Meio Ambiente Microplásticos: principais poluentes dos oceanos

08:00  14 janeiro  2022
08:00  14 janeiro  2022 Fonte:   ecycle.com.br

Três estratégias para reduzir a poluição plástica no setor de turismo

  Três estratégias para reduzir a poluição plástica no setor de turismo Por Nações Unidas Brasil - Diante do aumento da poluição plástica em todo o mundo, também impulsionada pela pandemia de COVID-19, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) lançou uma série de iniciativas para conter a disseminação de produtos de uso único. O Programa frisa que é falsa a ideia de que para cumprir medidas sanitárias contra o coronavírus é preciso aumentar o consumo de descartáveis. Para o setor de turismo, área chave para frear o despejo de resíduos nos ecossistemas marítimos, o PNUMA indica três estratégias que podem ajudar a criar uma maior sensibilidade ambiental: escolhas individuais de viajantes por produtos sustentáveis, legislações pro

Os microplásticos, como o próprio nome diz, são pequenas partículas de plástico. Esse tipo de material é um dos principais poluentes dos oceanos. Alguns pesquisadores consideram que o tamanho máximo dos microplásticos é de 1 milímetro, enquanto outros adotam a medida de 5 milímetros.

  Microplásticos: principais poluentes dos oceanos © Fornecido por eCycle

O grande problema é que, como mencionado em nossa matéria sobre a grande quantidade de plástico nos oceanos, os microplásticos alteram a composição de certas partes dos oceanos, prejudicando o ecossistema da região e consequentemente a saúde humana.

Crescente consumo de plástico

Nas últimas décadas, a produção de plástico tem aumentado significativamente em função da sua aplicabilidade em itens de diferentes setores. Dentre os polímeros mais comuns, destacam-se o polipropileno, o polietileno, o policloreto de vinila, o poliestireno e o polietileno tereftalato, que correspondem a cerca de 90% da demanda de plástico no mundo.

2022 na visão da mulher que previu o 11 de setembro

  2022 na visão da mulher que previu o 11 de setembro A previsão do futuro é algo que intriga há muito tempo a humanidade. Apesar de muita gente não acreditar em videntes, há certas profecias que fazem até mesmo os maiores céticos questionarem o reino das possibilidades. Baba Vanga, por exemplo, foi uma dessas raras figuras que previu alguns dos maiores acontecimentos mundiais da história recente, incluindo a tragédia do 11 de setembro, que completou 20 anos em 2021. E embora a senhora cega búlgara tenha falecido há mais de duas décadas, alguns dos seus famosos presságios se tornaram realidade após sua morte. Baba Vanga ainda tem muitos seguidores que esperam para ver quais dos seus prognósticos se concretizarão a cada ano. As previsões da vidente para 2022 já foram divulgadas. Será que ela acertou? Curioso? Na galeria, saiba mais sobre essa senhora extraordinária e suas previsões.

Essa procura por materiais plásticos está relacionada ao seu baixo custo, alta durabilidade e resistência a produtos químicos, radiação e pressão. Em consequência do consumo de produtos feitos por esses polímeros, são geradas grandes quantidades de resíduos que nem sempre são reciclados ou reutilizados, sendo lançados de forma direta ou indireta no ambiente e causando uma série de danos. Desse modo, as atividades antrópicas e industriais são consideradas altamente impactantes, pois são as principais fontes de inserção de plásticos no ambiente.

Como os microplásticos vão parar no meio ambiente?

Lavagem de roupa

Grande parte das roupas são compostas por fibras têxteis sintéticas de plástico - um exemplo é o poliéster. Durante a lavagem das roupas, por meio do choque mecânico, as partículas de microplásticos se desprendem e acabam sendo enviadas para o esgoto, indo parar em corpos hídricos e no ambiente.

Mariza e mais uma: Corinthians feminino anuncia primeiros reforços para 2022

  Mariza e mais uma: Corinthians feminino anuncia primeiros reforços para 2022 Nesta quinta-feira (6) o Corinthians anunciou a contratação da meia Mariza. A jogadora que já havia informado no final de 2021 que não permaneceria no Grêmio é o segundo reforço da equipe paulista para esta temporada. O anuncio do mais novo reforço foi feito através das redes sociais do Timão. Ano passado, ela foi titular da técnica Patrícia Gusmão, atuou em 25 partidas entre Gauchão e Brasileirão, e marcou três gols e nove assistências. Graças Graças a sua boa atuação a jogadora tornou-se a segunda atleta do Tricolor Gaúcho que mais deu o último passe para as companheiras balançarem as redes na temporada. Além disso, ao todo foram três temporadas defendendo a camisa das Gurias Gremistas e somando ao todo 41 jogos e nove gols.

