Meio Ambiente Casca de ovo é usada como matéria-prima para nova geração de preenchedores dérmicos

05:06  01 dezembro  2021
05:06  01 dezembro  2021 Fonte:   ecycle.com.br

O que é a 'matéria escura' da alimentação, que pode ajudar na prevenção do câncer

  O que é a 'matéria escura' da alimentação, que pode ajudar na prevenção do câncer Inteligência artificial está sendo usada para analisar cerca de 70 mil componentes nutricionais ainda pouco conhecidos. Compreender o papel deles e como interagem com o corpo humano será fundamental para criar hábitos alimentares saudáveis com maior precisão.O composto alicina, por exemplo, inibe a proliferação de células que espalham o câncer de cólon — e de quebra é o responsável pelo aroma do alho quando ele é ralado fresco. Já a luteolina oferece propriedades que ajudam a evitar câncer e doenças cardíacas, apontam alguns estudos.

como Matéria - Prima no Desenvolvimento de. Novos Produtos. cascas , sendo ainda consideradas como resíduos, principalmente destinados à. agricultura. A casca de ovo possui uma composição rica em sais minerais, servindo. como base para as mais diversas indústrias. Apesar desta vantagem, é pouco.

A casca de ovo não precisa ir direto para o lixo. Rica em cálcio, potássio e magnésio, ela pode virar 2. Dicas para aproveitar a casca de ovo . 2.1. 1. Use como fazer velas. 2.2. 2. Afaste lesmas e Além de todos os nutrientes, a casca de ovo também é bonita, resistente e versátil, de modo que pode servir como matéria - prima para a Você evita a geração de um resíduo e ainda exercita sua criatividade!

Por Fábio de Castro em Pesquisa para Inovação – O preenchimento dérmico é um procedimento amplamente utilizado para corrigir rugas, cicatrizes ou sulcos na pele. A técnica, que tem um mercado global estimado em US$ 9,4 bilhões até 2028, consiste na aplicação de injeções de ácido hialurônico na região a ser tratada.

  Casca de ovo é usada como matéria-prima para nova geração de preenchedores dérmicos © Fornecido por eCycle

Uma inovação desenvolvida pela startup brasileira BioSmart Nano ajudará a colocar nesse mercado um produto que deverá abrir caminho para a próxima geração de preenchedores dérmicos.

Por meio de um projeto apoiado pelo Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da FAPESP, a startup desenvolveu um processo de extração de ácido hialurônico de alta pureza a partir da casca de ovo.

Terras-raras: pesquisas indicam caminho para criar cadeia produtiva no Brasil

  Terras-raras: pesquisas indicam caminho para criar cadeia produtiva no Brasil Terras-raras são abundantes no país, mas custo tecnológico da separação de minérios é obstáculo para produção nacional; estudos incluem catalisadores, células solares, ímãs e lasersNa USP, grupos de pesquisa realizam estudos com terras-raras, obtendo resultados promissores, como um método de separação não poluente, baseado em nanotecnologia, além de aplicações em iluminação, lasers, produção de aço, células solares, filtros de raios ultravioleta e catalisadores automotivos.

As cascas de ovo são ricas em cálcio, potássio e magnésio e por essa razão será muito interessante adicioná-las a um composto, à terra dos vasos ou ao solo da sua horta. Este receita que vou disponibilizar neste novo artigo permite que estes nutrientes que acima referi tais como o cálcio, possam estar mais facilmente Quero deixar claro que com isto não quero dizer que não possa colocar as cascas dos ovos que vai usando ,partidas manualmente nos seus vasos e plantas, mas com esta receita, os nutrientes ficarão mais disponíveis e demorarão menos tempo a “chegar à planta”.

Olá gente, tudo bem com vocês, hoje você vai aprender como preparar as cascas de banana e cacas de ovo para o adubo, Espero que vocês gostem, grande abraço!

A matéria-prima deverá ser utilizada na produção de um novo gel preenchedor. Para isso, a empresa brasileira também desenvolveu, com parceiros dos setores público e privado do Canadá, um novo processo de estabilização do ácido hialurônico a partir de um componente inovador.

De acordo com Hélida Barud, CEO da BioSmart Nano, o novo processo de estabilização permite dar à formulação do gel um maior tempo de permanência no tecido com um grau de viscosidade ideal – um ajuste de importância crucial para os preenchedores dérmicos.

"O preenchedor é um gel e, se escorrer excessivamente, não produz a sustentação adequada. Mas, se a viscosidade for muito alta, ele não passa pela agulha e não tem aplicabilidade", explica Barud.

A BioSmart Nano foi fundada em Araraquara, no interior de São Paulo, em 2016, e a partir de 2018 teve diversos projetos aprovados no programa PIPE-FAPESP, incluindo o de desenvolvimento da tecnologia relacionada ao ácido hialurônico.

