Meio Ambiente: Análise de imagens de satélite aponta para embarcação das Ilhas Marshall; Marinha refuta estudo - - PressFrom - Brasil

Meio Ambiente Análise de imagens de satélite aponta para embarcação das Ilhas Marshall; Marinha refuta estudo

02:00  22 novembro  2019
02:00  22 novembro  2019 Fonte:   estadao.com.br

Organização dos EUA afasta tese de que navio grego é o responsável por derramamento de óleo

  Organização dos EUA afasta tese de que navio grego é o responsável por derramamento de óleo Organização dos EUA afasta tese de que navio grego é o responsável por derramamento de óleoNo dia 2 de novembro, a Polícia Federal deflagrou a “Operação Mácula” e cumpriu mandados de busca e apreensão em duas empresas no Rio - na Lachmann Agência Marítima e na Witt O Brien’s - que teriam relação com a empresa grega. A Delta Tankers negou ser autora da tragédia e se dispôs a colaborar com as investigações brasileiras. O governo divulgou o nome da empresa grega e, ao menos por enquanto, não voltou atrás em relação a essa posição na investigação.

Missão da Marinha : "Preparar e empregar o Poder Naval, a fim de contribuir para a Defesa da Pátria; para a garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem; para o cumprimento das atribuições subsidiárias previstas em Lei; e para o apoio à Política Externa”.

Monitoramento de culturas agrícolas, como por exemplo da cana- de -açúcar, pode ser feito por meio da análise de séries temporais de imagens de satélites

RIO - Um estudo do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite (Lapis), da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), apresentado nesta quinta-feira, 20, em audiência na Câmara dos Deputados, em Brasília, aponta o navio Voyager I, de bandeira das Ilhas Marshall, como o principal suspeito pelo derramamento de óleo que atinge o Nordeste e o Espírito Santo. A Marinha diz que essa embarcação não está entre as investigadas

Com base em diversas análises de imagens de satélite e dados de inteligência da Marine Traffic, o coordenador do Lapis, Humberto Barbosa, refutou a principal hipótese defendida pela Marinha: a de que o desastre teria sido provocado pelo navio grego Bouboulina. “Este (Voyager I) é o navio que a gente aponta como suspeito”, afirmou o pesquisador em apresentação a parlamentares da Comissão Externa sobre o derramamento do óleo.

Após empresa contestar elo de navio grego com óleo, Marinha diz seguir várias linhas de investigação

  Após empresa contestar elo de navio grego com óleo, Marinha diz seguir várias linhas de investigação Após empresa contestar elo de navio grego com óleo, Marinha diz seguir várias linhas de investigaçãoBRASÍLIA – Após a organização americana Skytruth contestar as acusações da Polícia Federal de que o derramamento de óleo que atinge o litoral brasileiro desde agosto teria sido causado por um navio grego, a Marinha disse na noite desta sexta-feira, 15, trabalhar "em diversas linhas de investigação. Reforçou, no entanto, a suspeita sobre a embarcação europeia.

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência de navegação e para fins estatísticos. Saber mais. Trazemos nas mãos mais de 60 anos de sabedoria garantindo o melhor sabor e textura.

Já sobre política pura e dura, o responsável lamenta a falta de renovação política, uma das causas que aponta para o afastamento dos jovens em relação aos partidos. Estes são os principais constrangimentos que os jovens enfrentam em Cabo Verde, na análise do líder da JPAI, Fidel de Pina.

“Não estou dizendo que ele é o culpado. O Lapis não tem ferramenta criminal para dizer que o Voyager I é o culpado. Porém, baseado em evidências de satélite e informações da Marine Traffic, chegamos a essa conclusão”, afirmou.

O Lapis concluiu que o Voyager I passou pela costa brasileira em julho com o transponder desligado, ou seja, como um navio fantasma. O cruzamento das informações de inteligência com as manchas de óleo captadas por satélite nos dias 19 e 24 de julho apontam para essa conclusão. “Estudamos as trajetórias de 111 navios cargueiros e nenhuma delas era compatível com as datas dos vazamentos, apenas a do Voyager.”

A Marinha informou que o Voyager I não está entre as cinco embarcações apontadas como principais suspeitas pelo derramamento de óleo (Maran Apollo, Maran Libra, Minerva Alexandra, Cap. Pembroke e Bouboulina). Ainda segundo a Marinha, as imagens apresentadas pelo Lapis não seriam de óleo, mas de algas.

Universidade afirma ter identificado navio que derramou óleo no litoral

  Universidade afirma ter identificado navio que derramou óleo no litoral Universidade afirma ter identificado navio que derramou óleo no litoralRIO - A Universidade Federal de Alagoas (Ufal) informou neste domingo, 17, ter identificado um navio que seria responsável pelo vazamento de óleo no litoral do nordeste. O nome da embarcação e a sua bandeira não foram divulgados, mas não se trata de nenhuma das cinco apontadas pela Marinha como as principais suspeitas pelo derramamento. O cargueiro teria partido da Ásia em direção à África.

Veja uma série de fotos de tatuagens no ombro. O ombro é um lugar muito comum para se fazer tatuagens. Por ser um local muito fácil de cobrir, essa pode ser uma vantagem se o tatuado precisar esconder o desenho em alguma ocasião.

Central de Conteúdo. Últimas notícias. Imagens . Pesquisa de satisfação de TI da mb. Bússola.

Embarcação saiu da Ásia

Segundo as informações levantadas pelo Lapis, o navio costuma fazer o trajeto de um país asiático até a Venezuela, passando pela África do Sul. Normalmente, a embarcação navega com o transponder ligado, indicando sua localização ao longo do percurso. No entanto, entre 1.º de julho e 13 de agosto, a embarcação navegou com o transponder desligado, violando o direito marítimo internacional.

O acompanhamento via satélite mostra que o navio partiu de um país asiático em 1.º de julho. Quando passou pelo Oceano Atlântico, a embarcação seguiu um trajeto incomum e fez uma manobra que indicaria uma mudança de trajetória, justamente na altura do litoral do Nordeste. “O percurso mostra alteração na direção do navio, indicando comportamento suspeito ou grande problema mecânico”, disse Barbosa. Desde 30 de agosto, o óleo já foi registrado em 720 pontos.

______________________

Marinha recolhe óleo em 3 cidades do Rio e envia para análise .
Marinha recolhe óleo em 3 cidades do Rio e envia para análiseForam recolhidas amostras nas praias de Santa Clara e Guriri, no município de São Francisco de Itabapoana; e na praia do Barreto, em Macaé-RJ. Já no canal das flechas, em Quissamã, foi recolhido, aproximadamente, 1 quilo de resíduo de óleo. “Os materiais coletados serão encaminhados ao Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM) para análise e investigação da origem”, informou nota do Comando do 1º Distrito Naval.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 4
Isto é interessante!