Meio Ambiente: Universidade afirma ter identificado navio que derramou óleo no litoral - - PressFrom - Brasil

Meio Ambiente Universidade afirma ter identificado navio que derramou óleo no litoral

00:10  18 novembro  2019
00:10  18 novembro  2019 Fonte:   estadao.com.br

Análise da Ufal indica que óleo veio de navio fantasma, não de embarcação grega

  Análise da Ufal indica que óleo veio de navio fantasma, não de embarcação grega Análise da Ufal indica que óleo veio de navio fantasma, não de embarcação gregaA embarcação teria passado pela costa brasileira com o sistema de rastreamento por satélite, o transponder, desligado para não ser detectada pelas autoridades. Os dados de navegação usados na pesquisa são provenientes da plataforma Marine Traffic, provedora mundial de trajetórias de navios.

A operação Mácula, da Polícia Federal, identificou um navio de bandeira grega com petróleo A PF afirmou ainda que nesta sexta-feira cumpre dois mandados de busca e apreensão na cidade do Rio O governo brasileiro e a Petrobras já haviam afirmado que o petróleo derramado nas praias do

Navio grego é suspeito de derramamento de óleo no NE, e PF cumpre mandados. Navio de bandeira grega é indicado como responsável pelo derrame de petróleo. Responsáveis pelo caso, os procuradores da República Cibele Benevides e Victor Mariz afirmam que "há fortes indícios de que a

Voluntário tenta retirar óleo de praia de Pernambuco em 15 de outubro © Tiago Queiroz/Estadão Voluntário tenta retirar óleo de praia de Pernambuco em 15 de outubro

RIO - A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) informou neste domingo, 17, ter identificado um navio que seria responsável pelo vazamento de óleo no litoral do nordeste. O nome da embarcação e a sua bandeira não foram divulgados, mas não se trata de nenhuma das cinco apontadas pela Marinha como as principais suspeitas pelo derramamento. O cargueiro teria partido da Ásia em direção à África.

O coordenador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis) da Ufal, Humberto Barbosa, afirmou que os dados coletados serão encaminhados ao Senado Federal no próximo dia 21, quando haverá uma audiência pública da comissão externa que acompanha as investigações.

Ministério da Agricultura diz que peixes do Nordeste podem ser consumidos

  Ministério da Agricultura diz que peixes do Nordeste podem ser consumidos Análise foi feita pelo Laboratório de Estudos Marinhos e Ambientais da PUC do Rio e mostra que o produto está em condições apropriadas para o consumo humano . O laboratório analisou os níveis de indicadores para contaminação por derivados de petróleo. Os resultados, segundo o ministério, revelam níveis baixos detectados em peixes e lagostas e que não representam riscos para o consumo humano.As amostras foram coletadas em estabelecimentos registrados no Serviço de Inspeção Federal (SIF), nos dias 29 e 30 de outubro, nos estados da Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

O petroleiro Bouboulina, suspeito de ter derramado o óleo que contaminou a costa do Nordeste do Brasil, seguia para a África depois de encher os tanques na

de ter derramado o óleo que desde o fim de agosto já atingiu mais de 300 locais no litoral do tanto em estudos próprios como em avaliações de agências espaciais e de universidades . 'não há provas' de que o navio Bouboulina derramou óleo ; a empresa não foi procurada por Especiais, que afirma ter realizado a análise de dados de satélite para localizar as manchas e feito um cruzamento

Na última sexta-feira, 15, o Lapis conseguiu identificar uma nova imagem do satélite Sentinel-1A, do dia 19 de julho deste ano, que revela uma mancha de óleo com cerca de 25 quilômetros de extensão por 400 metros a 26 quilômetros do litoral da Paraíba. O Lapis já havia identificado, a partir de imagens de três satélites (Sentinel 1-A, Aqua-Modis e NOAA-20) feitas em 24 de julho, uma grande mancha de óleo a 40 quilômetros do litoral do Rio Grande do Norte.

“Já havíamos definido um padrão, um protocolo, em função da imagem do dia 24 de julho”, explicou Humberto Barbosa. “Foi assim que encontramos uma nova mancha no litoral da Paraíba, no dia 19 de julho, que nos levou a definir uma primeira embarcação suspeita.”

A partir dessas imagens, o laboratório rastreou todos os navios-tanques que transportavam óleo cru nessas datas e passaram pela costa do nordeste. No total, os pesquisadores constataram que 111 navios navegaram por lá com esse tipo específico de carga.