O que pensam os jovens? Unicef pesquisou e descobriu

  O que pensam os jovens? Unicef pesquisou e descobriu Adolescentes brasileiros se sentem pessimistas e reclamam de ansiedade e depressãoEles não são mais crianças, mas também não podem ser chamados de adultos. Têm 'a vida inteira pela frente', mas nem por isso os adolescentes e jovens têm uma essência naturalmente otimista. O planeta em que vivem enfrenta desafios como uma pandemia e o aquecimento global e, em alguns países, muitos ainda encaram problemas sociais e a falta de acesso à educação, saúde, saneamento básico, oportunidades. Eles muitas vezes são vistos como 'alienados', 'desconectados' das questões centrais e, outras vezes, são enxergados como 'transformadores' e sinônimo da mudança que tanto precisamos.

Isto tem estimulado de maneira especial à pesquisa em direção à aplicação de matérias - primas alternativas de baixo custo como, por exemplo, resíduos sólidos. Este trabalho tem como objetivo a caracterização de resíduo sólido proveniente da indústria de cerâmica vermelha (chamote) e casca de ovo galináceo proveniente da indústria alimentícia da região de Campos dos Goytacazes-RJ, visando seu emprego como matérias - primas alternativas para o setor O CCO é um promissor material para desenvolvimento de dispositivos termoelétricos para reciclagem de energia (Energy Harvesting).

O uso de matérias - primas alternativas, mudanças nos. geração de calor e de vapor, necessários para os processos de. secagem e parboilização dos grãos. desta casca é reaproveitada dentro da própria usina de benefi-. ciamento do arroz onde, a partir da sua combustão, é gerado. A densidade picnométrica foi determinada no picnômetro Nova . 1000 da Quantachrome, estando o material sob a

"No caso desse projeto, a fase 1 do PIPE, em 2018, e atualmente a fase 2 foram dedicadas a desenvolver a rota de extração da matéria-prima por uma via inovadora, com o aproveitamento de casca de ovos. A tecnologia, iniciada em outubro de 2020, também está focada na obtenção de um produto diferenciado, em conjunto com os parceiros canadenses", diz.

Segundo Barud, o passo inicial, que foi o desenvolvimento da nova rota de extração da matéria-prima, foi fundamental porque não existem empresas brasileiras que produzam ácido hialurônico. Praticamente tudo é importado da China.

"O problema é que a China não tem um controle de qualidade tão exigente como o da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e o ácido hialurônico que eles produzem pode, eventualmente, conter impurezas que, no contexto de um processo de formulação para um preenchedor facial, pode resultar em reações teciduais de inflamação, infecção ou até necrose", afirma.

Entenda os impactos da compostagem e conheça a Casca, alternativa para quem não pode compostar em casa

  Entenda os impactos da compostagem e conheça a Casca, alternativa para quem não pode compostar em casa No Brasil, quem realiza a compostagem dos próprios resíduos orgânicos gera benefícios significativos para o meio ambiente. Além de reduzir o envio de quase metade (em peso) dos resíduos domésticos que seriam enviados para aterros, a compostagem evita a emissão de gases-estufa para a atmosfera. Porém, o país ainda não tem uma infraestrutura adequada para realizar a compostagem em grande escala, o que faz com que essa prática dependa da iniciativa de cada consumidor. © Fornecido por eCycle É possível realizar a compostagem caseira dos resíduos orgânicos até mesmo em apartamentos, com o uso de composteiras.

Este canal é para todos os que desejam conhecer sobre o mundo do cuidado de plantas, com informações simplificadas, mas confiáveis e precisas. Abordo aqui tópicos da jardinagem, cuidados com plantas em ambientes internos e externos, DIY (Faça você mesmo), curiosidades, uso correto de materiais e ferramentas, e conhecimentos técnicos explicados em uma linguagem simples e acessível, vídeos todas as quintas-feiras às 19:00horas.

Carvão virgem socado, casca de ovos lavadas,secas e trituradas no liquidificador. Misture tudo é coloque sobre a terra das suas plantas.

Para fazer a extração do composto a partir de uma matéria-prima como a casca de ovo é preciso descalcificá-la e, para isso, pelo método convencional, seria preciso utilizar muitos ácidos em um processo que envolve diversos solventes, que depois são removidos para que não fiquem resíduos no ácido hialurônico. Esses resíduos, porém, podem se tornar um problema ambiental.

"Conseguimos fazer isso com solventes mais orgânicos, que não são tão agressivos e não produzem tantos resíduos que possam agredir o meio ambiente. Com esse novo método de extração, trabalhamos em uma rota 'verde' para obter o ácido hialurônico", avalia Barud.

Parceria internacional

Em 2020, a BioSmart Nano foi contemplada com um projeto em parceria com o Programa de Assistência à Pesquisa Industrial do Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá (NRC/IRAP, na sigla em inglês), que buscava uma startup brasileira altamente qualificada para consolidar uma parceria.

De acordo com Barud, naquele momento, a aprovação da fase 2 do PIPE-FAPESP foi fundamental para a decisão do governo canadense de estabelecer a parceria.

