Meio Ambiente Artivista Mundano transforma cinzas de queimadas em releitura de Cândido Portinari

05:16  23 outubro  2021
05:16  23 outubro  2021 Fonte:   ecycle.com.br

20 dos maiores roubos de arte de todos os tempos

  20 dos maiores roubos de arte de todos os tempos 20 dos maiores roubos de arte de todos os tempos , listados para despertar a atenção de todos para um tipo de crime que, definitivamente, não deveria acontecer: 1- Mona Lisa – O quadro mais famoso do mundo já foi roubado. Pouco se falava da pintura até 1911, quando o italiano Vincenzo Peruggia passou uma noite de sábado escondido num armário do Museu do Louvre com dois compatriotas para roubar passaram a noite trancados em um armário no Louvre e depois roubaram a Mona Lisa, partindo de um trem de Paris logo na manhã do domingo.

Por WWF Brasil em WWF Brasil – Um ano e oito meses depois de reproduzir uma obra de Tarsila do Amaral com a lama tóxica de Brumadinho, o artivista Mundano aplica a mesma técnica para denunciar a destruição dos grandes biomas brasileiros, que estão sendo literalmente reduzidos a cinzas.

  Artivista Mundano transforma cinzas de queimadas em releitura de Cândido Portinari © Fornecido por eCycle

Desta vez, a matéria-prima das cores do novo painel são as cinzas das queimadas na Amazônia, Cerrado, Pantanal e Mata Atlântica, coletadas numa expedição de mais de 10 mil quilômetros pelos quatro biomas. O painel tem 1000 metros quadrados e fica na Rua Capitão Mor Jerônimo Leitão, 108, centro de São Paulo, sendo que a melhor vista para a obra é a partir da passarela da Avenida Prestes Maia.

Alitalia encerra atividades após 74 anos

  Alitalia encerra atividades após 74 anos A Alitalia encerra 74 anos de história para dar passagem à empresa ITA Airways, nascida de suas cinzas, em um mercado aéreo que luta pela recuperação após as turbulências da pandemia de covid-19. À beira da falência, a Alitalia foi colocada sob supervisão da administração pública em 2017, mas a situação se agravou ainda mais com o impacto da pandemia de covid-19, que paralisou diversas companhias aéreas. Em 2020, a Alitalia registrou perdas de 2 milhões de euros (US$ 2,32 milhõe) por dia, transportando apenas 6,3 milhões de passageiros no ano, contra 52,1 milhões da Ryanair e 34 milhões da Air France-KLM.

Cinzas, restos de árvores e animais carbonizados serão a matéria prima para a paleta de tons de cinza que será usada para recriar uma das mais icônicas obras de Cândido Portinari. Quando foi lançado, O Lavrador de Café, em 1934, relacionava o momento histórico com o impacto da ação humana. Na releitura da obra modernista, proposta por Mundano, o Lavrador cede seu lugar a um brigadista - projetado a partir de um personagem real, Vinicius Curva de Vento, da Brigada Voluntária de São Jorge, que recentemente combateu as queimadas da Chapada dos Veadeiros.

“Nos tornamos instrumento de utilidade para a natureza, o que não tem preço. É muito melhor ser brigadista voluntário do que ficar só olhando o fogo queimar”, afirma Vinicius.

A obra, portanto, dará visibilidade àqueles que atuam diretamente para a manutenção das florestas e demais ambientes naturais, e que trabalham incansavelmente, muitas vezes com equipamentos limitados e sem reconhecimento.

Laura Pigossi e Carol Meligeni vencem nas duplas em Rio do Sul (SC)

  Laura Pigossi e Carol Meligeni vencem nas duplas em Rio do Sul (SC) Tenistas jogam juntas pela primeira vezA jogadora, que mora e treina em Barcelona, na Espanha, na AD In Tennis Academy, e a campineira Carol Meligeni, derrotaram as brasileiras Ana Candiotto e Julia Klimowicz por um duplo 6/1 em menos de uma hora de duração.

Nas mãos de Mundano, vida e arte se misturam numa interrogação: até quando os crimes ambientais servirão como base para sua arte?

“Resíduos de crimes ambientais infelizmente são matéria prima abundante pelo Brasil. Testemunhar as queimadas foi essencial na pesquisa com as cinzas que se transformarão em uma denúncia desse tempo de destruição ambiental”, ressalta o artivista.

A técnica visa chamar a atenção para a destruição ambiental em curso no Brasil, especialmente das queimadas. Em 2020, Amazônia e Pantanal bateram recordes históricos de queimadas. Com a pior seca em mais de 90 anos no Brasil, os focos de queimadas em 2021 têm sido bastante elevados, especialmente no Cerrado e sul da Amazônia.