Ar

As fibras têxteis de plástico também vão parar no ar. Um estudo sugere que o simples atrito de um membro do corpo com o outro, quando a pessoa está vestida com roupas de fibras têxteis sintéticas plásticas, já seria o suficiente para dispersar os microplásticos na atmosfera. Essa poeira pode ser inalada, juntar-se ao vapor ou ir parar em seus alimentos, por exemplo.

Cosméticos e produtos de higiene

Alguns sabonetes, cremes, pastas, géis e máscaras esfoliantes são um perigo para o ambiente. Esses produtos podem ser feitos com partículas de polietileno que, após o uso, caem diretamente na rede de esgoto. Mesmo quando há estações de tratamento, as microesferas de plástico dos cosméticos não são retidas pela filtragem de partículas, pois são muito pequenas, e acabam indo parar no oceano.

Tintas látex e acrílicas

Uma reportagem mostrou que a tinta plástica utilizada em casas, carros e navios se desprende por meio de intempéries e vai parar no oceano, formando uma camada de microplásticos na superfície do mar. Vale ressaltar que as tintas látex e acrílicas usadas para artesanato também podem ser acrescentadas nesse tópico como materiais geradores de microplásticos.

Disputa PT-PSB em São Paulo trava federação, diz Luiz Marinho

  Disputa PT-PSB em São Paulo trava federação, diz Luiz Marinho Em entrevista ao Poder360, Luiz Marinho disse que o partido não abrirá mão da candidatura de Fernando Haddad“Se o PSB deseja ter um candidato, não tem problema para nós. Não temos problema em ter 2, 3 palanques para o[ex-presidente Luiz Inácio] Lula [da Silva] em São Paulo. O que não topamos de jeito nenhum é abrir mão da candidatura de Haddad. Não adianta dizer que para ter federação precisa ter o Márcio França. Não vai ter. Se a federação passa por aí, está inviabilizada”, disse.

Pesca fantasma

A pesca fantasma está associada ao abandono e descarte de equipamentos desenvolvidos para capturar animais marinhos. Além de colocar em risco toda a vida marinha, esses itens possuem plástico em sua composição. Ao se degradarem, essas partículas plásticas se transformam em microplásticos.

2021 foi o 6º ano mais quente já registrado, afirmam agências dos EUA

  2021 foi o 6º ano mais quente já registrado, afirmam agências dos EUA SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ano de 2021 foi o sexto mais quente da história, segundo dados divulgados conjuntamente nesta quinta-feira (13) pela Nasa, a agência espacial americana, e pela Noaa, a agência de administração oceânica e atmosférica dos Estados Unidos. "[O ano de] 2021 contribui e é consistente com a tendência de aquecimento observada a longo prazo", afirma a Nasa, em nota. Já a medição publicada na última terça (11) pelo Copérnico, o serviço de mudança climática da União Europeia, apontou 2021 como o quinto ano mais quente desde o início dos registros. As agências usam diferentes modelos e linhas de base, o que resulta em números distintos.

Nurdles

Diferente dos resíduos plásticos que se degradam até se tornarem microplásticos, os nurdles já são feitos com um tamanho reduzido. Eles são a maneira mais econômica de transferir grandes quantidades de plástico para fabricantes de uso final do material em todo o mundo. O problema é que navios e trens despejam acidentalmente essas bolinhas em estradas ou no mar; ou a parte que sobra da produção não é tratada adequadamente. Se alguns milhares de nurdles caem no mar ou em uma rodovia, é praticamente impossível fazer a limpeza.

Material semelhante aos nurdles são os pellets, feitos da mesma maneira mas em formato cilíndrico. Os pellets também vão parar no ambiente devido às perdas no transporte e contaminam corpos hídricos, solo e animais.

