Mundo UE tenta tranquilizar Rússia sobre missão de controle a embargo na Líbia

06:41  03 junho  2020
06:41  03 junho  2020 Fonte:   msn.com

Rússia tem recorde de mortes por coronavírus em 24 horas

  Rússia tem recorde de mortes por coronavírus em 24 horas A Rússia registrou nesta sexta-feira (29) 232 mortes provocadas por COVID-19 em 24 horas, um novo recorde diário de óbitos, apesar dos dados epidemiológicos estáveis em seu conjunto. De acordo com os dados publicados nesta sexta-feira, a epidemia parece estabilizada, com 8.572 pessoas com diagnóstico positivo para COVID-19 em 24 horas, nível mantido há 10 dias. Desde o início da pandemia foram registrados 387.623 casos positivos na Rússia, com mais de 10 milhões de testes realizados.O número de "casos ativos", ou seja de pessoas consideradas enfermas - ainda com poucos o nenhum sintoma -, permanece em 224.000 desde a semana passada.

“Acordamos ( ) criar uma missão que bloqueie a entrada de armas na Líbia ”, disse o chanceler italiano Luigi di Mario após a reunião. Viena e Budapeste temem que o retorno da mobilização de embarcações faça com que os migrantes voltem a tentar a perigosa travessia do Mar Mediterrâneo

A União Europeia ( UE ) decidiu na segunda-feira revisar o mandato de sua operação naval Sophia no Mediterrâneo central para se concentrar no embargo de armas à Líbia sob o acordo internacional concluído no dia anterior em Berlim para relançar os esforços de paz no país.

Os países europeus tentaram tranquilizar a Rússia nesta terça-feira (2) sobre a operação europeia Irini em frente à Líbia, durante uma videoconferência do Conselho de Segurança da ONU, celebrada a pedido de Moscou após a interceptação de um petroleiro por um navio de guerra francês.

Durante esta sessão fechada, "a União Europeia apresentou a operação", lançada em 1º de abril, disse um diplomata que pediu para ter sua identidade preservada.

O bloco reafirmou "o compromisso dos Estados europeus de respeitarem os embargos" (de armas e exportação ilícita de petróleo), através desta missão que se realiza "dentro do estrito marco das resoluções do Conselho de Segurança", acrescentou.

Exército americano diz que Rússia enviou aviões de combate à Líbia

  Exército americano diz que Rússia enviou aviões de combate à Líbia A Rússia enviou recentemente aviões de combate à Líbia para apoiar mercenários que lutam ao lado das forças do marechal Khalifa Haftar no conflito que abala o país africano, acusaram nesta terça-feira (26) as Forças Armadas dos Estados Unidos. "A Rússia está claramente tentando pender a balança a seu favor na Líbia", condenou o comandante geral das forças americanas na África, Stephen Townsend, em um comunicado de sua sede em Stuttgart, na Alemanha.

O espaço Schengen é um dos maiores feitos da UE . Trata-se de um espaço sem fronteiras internas no interior do qual os cidadãos europeus e muitos nacionais de países que não pertencem à UE podem circular livremente, em turismo ou por motivos de trabalho, sem serem sujeitos a controlos fronteiriços.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia ( UE ) reúnem-se, segunda-feira, em Bruxelas, para debater o conflito na Líbia , a tensão com o Irão

Segundo outro diplomata, a "Rússia está muito isolada" no Conselho de Segurança em suas reticências em renovar a resolução 2292, que expirará em 10 de junho.

A resolução autoriza as inspeções em alto-mar e nela se baseia a missão Irini.

Suspeita-se que Moscou, que nega qualquer participação, abasteça com armas e mercenários o marechal Khalifa Haftar, homem forte do leste do país.

"Enfatizamos a necessidade de que a Operação Irini se celebre em conformidade com a resolução 2292", disse a missão diplomática russa na ONU à AFP, sem excluir a possibilidade de que se requeira uma nova ordem do Conselho de Segurança.

A missão russa também pediu uma abordagem imparcial em relação aos beligerantes com uma operação "que cubra toda a costa líbia".

A votação de um novo texto escrito por Berlim está prevista para 9 de junho.

prh/sdu/mls/lda/mvv

Erdogan e Trump, dispostos a manter 'estreita cooperação' na Líbia .
O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e seu colega americano, Donald Trump, concordaram em "continuar sua estreita cooperação" na Líbia, durante uma conversa por telefone nesta segunda-feira (8), anunciou a Presidência turca. "Ambos os líderes concordaram em continuar sua estreita cooperação para promover a paz e a estabilidade na Líbia, vizinho marítimo da Turquia", afirmou a Presidência."Ambos os líderes concordaram em continuar sua estreita cooperação para promover a paz e a estabilidade na Líbia, vizinho marítimo da Turquia", afirmou a Presidência.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 0
Isto é interessante!