Mundo América Latina tem recordes de mortes diárias por COVID-19; Europa relaxa medidas

07:41  04 junho  2020
07:41  04 junho  2020 Fonte:   msn.com

Após Brasil bater recordes, cinco Estados se aproximam do colapso

  Após Brasil bater recordes, cinco Estados se aproximam do colapso País entra para as estatísticas da doença ao atingir marcas assustadoras neste fim de mês: 1.188 mortes em 24 horas, ultrapassar a Rússia e ficar atrás apenas dos EUA no número de pessoas contaminadas, com mais de 100 mil casos em sete dias e 22 mil mortes A curva da pandemia parece não existir. Até aqui, é uma reta a apontar para cima, apesar de alguns Estados tomarem decisões para afrouxar o isolamento social e recuperar parte de suas atividades econômicas.

O novo coronavírus segue castigando a América Latina , onde o Brasil e o México registraram nesta quarta-feira (3) recordes de mortes diárias , enquanto a Europa avança na flexibilização das restrições, com a reabertura de fronteiras na Itália a viajantes do continente.

As medidas de quarentena, ou de flexibilização do confinamento, são de competência de estados e municípios, para irritação do presidente Jair Na América Latina , a pandemia de COVID - 19 agravou a tendência de queda das exportações que era observada desde o ano passado, afirma um relatório

O novo coronavírus segue castigando a América Latina, onde o Brasil e o México registraram nesta quarta-feira (3) recordes de mortes diárias, enquanto a Europa avança na flexibilização das restrições, com a reabertura de fronteiras na Itália a viajantes do continente.

A situação preocupa na América Latina, onde foram registrados 1,1 milhão de contágios e 57.500 falecidos.

O Brasil, com 210 milhões de habitantes, registrou um recorde de 1.349 mortes pelo coronavírus em 24 horas, segundo cifras oficiais atualizadas. O país é o mais castigado pela COVID-19 na América Latina.

Com os novos números, o Brasil totaliza 32.548 mortes e teme-se que nos próximos dias supere a Itália como o terceiro país com mais óbitos na pandemia.

Brasil supera as 25.000 mortes por COVID-19

  Brasil supera as 25.000 mortes por COVID-19 O Brasil registrou nesta quarta-feira (27) 1.086 novas mortes e 20.599 casos de COVID-19 em 24 horas, superando a marca de 25.000 falecidos e 400.000 contágios na pandemia, cujo epicentro mundial agora é a América Latina. Esta é a segunda vez que o país tem mais de 20.000 casos em um único dia, de acordo com os balanços publicados pelo Ministério da Saúde. O Brasil totalizava até esta quarta-feira 411.821 casos e 25.598 mortes por COVID-19. No entanto, para especialistas o número de contagiados pode ser até 15 vezes maior, devido à subnotificação provocada pela falta de exames.

O primeiro caso de covid - 19 em África surgiu no Egito em 14 de fevereiro e a Nigéria foi o primeiro da África subsaariana a registar casos de infeção México ultrapassa os dez mil mortos por Covid - 19 . Brasil regista mais de 600 mortes diárias por Covid - 19 . França regista 31 mortos na véspera da

O plano europeu segue outras medidas de emergência aprovadas em todo o mundo para resgatar as economias, fortemente atingidas pela pandemia de COVID - 19 , que Os novos casos diários na América Latina superaram os da Europa e os dos Estados Unidos e transformaram o subcontinente

Além disso, com 584.016 casos confirmados, o Brasil tem o segundo maior número de infecções no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, embora devido à falta de testes especialistas acreditem que as cifras sejam muito superiores.

O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, descreveu em entrevista à AFP a complexidade da situação: "Temos várias curvas", disse ele, que foi o segundo homem do ministério comandado por Luiz Henrique Mandetta, exonerado em abril pelo presidente Jair Bolsonaro em plena crise sanitária.

Enquanto no norte e no nordeste do país, "tem locais como Manaus, Belém e Fortaleza, em que já passou o pico; alguns estão no platô e outros estão na fase descendente", enquanto a pandemia "ainda não começou" em localidades do sul, fronteiriças com Argentina, Uruguai e Paraguai.

Brasil registra mais de mil mortes por COVID-19 e se aproxima das 25.000

  Brasil registra mais de mil mortes por COVID-19 e se aproxima das 25.000 O Brasil registrou 1.039 mortes por COVID-19 nesta terça-feira (26), totalizando 24.512 óbitos pela pandemia, cujo epicentro agora está na América Latina. Esta é a quarta vez que o Brasil registra mais de mil mortes em 24 horas desde que foi confirmada a primeira morte por COVID-19 no Brasil em 17 de março. O maior número de óbitos foi reportada em 21 de maio, com 1.188 mortes. O Brasil é o segundo país com mais casos de COVID-19 no mundo e o sexto em número de mortos, embora especialistas afirmem que devido à falta de exames, a cifra de contágios pode ser até 15 vezes maiores. Embora São Paulo, com 86.017 casos e 6.

A Europa começa a saída gradual do desconfinamento, enquanto a América Latina se torna o epicentro da covid - 19 . A Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém, reabriu as portas no domingo.