Bolsa fecha em alta após promoção de comida elevar vendas do varejo

  Bolsa fecha em alta após promoção de comida elevar vendas do varejo SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O índice de referência da Bolsa de Valores alcançou uma alta semanal de 4,10%, no primeiro avanço após quatro semanas consecutivas no vermelho. Esse também foi o melhor período desde o ganho de 4,70% na semana encerrada em 5 de março de 2021. Altas seguidas das commodities mais importantes para o mercado acionário doméstico, sobretudo o petróleo, foram decisivas para a recuperação. Na sessão desta sexta-feira (14), o Ibovespa subiu 1,33%, a 106.927 pontos e se descolou dos mercados globais. Para isso contou também com a avaliação positiva de investidores sobre a alta do varejo doméstico. O dólar recuou 0,28%, a R$ 5,5130.

Descarte incorreto

Durante o ano, pelo menos oito milhões de toneladas de resíduos plásticos que foram descartados incorretamente vão parar nos oceanos, lagos e rios do mundo todo. Esses descartes, se fossem encaminhados corretamente para a reciclagem, poderiam voltar para a cadeia energética. Mas, uma vez no oceano, se fragmentam em microplásticos e acabam entrando na cadeia alimentar, participando inclusive da dieta humana.

Cada canudo, sacola, tampa, rótulo ou embalagem descartados incorretamente se quebrarão e formarão microplásticos. O plástico não desaparece, só fica menor.

Impactos dos microplásticos

Incorporam partículas tóxicas

Quando escapam para o meio ambiente, os microplásticos atuam como captadores de poluentes orgânicos persistentes (POPs) altamente nocivos. Dentre esses poluentes estão os PCBs, os pesticidas organoclorados, o DDE e o nonilfenol. Os POPs são tóxicos e estão diretamente ligados a disfunções hormonais, imunológicas, neurológicas e reprodutivas. Eles ficam durante muito tempo no ambiente e, uma vez ingeridos, têm a capacidade de se fixarem na gordura do corpo, no sangue e nos fluidos corporais de animais e humanos.

Entram na cadeia alimentar

Ingerir microplásticos contaminados não é muito difícil, já que essas partículas estão presentes no meio ambiente desde o final da Segunda Guerra Mundial. Na Indonésia, trabalhadores da pesca já estão consumindo mexilhões contaminados por plásticos. Mas não é somente na Indonésia, no Reino Unido e na Austrália, os mexilhões também estão contaminados por essas partículas.

Aquecimento global obriga Brasil a se preparar melhor para prevenir desastres

  Aquecimento global obriga Brasil a se preparar melhor para prevenir desastres Especialistas apontam que há dados que permitem se antecipar a acidentes, mas informações são pouco usadas pelos gestoresQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

Recentemente, um novo estudo realizado pela Universidade de Bayreuth mostrou que os microplásticos estão presentes em mexilhões de todo o mundo. A equipe de pesquisadores investigou a carga de microplásticos de quatro espécies desse molusco que são vendidas com frequência como alimento em supermercados de doze países ao redor do mundo.

Todas as amostras analisadas continham partículas microplásticas, e os pesquisadores detectaram um total de nove tipos diferentes de plástico. O polipropileno (PP) e o tereftalato de polietileno (PET) foram os tipos de plástico mais comuns encontrados durante a realização da pesquisa.

Além disso, outra pesquisa concluiu que a água potável é uma fonte significativa de microplásticos na dieta humana. Por isso, a padronização de métodos para analisar microplásticos faz-se urgentemente necessária.

Causam poluição química

Os bisfenóis, utilizados em larga escala pela indústria, estão presentes em tintas, resinas, latas, embalagens e materiais de plástico em geral. Quando escapam para o ambiente, além da poluição visual e física que causam, geram poluição química. Uma vez no ambiente e no organismo, o bisfenol se comporta como um disruptor endócrino, podendo causar esterilização, problemas comportamentais, diminuição da população, entre outros.

Retardam o crescimento de plantas

Um estudo realizado por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Massachusetts Amherst e da Universidade Shandong, na China, mostrou que os microplásticos presentes no solo podem reduzir a biomassa total das plantas, o que tem influência direta no rendimento e valor nutricional das safras.

