Meio AmbienteGoverno fecha acordo pró-agenda ambiental

13:13  13 agosto  2019
13:13  13 agosto  2019 Fonte:   estadao.com.br

Justiça suspende liminar que impedia autódromo no Rio

Justiça suspende liminar que impedia autódromo no Rio Autódromo de Deodoro pode sediar provas da Fórmula 1 a partir de 2021 []

Após polêmica com alemães, Planalto ganha R$ 2 bi de banco dos Brics para tratar lixo.

O governo fechou um acordo com o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), instituição controlada pelos países do Brics – grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul -, para receber US$ 500 milhões, o equivalente a cerca de R$ 2 bilhões. O dinheiro será usado para financiar ações

Governo fecha acordo pró-agenda ambiental© Reuters Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante audiência no Senado

BRASÍLIA - O governo fechou um acordo com o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), instituição controlada pelos países do Brics – grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul –, para receber US$ 500 milhões, o equivalente a cerca de R$ 2 bilhões. O dinheiro será usado para financiar ações de tratamento de lixo nos municípios e principais centros urbanos do País.

Governo fecha acordo pró-agenda ambiental
App Microsoft Notícias
Baixe Agora
Publicidade para Android e iOS
Veja mais no MSN Brasil:
Na TV, Maia volta a criticar MP de Bolsonaro (Poder360)
PSL pode expulsar Alexandre Frota nesta terça-feira (Estadão)
Maia: Previdência militar passará 'do jeito que veio' (Poder360)
Bolsonaro: 'Cocôzinho de índio barra licenciamento' (Correio Braziliense)

A iniciativa ocorre no momento mais crítico da gestão de Jair Bolsonaro em sua agenda ambiental, ao ter deflagrado um clima de confronto contra os doadores do Fundo Amazônia, programa bancado com dinheiro da Alemanha e Noruega, voltado para o combate ao desmatamento. O acordo com o Brics, na avaliação de integrantes do governo, é uma resposta política e um sinal de que o País não está isolado na questão ambiental.

Justiça autoriza Prefeitura do Rio a assinar contrato com consórcio para construção de autódromo

Justiça autoriza Prefeitura do Rio a assinar contrato com consórcio para construção de autódromo No entanto, as obras só poderão ser iniciadas após a conclusão do estudo de impacto ambiental, que pode demorar até dois anos para ser entregue App Microsoft Notícias Baixe Agora Publicidade para Android e iOS A justiça do Rio de Janeiro autorizou a Prefeitura da cidade a assinar contrato com o consórcio vencedor da concessão para a construção do autódromo na região de Deodoro. No entanto, as obras só poderão ser iniciadas após a entrega do estudo de impacto ambiental. No mês passado, a justiça havia atendido a um pedido do Ministério Público e suspendido a licitação.

Os #Correios anunciaram um novo acordo de colaboração mútua com o governo da #China para que as Com a #pandemia do #covid-19, os governos fecharam fronteiras e aeroportos, reduzindo Os Correios brasileiros atendem com o novo acordo um pedido da União Postal Universal, a UPU, que

O Governo tenta o consenso para a votação do novo Código Florestal. Nesta quarta-feira (13/4), o presidente da República em exercício, Michel Temer

Esse aporte, conforme apurou o Estado, contempla apenas os recursos que foram doados pelos países estrangeiros, mas deve contar ainda com recursos do Brasil.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, confirmou as informações à reportagem. “O acordo está bastante avançado. Acho que a gente pode dizer que está praticamente fechado”, disse. O Estado apurou que falta apenas formalizar a parceria, que será no formato de empréstimo a juros “praticamente zero”, nas palavras do ministro.

A avaliação é de que o anúncio do programa de tratamento de lixo poderia ajudar a aplacar as críticas internas e estrangeiras sobre a gestão ambiental do governo Bolsonaro, ao mesmo tempo em que sinalizaria que o País tem outros parceiros além de Alemanha e Noruega.

População de tigres aumenta mais de 30% em quatro anos na Índia

População de tigres aumenta mais de 30% em quatro anos na Índia De acordo com dados divulgados pelo governo indiano na última terça-feira (30), a população de tigres na Índia cresceu mais de 30% nos últimos 4 anos. Se, em 2014 eles eram 2226, hoje são 2967. Segundo o primeiro-ministro Narendra Modi, hoje o país é dos “habitats mais seguros do mundo” para os felinos. A conquista é resultado da proteção ambiental por meio da demarcação de reservas, entre outras medidas. Desde quando foi feito o primeiro censo da espécie – em 2006, a população de tigres quase dobrou. Graças às novas tecnologias, 26 mil armadilhas fotográficas puderam registrar quase 350 mil imagens dos animais em seus habitats.

Hacker fecha acordo e irá entregar conversas !! Vlog do Lisboa. Hacker que vazou mensagens fecha acordo com a PF - Продолжительность: 6:52 Os Pingos nos Is 251 944 просмотра. Assista: general heleno ‘Arrebenta’ petistas em entrevista - governo

STJ 2018 - Agenda Ambiental da Administração Pública (A3P). Concurso NOÇÕES DE SUSTENTABILIDADE: Questões comentadas #2 - CESPE - Explicação e Correção de

O governo alemão declarou que suas doações foram suspensas após as ingerências e a postura do governo brasileiro sobre a gestão do Fundo Amazônia. No domingo, Bolsonaro disse que a Alemanha “vai deixar de comprar à prestação a Amazônia”.