A pandemia do novo coronavírus castiga duramente a América Latina , que superou o milhão de casos de COVID - 19 , mas dá uma trégua na Europa , que Quatro dos dez países com o maior número de infecções diárias são latino -americanos: Brasil, Peru, Chile e México, informou Michael Ryan, diretor

Na Bahia, com mais de 21.000 casos e 700 óbitos, vigora desde esta quarta-feira um toque de recolher noturno em 19 municípios do sul do estado para conter a propagação do vírus.

A alternativa, segundo o governador, Rui Costa, é "um grande número de mortes".

Uma vacina para a COVID-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca será testada em junho com 2.000 voluntários brasileiros.

- Economias em queda, contágios em alta -

Assim como no resto do mundo, a crise atingiu a maior economia latino-americana: a produção industrial brasileira despencou 18,8% em abril.

Diante da queda, o estado de São Paulo retomou as vendas em centros comerciais, e no Rio de Janeiro foram liberadas a idas a locais de culto e a prática de esportes aquáticos.

Enquanto isso, o México, que segue o Brasil em número de mortes na região, registrou nesta quarta-feira mais de 1.000 falecidos em um dia, embora as autoridades tenham esclarecido que a cifra corresponde às mortes em vários dias. Assim, o total chegou a 11.729, com 101.238 infectados, enquanto o pais retoma as atividades após o confinamento.

Brasil registra 623 novas mortes por Covid-19 e se aproxima dos 30 mil óbitos

  Brasil registra 623 novas mortes por Covid-19 e se aproxima dos 30 mil óbitos SAUDE-CORONAVIRUS-1JUN:Brasil registra 623 novas mortes por Covid-19 e se aproxima dos 30 mil óbitosSÃO PAULO (Reuters) - O Brasil registrou nesta segunda-feira 12.247 novos casos e 623 novas mortes em decorrência do coronavírus, o que eleva as contagens totais no país para 526.447 infecções e 29.937 óbitos, informou o Ministério da Saúde.

Na Europa , o continente com o maior número total de mortes por covid - 19 , foi confirmada a morte de cinco jornalistas na Rússia e outros tantos no Reino Unido, além de três em Espanha. “Os trabalhadores de comunicação social têm um papel importante a desempenhar na luta contra o novo

Este artigo documenta os países da América afetados pelo novo coronavírus responsável pela pandemia de 2019-20 registrado pela primeira vez em Wuhan, China, e pode não incluir todas as respostas e medidas mais recentes tomadas.

Outro país que tenta avançar frente ao desastre econômico é a Venezuela, onde bancos e negócios privados abriram as portas.

"O coronavírus não é brincadeira (...), mas havia a necessidade de trabalhar", disse Rubén Castillo, gerente de uma sapataria em Caracas.

No Equador, a capital, Quito, também começou lentamente o retorno à normalidade após 11 semana.

Enquanto isso, o Chile, com 113.000 contagiados e 1.275 falecidos, prorrogou pela quarta semana a quarentena que vigora em Santiago.

Nos Estados Unidos, especialistas temem que a onda de protestos iniciada após a morte de George Floyd, um afro-americano morto por um policial branco em Minneapolis, provoque uma nova onda de contágios. O país é o mais afetado no mundo pela pandemia, com 107.000 mortos e 1,85 milhão de casos, segundo a Universidade Johns Hopkins.

- Hidroxicloroquina novamente em discussão -

O anúncio da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que serão retomados os testes clínicos do medicamento hidroxicloroquina trouxe à tona a polêmica entre médicos que garantem que o fármaco melhora o estado dos pacientes e os que advertem para seus graves efeitos colaterais.

Um estudo realizado por cientistas chefiados pela Universidade de Minnesota com 821 pessoas nos Estados Unidos e no Canadá mostrou que usar hidroxicloroquina pouco tempo depois da exposição ao novo coronavírus não evita o contágio e sua eficácia pode ser similar à de um placebo.

A pandemia matou mais de 382.000 pessoas e contagiou 6,5 milhões no mundo, segundo contagem da AFP até as 16h de Brasília.

Mas na Europa, os países deixam o pior para trás. A Itália já permite o deslocamento de seus cidadãos entre regiões e retomou alguns voos internacionais.

A Alemanha porá fim às restrições para o turismo na Europa a partir de 15 de junho. A Espanha, com quase 28.000 mortos, suspenderá a quarentena para estrangeiros em 1º de julho, e o Reino Unido, com 40.000 óbitos, avalia receber turistas de países considerados seguros.

burs-mis-jz/ltl/gma/ll/mls/mvv

+ As principais notícias sobre a pandemia de coronavírus + .
Brasil tem 739.503 casos confirmados, 38.406 mortes e 396.737 recuperados, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. Reino Unido supera 50 mil mortes por covid-19. © picture-alliance/Photoshot/H. Yan Mural de rua em Londres. Reino Unido supera 50 mil mortes entre suspeitas e confirmadas. Resumo desta quarta-feira (10/06): Mundo tem 7,25 milhões de casos, 411 mil mortes e 3,38 milhões de recuperados Brasil tem 739.503 casos confirmados, 38.406 mortes e 396.

—   Compartilhe notícias nas redes sociais
usr: 1
Isto é interessante!