenhuma das duas pode ser, de fato, resolvida e ter seus efeitos negativos na vida humana mitigados, aponta um relatório realizado por um painel de 50 especialistas de todo o mundo.

A redução a biodiversidade e as alterações do clima impactam negativamente o bem-estar humano e a qualidade de vida © Luciano Candisani / Divulgação A redução a biodiversidade e as alterações do clima impactam negativamente o bem-estar humano e a qualidade de vida

Lançado nesta quinta-feira, 10, o estudo resulta da colaboração entre o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas] e a Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), ligada à Organização das Nações Unidas (ONU).

Queda de Netanyahu aprofunda isolamento de Bolsonaro no mundo, dizem analistas internacionais

  Queda de Netanyahu aprofunda isolamento de Bolsonaro no mundo, dizem analistas internacionais Para professores, aposta de Bolsonaro em política externa baseada em relações pessoais, e não interesses geopolíticos de Estado, isola o Brasil. "Antes de você se dar conta, seus aliados podem sair do cargo e você sobra sozinho."Substitua Trump por Benjamin Netanyahu, o líder israelense que acaba de cair após 12 anos de governo, e a fórmula se mantém.

Tanto a redução a biodiversidade quanto as alterações do clima têm impactos negativos sobre o bem-estar humano e qualidade de vida.

A maior concentração de gases do efeito estufa, por exemplo, leva ao aumento das temperaturas, mudanças nos regimes de chuva, aumento da frequência de eventos climáticos extremos e esgotamento de oxigênio e acidificação de ambientes aquáticos, muitos dos quais afetam negativamente a biodiversidade. As mudanças na biodiversidade, por sua vez, afetam o sistema climático, especialmente por meio seus impactos nos ciclos do nitrogênio, carbono e água.

Essas interações podem gerar feedbacks complexos entre o clima, a biodiversidade e os seres humanos que podem produzir resultados mais pronunciados e menos previsíveis.

A Constituição e a proteção do meio ambiente

  A Constituição e a proteção do meio ambiente H. D. Thoreau já preconizava a imperiosa necessidade de preservar fauna e floraA Constituição – que completa 33 anos em 5 de outubro – exige a observância de vários princípios visando a preservar e restaurar os ecossistemas, a biodiversidade e a integridade do patrimônio genético; proteger a fauna e a flora; evitar a poluição do ar, das águas e sonora; exigir a realização de estudo prévio de impacto ambiental para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de degradação do meio ambiente; controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente; e promov

Ao todo, o estudo lista 41 ações e situações que precisam ser combatidas.

O aumento do consumo de energia, a superexploração de recursos naturais e a transformação sem precedentes do meio ambiente terrestre e marinho nos últimos 150 anos ocorreram paralelamente aos avanços tecnológicos que proporcionaram meios para a melhora do padrão de vida para muitos.

Ao mesmo tempo, isso levou a mudanças no clima e à aceleração no declínio da diversidade biológica em todo o mundo. Resultado: a mesma qualidade de vida impulsionada positivamente por esse processo sofre os efeitos negativos das suas consequências também em escala nunca antes vista.

Embora a vida na Terra dependa de um frágil equilíbrio entre o clima e a biodiversidade, a ação humana (e suas consequências) é responsável pela alteração de nada menos do que 77% da área dos ambientes terrestres e 87% do marinho. Essa interferência está relacionada à perda de 83% da biomassa de mamíferos e metade disso das plantas. Seres humanos e gado representam hoje cerca de 96% de toda a biomassa animal no planeta e o número de espécies ameaçadas de extinção é o maior da história.

6 maneiras surpreendentes de salvar o mundo das mudanças climáticas

  6 maneiras surpreendentes de salvar o mundo das mudanças climáticas Tentar reverter o fenômeno é possivelmente o maior desafio que a humanidade já enfrentou, mas você pode se surpreender com algumas das soluções que estão sendo propostas.Aqui estão seis das melhores (e mais incomuns) soluções propostas na série 39 Ways to Save the Planet (39 formas de salvar o planeta) da BBC.

Os pesquisadores defendem que um novo paradigma de conservação deve abordar simultaneamente os objetivos de manter um clima habitável, a biodiversidade autossustentável e a boa qualidade de vida para todos.

O porcentual de áreas efetivamente protegidas, em terra e no oceano, necessário para cumprir esses três objetivos ainda não está bem estabelecido pela ciência. No entanto, de acordo com os pesquisadores, precisa ser maior do que o total protegido atualmente, com estimativas globais que variam de 30% a 50%.

A pesquisa aponta também que o excesso de áreas irrigadas para a agricultura e monoculturas podem resultar em problemas maiores ao não considerarem os efeitos sobre a biodiversidade.

No passado, aponta o estudo, políticas públicas que abordaram de forma independente a mudança climática e a perda de biodiversidade não foram capazes de frear o avanço desses problemas. Tratar as duas de forma integrada pode ser a melhor forma de alcançar esses objetivos.

G7 promete intensificar luta contra mudanças climáticas .
(ANSA) - Os líderes do G7 concordaram neste domingo (13) em intensificar as ações para combater as mudanças climáticas e renovaram a promessa de arrecadar US$ 100 bilhões por ano para ajudar os países pobres a reduzir as emissões. A alteração do clima foi um dos temas principais da cúpula em Carbis Bay, na Cornualha. Durante o encontro de três dias, os líderes do Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Japão, França, Alemanha e Itália se comprometeram em manter o aumento da temperatura global até 1,5 °C, além de apoiarem a ideia de uma "revolução verde" criando empregos.

usr: 2
Isto é interessante!