Meio Ambiente: Plásticos invadem ‘berçários’ de larvas de peixes - - PressFrom - Brasil

Meio Ambiente Plásticos invadem ‘berçários’ de larvas de peixes

16:40  13 novembro  2019
16:40  13 novembro  2019 Fonte:   bbc.com

Óleo no Nordeste: chega a 409 número de localidades afetadas

  Óleo no Nordeste: chega a 409 número de localidades afetadas Óleo no Nordeste: chega a 409 número de localidades afetadasSegundo o Ministério da Saúde, o Nordeste tem 153 municípios litorâneos, o que significa que o óleo chegou a ao menos 67,9% das cidades da costa da região.

As quantidades de plástico que se têm espalhado afetam não só o meio ambiente, como também os oceanos. Um dos graves problemas deste tipo de poluição está relacionado com o facto de estes plásticos , como cotonetes, palhinhas ou sacos de plástico , se deteriorarem e, através do peixes

Outros são carnívoros, alimentam-se de outros peixes e de animais diversos como moluscos e crustáceos. Ósseos – são todos os peixes que possuem vértebras bem formadas e membros mantidos por raios divergentes (hastes ósseas que servem de esqueleto às nadadeiras).

Enquanto o impacto do plástico em animais marinhos adultos é cada vez mais conhecido, autores de novo estudo encontraram a contaminação em larvas de peixes© Getty Images Enquanto o impacto do plástico em animais marinhos adultos é cada vez mais conhecido, autores de novo estudo encontraram a contaminação em larvas de peixes

Para peixes "bebês", a superfície do mar perto do costa é uma camada rica em nutrientes, fazendo dela uma espécie de "berçário" para larvas desses animais, chamados de alevinos.

Mas o que cientistas desconfiavam foi confirmado agora em um estudo inédito: esses locais, ricos em plânctons, estão repletos também de fragmentos de plásticos flutuantes, o que ameaça a vida dos peixes em uma fase bastante vulnerável para a sobrevivência. Em uma dimensão maior, isso implica em potenciais danos para ecossistemas marinhos e até para o consumo humano de produtos vindos dos oceanos, dizem os autores do artigo, publicado esta semana no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

Ministério da Agricultura diz que peixes do Nordeste podem ser consumidos

  Ministério da Agricultura diz que peixes do Nordeste podem ser consumidos Análise foi feita pelo Laboratório de Estudos Marinhos e Ambientais da PUC do Rio e mostra que o produto está em condições apropriadas para o consumo humano . O laboratório analisou os níveis de indicadores para contaminação por derivados de petróleo. Os resultados, segundo o ministério, revelam níveis baixos detectados em peixes e lagostas e que não representam riscos para o consumo humano.As amostras foram coletadas em estabelecimentos registrados no Serviço de Inspeção Federal (SIF), nos dias 29 e 30 de outubro, nos estados da Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Alimentando os peixes na caixa d'água com larvas de moscas, elas invadiram a cultura do besouro do amendoim e agora estão servindo como alimento para os peixes .

Fiscalização de estacionamento irregular de veículo. Reparo de lâmpada apagada. Poda de árvore em logradouro. Remoção de resíduos no logradouro. Controle de roedores. Reparo de sinal de trânsito apagado ou em amarelo piscante.

O achado alarmante, vindo da dissecação de animais, constatou que peixes em sua fase larval já consomem pedaços de plástico presentes na água — coisa para a qual só havia confirmação até agora para peixes adultos.

"Peixes na fase larval são fundamentais para o funcionamento dos ecossistemas e representam as futuras populações de peixes adultos", explicou em um comunicado à imprensa Jamison Gove, um dos autores do estudo e oceanógrafo da NOAA, órgão de pesquisa do governo americano.

"O fato destas larvas estarem rodeadas de detritos plásticos diminutos e ingerirem plásticos carregados de toxinas, em seu estágio mais vulnerável de vida, é motivo de alarme", disse Gove.

Concentração de plástico oito vezes maior que no Grande Depósito de Lixo do Pacífico

Os pesquisadores, vinculados ao NOAA e também à Universidade do Estado do Arizona, analisaram dados e materiais de uma área de cerca de 1.000 km² na costa oeste do Havaí.

Estudo mostra alta concentração de antibióticos nos rios

  Estudo mostra alta concentração de antibióticos nos rios Estudo global recente descobriu que as concentrações de antibióticos em alguns rios do mundo excedem os níveis "seguros" em até 300 vezes.Antibióticos também parecem estar se espalhando no meio ambiente. Um estudo global recente descobriu que as concentrações de antibióticos em alguns rios do mundo excedem os níveis “seguros” em até 300 vezes.

O wikiHow possui uma Equipe de Gerenciamento de Conteúdo que monitora cuidadosamente o trabalho de nossos editores para garantir que todo artigo Livrar-se de uma infestação exige certa dose de determinação, mas vale muito a pena. Para reduzir as infestações de larvas , você precisa

O declínio das populações de peixes marinhos é um fenômeno recente e de grandes proporções. Suas causas são as atividades humanas, principalmente a pesca excessiva e predatória, secundada por outras agressões humanas ao meio ambiente, como o aquecimento global e a poluição.

Eles focaram em corredores na superfície da água em que materiais orgânicos e inorgânicos se juntam.

"Estes corredores concentram plânctons e, portanto, fornecem um oásis de comida que é fundamental para o desenvolvimento e a sobrevivência das larvas de peixes", disse Jonathan Whitney, ecologista marinho do NOAA e um dos autores do estudo.

