Meio Ambiente: Astronauta da ISS fotografa destruição pelo fogo na Amazônia - - PressFrom - Brasil

Meio AmbienteAstronauta da ISS fotografa destruição pelo fogo na Amazônia

18:36  27 agosto  2019
18:36  27 agosto  2019 Fonte:   revistaplaneta.com.br

Biólogo descreve a Amazônia em chamas: ‘Animais carbonizados e silêncio no lugar do verde’

Biólogo descreve a Amazônia em chamas: ‘Animais carbonizados e silêncio no lugar do verde’ O relato do biólogo Izar Aximoff, divulgado pela BBC Brasil, é de cortar o coração. Embora tenha experiência na recomposição de florestas do Rio de Janeiro atingidas por incêndios, ele garante que o cenário de destruição na Amazônia assusta muito mais do que qualquer fotografia pode traduzir. – Os impressionantes registros da NASA sobre a Amazônia em chamas Os sons do movimento de plantas e troncos, ruídos de animais, os cantos dos pássaros e a exuberância do verde dão espaço para o silêncio. Some isso ao cheiro de queimado – de árvores e animais -, a cor pálida da fuligem. A morte. “É muito triste ver a floresta totalmente dizimada.

Foto do astronauta Luca Parmitano, a bordo da Estação Espacial Internacional, retrata a terra arrasada deixada pelos incêndios na Floresta Amazônica. A foto acima foi batida pelo astronauta da Agência Espacial Europeia (ESA) Luca Parmitano em 24 de agosto, a 400 quilômetros acima da

O astronauta italiano Luca Parmitano fotografou incêndios florestais na Amazônia a partir da ISS . Desde o início do ano, um número recorde de incêndios naturais foi registrado nas florestas da Amazônia no Brasil - cerca Imagens Aéreas da destruição causada pelo fogo na Foz do Arelho.

Astronauta da ISS fotografa destruição pelo fogo na Amazônia Uma das fotos tuitadas por Parmitano:

O drama das queimadas amazônicas  também é acompanhado por pessoas com visão privilegiada da Terra: os tripulantes da Estação Espacial Internacional (ISS, na abreviatura em inglês). A foto acima foi batida pelo astronauta da Agência Espacial Europeia (ESA) Luca Parmitano em 24 de agosto, a 400 quilômetros acima da superfície terrestre. Ele tuitou as imagens, legendando-as: “A fumaça, visível por milhares de quilômetros, de dezenas de incêndios causados pelo homem na floresta amazônica”.

Enquanto os incêndios atingem a floresta tropical, ventos fortes carregam plumas de fumaça por milhares de quilômetros sobre a terra e o mar. Elas ajudaram a causar a escuridão na tarde de 19 de agosto em São Paulo, a cerca de 2.500 km de distância. Dados do Copernicus Atmosphere Monitoring System (CAMS) mostram que a fumaça chegou até a costa do Atlântico.

Macron diz que incêndios na Amazônia são 'crise internacional'

Macron diz que incêndios na Amazônia são 'crise internacional' O presidente francês, Emmanuel Macron, disse nesta quinta-feira que os incêndios que atingem a Amazônia são uma "crise internacional" e convocou os membros do G7 a discutir "esta emergência" na cúpula de Biarritz, prevista para este final de semana. Membros do G7, vamos discutir esta emergência nos dois primeiros dias" da cúpula, tuitou o presidente. © Lauren Dauphin Imagem aérea da NASA mostra incêndios ativos nos estados de Rondônia, Amazonas, Pará e Mato Grosso em 13 de agosto. Macron acompanhou seu tuíte, escrito em francês e inglês, de uma foto tirada da Amazônia há 16 anos pelo fotógrafo americano Loren McIntyre, falecido em 2003.

A Nasa divulgou nesta sexta-feira (2) uma imagem feita do espaço do furacão Joaquín, que estava prestes a atingir as Bahamas. A foto foi capturada pelo astronauta Scott Kelly, que está a bordo da ISS (Estação Espacial Internacional, em português). Saiba mais.

Astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional ( International Space Station / ISS ) registraram raro momento em que o vulcão Raikoke entrava em Isso também significa que Raikoke se encontra em um espaço chamado Anel de Fogo do Pacífico, onde a placa tectônica desse oceano entra em

Os incêndios de fato são comuns durante a estação seca na região, que vai de julho a outubro. Mas este ano é diferente de qualquer outro. Os dados do satélite Copernicus Sentinel-3 ajudaram a detectar quase 4 mil incêndios somente em agosto de 2019. No ano passado, apenas 1.110 incêndios foram registrados no mesmo período. As chamas sem precedentes deste ano, quatro vezes o número normal, têm como origem provável o desmatamento legal e ilegal para fins agrícolas.

LEIA TAMBÉM: Nasa divulga imagem de satélite mostrando fumaça de queimadas na Amazônia

  • Queimadas na Amazônia estão ligadas ao desmatamento, revela análise

Acredita-se que o aumento das temperaturas globais também torne a região mais suscetível ao fogo.

Os incêndios desencadearam uma crise internacional, pela perda que um patrimônio natural como esse representaria em termos de oxigênio a menos na atmosfera (ali se produz cerca de 20% do oxigênio da Terra) e de biodiversidade, por exemplo. Em seu tuíte, Luca Parmitano escreveu: “Não há Planeta B”.

Leia Mais

Áreas privadas na Amazônia tiveram maior número de focos de fogo em 2019.
Grilagem em florestas públicas não destinadas gerou 20% dos casos e segundo maior crescimento em relação aos oito anos anteriores, mostra nova análise do Ipam

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 0
Isto é interessante!