Ao menos 5 praias no Piauí são atingidas por manchas de óleo

  Ao menos 5 praias no Piauí são atingidas por manchas de óleo Ao menos 5 praias no Piauí são atingidas por manchas de óleoDe acordo com o novo balanço do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), o petróleo atingiu 607 locais, em 10 Estados, até este sábado (16.nov.2019). Eis a íntegra da lista de locais atingidos.

A conclusão reforça a suspeita de que o óleo que chegou às praias do Nordeste tenha vazado de algum navio . A declaração feita pelo presidente reforça um A análise continua para saber se a gente consegue detectar de que país é , de onde veio, qual navio petroleiro que derramou esse óleo lá ?”

PF faz operação para descobrir origem e autoria de vazamento de óleo . A Polícia Federal cumpriu, nesta sexta-feira (1º), mandados de busca e apreensão na Lachmann Agência Marítima, que seria representante do navio Bouboulina - suspeito de derramar ou vazar o óleo que atingiu o litoral

De todas as embarcações analisadas, concluiu-se que apenas uma delas apresentava indícios de ter sofrido algum incidente durante o trajeto que justificasse um grande vazamento de óleo como o que atingiu o país.

Segundo as informações levantadas pelo Lapis, o navio costuma fazer o trajeto de um país asiático até a Venezuela, passando pela África do Sul. Normalmente, a embarcação navega com o transponder ligado, indicando sua localização ao longo de todo o percurso. No entanto, entre o dia primeiro de julho e o dia 13 de agosto, a embarcação navegou com o transponder desligado, violando o direito marítimo internacional.

O acompanhamento via satélite mostra que o navio partiu de um país asiático em primeiro de julho. Quando passou pelo Oceano Atlântico, a embarcação seguiu um trajeto incomum e fez uma manobra que indicaria uma mudança de trajetória, justamente na altura do litoral do Nordeste.

Navio identificado pela Ufal não foi responsável por óleo na costa brasileira, diz Marinha

  Navio identificado pela Ufal não foi responsável por óleo na costa brasileira, diz Marinha Navio identificado pela Ufal não foi responsável por óleo na costa brasileira, diz MarinhaA negativa foi dada com base em estudos realizados pelo Centro de Hidrografia da Marinha e pela geointeligência do Ibama. De acordo com a nota a Marinha, a hipótese apresentada pelo Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), sobre um eventual derramamento de óleo ocorrido por um navio a 26 km da costa da Paraíba, em 19 de julho, “não geraria o espalhamento de manchas que foi observado em nosso litoral, principalmente no sul do estado da Bahia e norte do Estado do Espírito Santo”.

Quanto óleo vazou no mar? A embarcação Bouboulina, suspeita de ter causado o vazamento, tem A Venezuela afirma ter dúvidas sobre essa explicação, já que não foi acionada para investigar o No momento, vistorias embarcadas e aéreas, em andamento, não identificaram manchas de óleo no

Bouboulina, navio petroleiro operado por empresa grega é suspeito de derramar o óleo que atinge o Nordeste, segundo a PF — Foto: Divulgação. A Witt O´Brien´s Brasil afirma que está à disposição das autoridades brasileiras e que contribuirá com todas as Manchas de óleo no nordeste.

“O percurso mostra uma alteração na direção do navio, indicando um comportamento suspeito ou um grande problema mecânico”, afirmou Humberto Barbosa. “Mas é claro que ainda será necessário aprofundar essas investigações.”

O navio suspeito possui uma capacidade de carga duas vezes maior do que o Bouboulina –o navio grego apontado pelo governo como o principal suspeito do vazamento --, o que justificaria as seis mil toneladas de óleo já retiradas das praias do nordeste.

A Marinha já havia descartado a imagem do dia 24 de julho como sendo de algas e não de óleo. Sobre a nova imagem encontrada, não foi divulgado ainda um comunicado.

‘Não sabemos quanto de óleo ainda tem no mar’, diz Bolsonaro .
‘Não sabemos quanto de óleo ainda tem no mar’, diz Bolsonaro“Nos gostaríamos muito que fosse identificado quem cometeu, no meu entender, esse ato criminoso. Nós não sabemos quanto de óleo ainda tem no mar”, afirmou após participar de cerimônia militar realizada no Rio de Janeiro.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais

Vídeos temáticos:

usr: 10
Isto é interessante!