Com técnicas de sensoriamento remoto, os pesquisadores detectaram, nestes corredores em comparação com águas superficiais "normais", uma maior densidade de fitoplânctons (1,7 vezes maior); zooplânctons (3,7 vezes); e larvas de peixes (8,1 vezes). Os corredores continham também peixes com melhores habilidades para nadar, tanto em termos de velocidade quanto de duração.

Mas esses corredores também mostraram uma densidade mediana 126 vezes maior de plásticos do que outras partes das águas superficiais — e oito vezes maior do que a densidade encontrada no Grande Depósito de Lixo do Pacífico, uma massiva área de acúmulo de resíduos, boa parte plásticos, entre a Califórnia e o Havaí. Em 658 larvas de peixes dissecadas, foram encontrados partículas de plástico em 42 deles, uma ocorrência 2,3 vezes maior do que em outros tipos de águas superficiais.

Estudante desenvolve inseticida à base de planta para combater o vírus da dengue

  Estudante desenvolve inseticida à base de planta para combater o vírus da dengue Você conhece a árvore nim? Ela é uma planta comum em terras brasileiras, originária do sudoeste asiático e da Índia. Presenta também em parques, ela pode ser a chave para a solução de um dos principais problemas de saúde pública brasileira, a proliferação do Aedes Aegypti, o mosquito vetor de doenças como a dengue, o zika virus e a chikungunya. A descoberta foi feita pela mestranda em biologia Layse Reis, da Universidade Estadual de Feira de Santana, na Bahia. O óleo de nim, objeto de estudo da pesquisadora, se mostrou eficaz em matar as larvas do mosquito, que são muito resistentes à inseticidas normais.

Apesar de ter a venda proibida pela Anatel, um aparelho celular de tamanho reduzido tem atraído compradores em lojas da região da Rua Santa Ifigênia, no

Horoscopo Peixes Hoje, Horóscopo Signo Peixes Hoje - Signo no Amor, Dinheiro e Saúde e Compatibilidade Astral Signo Peixes . Kit de Proteção de Peixes . O Kit do Signo Peixes homenageia o signo sonhador e emotivo do zodíaco. Contém 5 produtos que ajudarão todos os Piscianos a

Espécies amplamente comercializadas, como o espadarte, tiveram fragmentos de plásticos encontrados© Getty Images Espécies amplamente comercializadas, como o espadarte, tiveram fragmentos de plásticos encontrados

"Encontramos pequenos pedaços de plástico no estômago de espécies amplamente comercializadas, como o espadarte e o dourado-do-mar, e espécies de recifes de corais como o peixe-porco", contou Whitney.

A maior parte dos plásticos encontrados foram considerados fragmentos pequenos (menores que 5mm) — que costumam originar da decomposição de plásticos maiores, expostos por meses a anos a fatores como Sol e o sal do mar. Em relação ao tipo, a maioria foi de polímeros de polietileno e polipropileno.

"Esses polímeros são usados em itens de consumo de uso único (por exemplo, sacolas plásticas, caixas de alimentos e garrafas d'água) e em materiais comumente usados em indústrias marítimas, como transporte, aquicultura e pesca (por exemplo, engradados, baldes, cordas e redes). Sabe-se que o polímero mais dominante encontrado nos corredores, o polietileno (76,6%), absorve poluentes mais rapidamente do que outros polímeros e pode servir como um vetor de poluentes para a fauna marinha", diz o estudo.

Estudante desenvolve inseticida à base de planta para combater o vírus da dengue

  Estudante desenvolve inseticida à base de planta para combater o vírus da dengue Rosângela conta sobre as barreiras que superou.

Rio da prata, lagoas, berçários naturais, criadouro de peixes , Piraputanga, Piau, Pacu, Curimba, Lambaris, Natureza, Jardim Mato Grosso do Sul

Criadeira e Berçário feito com garrafa Pet, de forma simples e com eficiência para criação de alevinos. Para participar do WhatsApp da Sociedade Brasileira

Fragmentos plásticos azuis confundidos com alimento

Fragmentos de plástico se originam de porções maiores em decomposição© Getty Images Fragmentos de plástico se originam de porções maiores em decomposição

Como boa parte dos fragmentos plásticos ingeridos tinham cor azul ou translúcida, e muitos zooplânctons têm pigmentos assim, os pesquisadores acreditam que os animais confundam os itens com alimentos na hora de comer.

Ainda não se sabe ao certo o impacto desta ingestão para os organismos de larvas de peixes, mas tudo indica que seja igual ou pior do que para animais adultos.

"Estudos de laboratório têm algumas limitações, mas já revelaram que a ingestão de plástico pode ter efeitos adversos nos peixes, incluindo o acúmulo de substâncias tóxicas; bloqueio e perfuração intestinal; desnutrição; e diminuição da capacidade de fuga de predadores. Órgãos não plenamente desenvolvidos podem prejudicar a capacidade das larvas de peixes de se desintoxicar e eliminar poluentes químicos. Portanto, os impactos da ingestão de plástico nas larvas são provavelmente mais graves do que nos peixes adultos", diz o artigo, que apesar do alarme ser sucedido também por possíveis soluções.

"É importante ressaltar que reduzir diretamente a exposição de larvas de peixes a plásticos é factível. Estima-se que o volume anual de plástico que chega aos oceanos poderia ser reduzido em cerca de 80% com investimentos globais no gerenciamento de resíduos e comportamento dos consumidores", conclui.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!



Arraia-jamanta ingere até 63 pedaços de plástico por hora .
Estudo feito em águas da Indonésia reforça a gravidade do problema do plástico nos mares do mundoO estudo a esse respeito, realizado por pesquisadores da Marine Megafauna Foundation (EUA), da Universidade Murdoch (Austrália) e da Universidade Udayana (Indonésia), foi publicado na revista “Frontiers in Marine Science”.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 5
Isto é interessante!