Sobre a Noruega, o clima piorou depois que Salles afirmou, em audiência na Câmara, que o país europeu não tinha o direito de criticar o Brasil, porque caça baleias e explora petróleo no Ártico. A Noruega rebateu, dizendo que tem uma das operações mais limpas do mundo.

Para o novo programa de tratamento de lixo, o governo brasileiro faz contas para saber quanto poderá injetar na iniciativa. Sua meta era destinar mais R$ 250 milhões para o programa, mas esse valor deve sofrer cortes, por causa dos contingenciamentos do orçamento federal.

O Estado apurou que um encontro com o ministro do Meio Ambiente, representantes dos Brics e do Novo Banco de Desenvolvimento está marcado para a quinta-feira, em São Paulo.

EUA voltam a autorizar "bombas de cianureto" contra animais selvagens

EUA voltam a autorizar O governo do presidente americano Donald Trump voltou a autorizar as armadilhas venenosas conhecidas como "bombas de cianureto" para matar raposas, coiotes e cães selvagens apesar da forte oposição dos grupos de conservação. Os dispositivos, conhecidos como M-44, que são implantados no solo e se assemelham a irrigadores de gramado, usam um ejetor de molas para liberar cianureto de sódio quando um animal atraído por uma isca puxa um suporte do compartimento da cápsula. O governo havia vetado o uso desses dispositivos no ano passado, após um deles ferir uma criança e matar o cachorro dela no estado do Idaho.

De acordo com Franco (2000)[5], o conceito de desenvolvimento sustentável está diretamente relacionado com a construção de comunidades humanas sustentáveis, isto é, comunidades que detêm características como independência, reciclagem, parceria, flexibilidade e diversidade.

Flamengo fecha acordo de transmissão com Facebook? Globo não está descartada! Essas e outras notícias do Flamengo você acompanha aqui!

“Com o problema de contingenciamento de recursos, nós estamos aqui puxando de onde dá. Nossa previsão original era somar R$ 250 milhões do Brasil a esses US$ 500 milhões, mas a gente ainda não sabe se, diante dessas mudanças todas, ainda teremos essa disponibilidade. Mas vai ter recurso nosso e isso vai se somar a recursos de fora”, disse Salles.

A reportagem questionou o Novo Banco de Desenvolvimento sobre o assunto, mas a instituição não se manifestou até a conclusão desta edição.

BNDES. O acordo do governo com o banco dos Brics vai precisar de um operador nacional para repassar os recursos, um papel que, no caso do Fundo Amazônia, é feito pelo BNDES. Ainda não há definição sobre qual instituição atuará como intermediária do programa. O banco de fomento não foi descartado, mas o governo busca opções após o ministro apontar supostas irregularidades na gestão do Fundo Amazônia.

A parceria com o banco do Brics faz parte de medidas para apoiar projetos de combate a emissões de gases de efeito estufa, um tema que tem sido ignorado pelo governo.

O tratamento de lixo é um problema crônico do País. Os dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) mostram que o Brasil ainda tem 3 mil lixões a céu aberto. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), instituída há nove anos, previa que esses lixões deveriam ter sido extintos em 2014.

Novo PGR 'não pode atrapalhar agenda do desenvolvimento', avalia Bolsonaro

Novo PGR 'não pode atrapalhar agenda do desenvolvimento', avalia Bolsonaro Novo PGR 'não pode atrapalhar agenda do desenvolvimento', avalia Bolsonaro

A segurada poderá agendar o requerimento de salário-maternidade pela Central de De acordo com o § 5º do mesmo artigo, ele poderá participar de cooperativa de crédito. O CREDMEI é um programa do governo federal que busca simplificar o processo de obtenção de produtos e serviços financeiros

A proteção ambiental é a prática de proteger o ambiente natural, nos níveis individual, organizacional ou governamental, tanto em benefício do próprio meio ambiente como dos seres humanos. Devido às pressões populacionais e de tecnologia, o ambiente biofísico está a ser degradado

A produção de lixo aumentou 28% de 2010 a 2017, segundo a associação. A taxa de reciclagem no período ficou praticamente estagnada, saindo de 2% a 3% do total gerado. Cerca de 7 milhões de toneladas de lixo por ano continuam fora do sistema de coleta regular e não vão sequer para os lixões, segundo a Abrelpe.

Vídeo: Motoristas desviam de árvore caindo no momento certo (KameraOne)

Receba notícias pelo
Messenger
Leia notícias pelo celular com
nosso app
Assine nossa
newsletter
Leia Mais

Itamaraty usa dados da era Lula para defender Brasil de críticas sobre desmatamento.
Em telegram enviado aos principais postos brasileiros no exterior, governo afirma que os índices de desmatamento na região amazônica tiveram "redução significativa, de 27.700 km² em 2004 para 7.500 km² em 2018 (redução de 72%)". #PrayForAmazonas: Queimadas viram assunto mais comentado no Twitter no mundo Eleitores de Bolsonaro querem que governo combata desmatamento, diz pesquisa Ibope Desmatamento na Amazônia seria o dobro do registrado pelo Inpe, aponta estudo de universidade americana O telegrama não deixa claro, no entanto, que nesse período só houve redução no desmatamento entre 2004 e 2012, durante os dois mandatos de Luiz In

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 3
Isto é interessante!