Mulheres "Pandemia aumenta riscos para crianças e adolescentes em situação de rua", diz projeto pelos direitos da infância

20:25  22 maio  2020
20:25  22 maio  2020 Fonte:   estadao.com.br

"Pandemia aumenta riscos para crianças e adolescentes em situação de rua", diz projeto pelos direitos da infância

  "Pandemia aumenta riscos para crianças e adolescentes em situação de rua", diz projeto pelos direitos da infânciaO projeto Rede Peteca - Chega de Trabalhou infantil revelou o aumento do risco e a fragilidade de políticas voltadas a crianças e adolescentes em situação de rua durante o período de pandemia.

  © Fornecido por Estadão

Crédito: Tiago Queiroz

O projeto Rede Peteca - Chega de Trabalhou infantil revelou o aumento do risco e a fragilidade de políticas voltadas a crianças e adolescentes em situação de rua durante o período de pandemia.

De acordo com texto divulgado pelo projeto, crianças e adolescentes que costumavam pedir e vender na região central da cidade - onde há muitos comércios, bares e restaurantes - voltaram para suas casas nas periferias da cidade, onde o fluxo de mendicância e trabalho infantil é maior próximo aos comércios que ainda estão abertos, como supermercados.

Apesar do retorno, eles ainda oscilam entre casa e situação de rua. Já os adolescentes que não têm vínculo familiar nenhum estão concentrados em grupos que tradicionalmente se reúnem na região da Praça da Sé, 23 de Maio e Avenida Paulista, segundo Danielle Pallini Morais, educadora social da Fundação Projeto Travessia, que atua no atendimento de adolescentes no centro da cidade.

Disque 100: violações contra crianças e adolescentes aumentam 14%

  Disque 100: violações contra crianças e adolescentes aumentam 14% No Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, 18 de maio, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lamentou os dados brasileiros. Segundo levantamento das denúncias feitas por meio do Disque 100, dos 159 mil registros feitos ao longo de 2019 pelo Disque Direitos Humanos, 86,8 mil são de violações de direitos de crianças ou adolescentes, um aumento de quase 14% em relação a 2018. Segundo o ministério, uma das razões que podem explicar o aumento é a rapidez no atendimento, que passou de 71 segundos em 2018, para 11 segundos no ano passado. As informações são de Karine Melo, repórter da Agência Brasil.

Conforme revelou o projeto Rede Peteca, dos 31 garotos de 11 a 18 anos atendidos pelo projeto durante o mês de fevereiro, quatro permaneciam em casa, 20 em situação de rua, quatro na Fundação Casa e dois acolhidos. Já em abril, o número de adolescentes que se encontram em casa saltou para 10. Outros 12 permaneceram em situação de rua, quatro na Fundação Casa, um acolhido, três transitando entre casa e rua.

Militante pelos direitos de meninos e meninas em situação de rua desde os anos 80, Marco Antônio da Silva, o Markinhus, conselheiro do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), coordenador nacional do Projeto Meninos e Meninas de Rua do ABC e militante do Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua (MNMMR), manifestou preocupação em relação à fome em entrevista à Rede Peteca.

Fundação Abrinq lança campanha ‘Não deixe a fome matar mais que o coronavírus’

  Fundação Abrinq lança campanha ‘Não deixe a fome matar mais que o coronavírus’ Levantamento da instituição estima que nove milhões de crianças e adolescentes estejam em situação de extrema pobreza . Ao mesmo tempo, segundo o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, que é uma autarquia responsável por repassar os recursos para alimentação escolar, a merenda beneficia 41 milhões de estudantes de todo o Brasil, da creche até a educação de jovens e adultos. Diante desse cenário em meio a pandemia da covid-19, a Fundação Abrinq lança a campanha ‘Não deixe a fome matar mais que o coronavírus’.

"Temos duas pandemias: a do vírus e a da fome", disse. A sensação dele e de outras organizações ouvidas pela reportagem que atuam com famílias em situação de rua é de que voltamos à crise alimentar dos anos 80 e 90.

A mesma situação foi observada pelo Serviço Franciscano de Solidariedade (SEFRAS), projeto conveniado com a prefeitura que saltou de 750 para 4 mil atendimentos por dia na região do centro. De acordo com informações divulgadas na Rede Peteca, a organização ampliou o trabalho que é feito no projeto conhecido como "Chá do Padre", na Rua Riachuelo, e foi construída uma tenda de atendimento de 200 metros no Largo São Francisco.

Segundo Fabio Paes, membro da Articulação Popular de Crianças e Adolescentes e coordenador de Desenvolvimento Institucional do SEFRAS, apesar de haver muitos adultos na região central, a organização observa um novo fenômeno, a partir do aumento de famílias com crianças. O coordenador revelou à Rede Peteca preocupação com a falta de políticas públicas para crianças e adolescentes em situação de rua até mesmo antes da pandemia.

"Em um momento como esse, verificamos como teria sido a relevante termos implementado as políticas definidas nos últimos anos pela sociedade civil, como as resoluções do Conanda frente a crianças em situação de rua. Mas o que existe são iniciativas institucionalizadoras e judicialescas. É preciso problematizar e sair da teoria. Como vai se dar a prática de cuidado de crianças e adolescentes neste período?", disse ao projeto.

Análise: Governo não cumpre promessa de ampliar auxílio e revanche do Congresso deve custar caro .
Análise: Governo não cumpre promessa de ampliar auxílio e revanche do Congresso deve custar caroO presidente Jair Bolsonaro só sancionou a ampliação do benefício para mães adolescentes e barrou uma série de alterações que seu Ministério da Economia tinha prometido que passariam.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 3
Isto é interessante!