"Deu, não dá mais.”, Maurício Prado aponta fim de ciclo de sucesso da Geração 85

  Diego Alves, Filipe Luis e Diego formam o popular trio Geração de 85 do Flamengo, juntos eles conquistaram marcam a história do Mais Querido e desde 2019 acumulam títulos com o clube carioca. São três Campeonatos Cariocas, dois Campeonatos Brasileiros, uma Libertadores, uma Recopa Sul-Americana e duas Supercopas do Brasil, na lista de conquistas do trio rubro-negro. Apesar de toda a história dos jogadores com a camisa do Flamengo, os jogadores não andam agradando muito nos últimos tempos e entram na lista de alvos das críticas por parte de alguns torcedores e também da imprensa.

"A FAPESP é muito séria nos seus processos seletivos e já estávamos habituados aos parâmetros rígidos e passamos por todos os requisitos", afirma.

Segundo ela, o projeto tem o objetivo de formular um novo gel preenchedor com base no ácido hialurônico extraído da casca de ovo e estabilizado por um componente inovador patenteado pela empresa canadense Coesys, também parceira no projeto.

"Essa empresa canadense patenteou um biopolímero degradável que pode ser utilizado para o reparo ósseo e tecidual, que funciona como uma espécie de 'cola para ossos'. Já há produtos no mercado com base nesse material, mas percebemos uma necessidade de diversificação", afirma Barud.

O projeto apoiado pelo PIPE-FAPESP está previsto para terminar em 2022 e a parceria com o Canadá vai até 2023.

"A ideia é incorporar o biopolímero da empresa canadense na nossa produção de ácido hialurônico, a fim de estabilizar o gel e obter uma formulação diferenciada para a produção de um preenchedor dérmico de nova geração, que proporcione maior sustentação ao tecido, melhores propriedades de biotoxicidade e evite inflamações locais", explica Barud.

De acordo com Barud, apesar dos atrasos impostos pela pandemia de COVID-19, o projeto já está em fase adiantada. "Já estamos na fase de testar as formulações. No primeiro trimestre de 2022 pretendemos fazer os testes de toxicidade e, em seguida, começar os ensaios clínicos em animais", diz.

Energia nuclear volta aos planos na Europa, com pressão por energia limpa

  Energia nuclear volta aos planos na Europa, com pressão por energia limpa Para atingir metas climáticas, defensores querem reconhecimento da energia nuclear, ao lado da solar e eólica, como fonte aceitável de energia limpa; críticos se preocupam com resíduos radioativos e dizem que alternativa não é solução para neutralizar emissõesQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

Nesse processo, por conta do grande potencial de inovação de seus projetos, a BioSmart Nano conseguiu um importante investidor. Em junho de 2020, a empresa tornou-se sócia da Seven Biotecnologia e passou a fazer parte do http://gseven.com.br/biotecnologia/ Grupo Empresarial Seven. A expertise gerencial e a solidez do grupo garantiram à startup apoio nas áreas jurídica e de contabilidade e a parceria possibilitou a contratação de dois funcionários.

A pesquisadora estima que, quando o projeto chegar à fase de validação e regulamentação, os custos aumentarão exponencialmente. "Avaliamos que gastaremos cerca de R$ 500 mil só com o processo de regulamentação junto à Anvisa. Por isso, embora a verba da FAPESP tenha sido vital para iniciar o projeto e consolidar a parte científica, teremos que seguir adiante buscando novos caminhos e também aportes de investidores", avalia Barud.

O objetivo, segundo ela, é que o novo gel preenchedor esteja no mercado em 2024. Antes disso, será preciso realizar os testes em animais, planejar o escalonamento da produção e conquistar mercado.

"Estamos percebendo que talvez seja mais simples obter a aprovação da FDA [a agência regulatória de fármacos dos Estados Unidos] para depois entrarmos com o processo de aprovação na Anvisa. A jornada ainda é longa, mas o fundamental agora é consolidar a parte científica. Nossa intenção é ter o produto no mercado em 2024, mas vamos também estudar outras possibilidades, como a transferência de tecnologia, caso se conclua que não vale a pena produzir", afirma Barud.

Este texto foi originalmente publicado por Pesquisa para Inovação de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original.

Mulheres usam produção de biocosméticos como alternativa ao garimpo no Amapá .
Por Carolina Pinheiro em Mongabay – Composta por cerca de 30 mulheres ribeirinhas, a Associação Sementes do Araguari produz sabonetes, pomadas e óleos in natura a partir de frutos como andiroba, fava e copaíba. O Amapá é o estado brasileiro com maior área protegida: 70% do território está dentro de Unidades de Conservação. No Alto Araguari, interior do Amapá, um foco de retomada da cultura popular abre janela para a valorização do conhecimento ancestral, colocando os povos residentes no seu lugar de direito. Um grupo de quase 30 mulheres faz uso sustentável dos recursos naturais produzindo biocosméticos, garantindo renda e qualidade de vida para os ribeirinhos.

usr: 9
Isto é interessante!