A matéria prima para as tintas foi coletada entre junho e julho de 2021, em uma expedição que percorreu as cidades de Poconé (bioma Pantanal, Mato Grosso), Colíder (bioma Amazônia, Mato Grosso divisa com Pará), São Jorge na Chapada dos Veadeiros (bioma Cerrado), Alto Paraíso de Goiás (bioma Cerrado) e Amparo (São Paulo, bioma Mata Atlântica). Foram três semanas conhecendo brigadistas, coletando carvão e cinzas, histórias e inspirações da natureza.

Carvão mineral: o que é e impactos

  Carvão mineral: o que é e impactos O carvão mineral é um combustível fóssil extraído da terra por meio da mineração. Sua origem se dá a partir da decomposição da matéria orgânica (restos de árvores e plantas) que se acumulou sob uma lâmina de água há milhões de anos. O soterramento dessa matéria orgânica por depósitos de argila e areia provoca o aumento na pressão e na temperatura, o que contribui para a concentração dos átomos de carbono e expulsão dos átomos de oxigênio e hidrogênio (carbonificação).

João Cândido, filho do Cândido Portinari, reconhece que é um momento bem-vindo de recordação e reinterpretação dos ânimos das artes que são elementos que transformam a sociedade. “Ele está fazendo essa releitura com um tom dramaticamente social, pois está fazendo com as cinzas da floresta e vai homenagear os brigadistas. Isso tem tudo a ver com a mensagem do meu pai, com a obra dele. Fiquei muito feliz e emocionado em saber deste trabalho”

Esta iniciativa faz parte de um projeto multimídia de arte e meio ambiente que usa o artivismo como ferramenta de denúncia de crimes e sensibilização para a causa ambiental. A expedição, o painel e todos os esforços de apoio aos brigadistas estarão registrados no minidocumentário Cinzas da Floresta, com direção de André D’Elia, que será lançado no fim de 2021.

“O projeto Cinzas da Floresta representa a diversidade de esforços da sociedade em agir concretamente diante de tantos retrocessos socioambientais que vivemos, e busca oferecer apoio às pessoas que protagonizam a luta pela natureza em seu dia a dia”, afirma Gabriela Yamaguchi, diretora de Sociedade Engajada do WWF-Brasil.

Pedro Boscardin é semifinalista em Rio do Sul (SC)

  Pedro Boscardin é semifinalista em Rio do Sul (SC) Gustavo Heide e Wilson Leite são outros brasileiros lutando pela finalPedro Boscardin superou o qualifier Marcelo Zormann por 6/3 5/7 6/3 e encara o argentino Facundo Juarez, cabeça de chave 3, que derrotou o pernambucano José Pereira por 7/6 (7/5) 6/1.

Um país em chamas

Segundo levantamento do MapBiomas, o Brasil queimou uma área maior que a Inglaterra por ano entre 1985 e 2020. Foram 150.957 km² por ano, ou 1,8% do país. O acumulado do período chega a praticamente um quinto do território nacional: 1.672.142 km², ou 19,6% do Brasil. Quase dois terços (65%) ocorreram em áreas de vegetação nativa, sendo que os biomas Cerrado e Amazônia concentraram 85% de toda a área queimada pelo menos uma vez no país.  A análise proporcional por bioma mostra que o Pantanal é o que mais queimou nos últimos 36 anos: 57% de seu território foi queimado pelo menos uma vez no período, ou 86.403 km². Ele é seguido pelo Cerrado (733.851 km², 36%) e pela Amazônia (690.028 km², 16,4%).

Dados do Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (INPE) mostram que 55% do total de área queimada até agosto deste ano no Brasil estão no Cerrado, que já perdeu 66.548 km² para o fogo. Esse é o maior número desde 2016. Em segundo lugar vem a Amazônia: seus 26.893 km² queimados representam 22% da área queimada no país até agosto.

Este texto foi originalmente publicado por WWF Brasil de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original.

Onde os casais da realeza passaram a lua de mel? .
Após a pompa das festas de casamentos, reis e rainhas, príncipes e princesas e duques e duquesas partem em lua de mel para destinos discretos, bem longe de olhos curiosos e do resto do mundo. Mas que tipo de lugares agradam os membros da realeza? Curiosamente, as escolhas podem ser bem ecléticas, incluindo desde castelos remotos, cruzeiros a ilhas privadas paradisíacas e alojamentos para safáris. Houve um casal da monarquia britânica que até elegeu Portugal como escapada romântica. Na galeria, descubra onde os casais das famílias reais passaram a lua de mel!

usr: 1
Isto é interessante!