Bolsonaro é incapaz de pôr Brasil no centro das tecnologias sustentáveis, diz Di Grassi

  Bolsonaro é incapaz de pôr Brasil no centro das tecnologias sustentáveis, diz Di Grassi SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Há 12 anos, Lucas Di Grassi, 36, migrou da F1 para a FE, deixando para trás a categoria de carros movidos com motores a combustão para ser um dos idealizadores do campeonato de veículos elétricos, criado em 2014. De lá para cá, o piloto passou a ser umas das principais vozes no automobilismo mundial em defesa de soluções de mobilidade urbana com fontes de energia renováveis. Campeão na temporada 2016/17 e prestes a iniciar no dia 28 deste mês seu oitavo ano consecutivo na FE, o paulista acredita que o Brasil esteja atrasado no processo de transição de tecnologia pelo qual passa toda a indústria automotiva.

Apresentam riscos para a vida animal

Os microplásticos também apresentam diversos riscos para a vida animal. Quando vão parar no meio ambiente, eles podem reduzir a população de animais, prejudicar o desenvolvimento de ovos de aves, causar deformidades sexuais em répteis e peixes e provocar alterações na metamorfose de anfíbios. Três pesquisas realizadas com o objetivo de analisar a disseminação de microplásticos entre esses indivíduos mostraram que 30% dos peixes amazônicos têm o intestino contaminado por partículas plásticas.

Outra pesquisa demonstrou que os plásticos no oceano podem liberar produtos químicos que causam deformidades nas larvas de ouriços-do-mar. Em um experimento, ouriços-do-mar que tiveram contato com esses compostos tóxicos desenvolveram uma variedade de anormalidades, incluindo esqueletos deformados e complicações no sistema nervoso. Dessa maneira, pode-se concluir que produtos químicos utilizados para tratar plásticos também podem apresentar riscos para a vida animal, já que são liberados na água.

Por fim, um estudo demonstrou que os microplásticos afetam as espécies marinhas de forma desigual. A equipe de pesquisadores identificou tendências que ajudam a explicar por que certos animais são mais vulneráveis à ingestão de plástico do que outros, como é o caso de peixes. De acordo com os dados coletados, espécies que vivem em ambientes marinhos mais poluídos e ocupam níveis tróficos superiores nas cadeias alimentares são mais suscetíveis ao consumo de microplásticos.

Provocam prejuízos à saúde humana

Os alimentos embalados por recipientes contendo bisfenol sofrem contaminação. Ao consumirmos esses produtos, ingerimos também o bisfenol, cujo consumo está comprovadamente associado a diabetes, síndrome do ovário policístico, câncer, infertilidade, doenças cardíacas, fibromas uterinos, abortos, endometriose, déficit de atenção, entre outras doenças.

Além disso, um relatório chamado “Plastics, EDCs & Health: A Guide For Public Interest Organizations and Policy-makers on Endocrine Disruption Chemicals & Plastics” demonstrou que diversos tipos de plástico se comportam como disruptores endócrinos, podendo causar esterilização, problemas comportamentais, diminuição da população e outros danos à saúde.

Um estudo publicado no Journal of Hazardous Materials indicou que a ingestão de microplásticos através da comida, do ar e da água pode causar lesões celulares. Foi comprovado que esses materiais resultam no dano nas paredes das células, morte celular e reações alérgicas.

Também foi observado que o seu formato pode influenciar no tipo de dano. Microplásticos de formas irregulares causam mais mortes celulares do que os esféricos. Isso é importante porque reflete pesquisas prévias que usavam esferas pristinas em seus estudos.

Por fim, um estudo mostrou que pessoas com doenças inflamatórias intestinais têm 50% mais microplásticos em suas fezes.

Microplásticos revelados na placenta de gestantes

Pela primeira vez, pesquisadores de um estudo publicado na revista Environment International encontraram microplásticos nas placentas de mulheres gestantes, o que causou grande preocupação.

Os pesquisadores notaram uma dúzia de partículas de plástico em apenas 4% de placenta, o que sugere que o número total de microplásticos pode ser muito maior. Todas as partículas analisadas eram plásticos tingidos de azul, vermelho, laranja ou rosa e podem ter origem em embalagens, tintas ou cosméticos e produtos de higiene pessoal.

No estudo, os pesquisadores concluíram que "devido ao papel crucial da placenta no apoio ao desenvolvimento do feto e em atuar como uma interface com o ambiente externo, a presença de partículas de plástico potencialmente nocivas é uma questão de grande preocupação. Mais estudos precisam ser realizados para avaliar se a presença de microplásticos pode desencadear respostas imunológicas ou pode levar à liberação de contaminantes tóxicos, resultando em danos. ”

Outra pesquisa mostrou que as mamadeiras podem ser fonte de ingestão de microplásticos em bebês. Observando as taxas de consumo de leite em mamadeiras e de amamentação em todo o mundo, pesquisadores estimaram que um bebê consome, em média, 1,6 milhão de partículas de microplásticos todos os dias.

Na América do Norte, onde mamadeiras de plástico são mais comuns e as taxas de amamentação são mais baixas quando comparadas aos índices de países em desenvolvimento, esse número chega a 2,3 milhões de partículas por dia. Na Europa, a taxa é de 2,6 milhões; na França, Holanda e Bélgica, entretanto, pode chegar até 4 milhões.

Como evitar a presença de microplásticos?

Confira dicas de como evitar a disseminação de microplásticos:

  • Diminua o consumo de plásticos;
  • Não consuma animais marinhos e contribua com iniciativas que retirem redes de pesca e outros plásticos do mar;
  • Evite consumir alimentos armazenados em recipientes de plástico;
  • Troque sua escova de dentes de plástico por uma de bambu;
  • Tente usar absorventes de pano ou coletor menstrual;
  • No lugar de tecidos de fibra sintética, utilize algodão orgânico;
  • Quando comprar alimentos, cosméticos e produtos em geral, prefira aqueles que venham em embalagens de vidro, papel ou sem embalagens, como shampoos e sabonetes em barra;
  • Recicle, reutilize e reaproveite;
  • Zere o consumo de itens de plástico supérfluos, como canudinhos, glitter, copos descartáveis e sacolas;
  • Pegue e dê carona. Cada carro a mais é sinônimo de mais microplásticos no ar e na água;
  • Zere o consumo de cosméticos com esfoliantes sintéticos: substitua-os por receitas naturais;
  • Descarte corretamente e encaminhe para reciclagem;
  • Conheça a New Plastics Economy, uma iniciativa que quer repensar o futuro aplicando os princípios da Economia Circular ao ramo do plástico, começando pelas embalagens;
  • Pressione empresas e governos para que diminuam o uso de plástico, utilizem embalagens retornáveis e com design menos nocivo e garantam o retorno do plástico utilizado à cadeia de produção.

Embora sejam encontrados nos mais diversos ambientes, detectar e identificar os microplásticos ainda é um desafio, já que não existe uma metodologia padrão para esses processos. Diante disso, pesquisadores de diferentes áreas estão empenhados em estabelecer a melhor técnica para realizar esses procedimentos em amostras ambientais. Enquanto isso, você pode adotar algumas medidas citadas acima para diminuir a disseminação de microplásticos no meio ambiente e reduzir os diversos danos causados por eles.

Mexilhões podem ser parte da solução

Cientistas do Laboratório Marinho de Plymouth (PML) testaram a eficácia dos mexilhões na eliminação de microplásticos da água do mar usando um tanque de calha projetado sob medida. Os experimentos mostraram que 300 mexilhões podiam filtrar mais de 250.000 microplásticos por hora!

Esses microplásticos são ejetados pelos animais em sua matéria fecal. Quando as fezes continham altos níveis de plástico, elas flutuavam rapidamente para a superfície da água, podendo ser coletadas junto com os microplásticos.

O professor Pennie Lindeque, chefe de ciência do Grupo de Ecologia Marinha e Biodiversidade, disse: “Os experimentos têm sido extremamente promissores, e estamos muito entusiasmados com o impacto positivo que esses sistemas podem ter em locais onde os microplásticos se acumulam”.

Bolsonaro é incapaz de pôr Brasil no centro das tecnologias sustentáveis, diz Di Grassi .
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Há 12 anos, Lucas Di Grassi, 36, migrou da F1 para a FE, deixando para trás a categoria de carros movidos com motores a combustão para ser um dos idealizadores do campeonato de veículos elétricos, criado em 2014. De lá para cá, o piloto passou a ser umas das principais vozes no automobilismo mundial em defesa de soluções de mobilidade urbana com fontes de energia renováveis. Campeão na temporada 2016/17 e prestes a iniciar no dia 28 deste mês seu oitavo ano consecutivo na FE, o paulista acredita que o Brasil esteja atrasado no processo de transição de tecnologia pelo qual passa toda a indústria automotiva.

usr: 0
Isto é interessante!