Mundo Itália tem fuga de mesários às vésperas de referendo e eleições

20:16  19 setembro  2020
20:16  19 setembro  2020 Fonte:   ansabrasil.com.br

Itália realiza eleições regionais e referendo em meio à covid-19

  Itália realiza eleições regionais e referendo em meio à covid-19 Os italianos irão às urnas no domingo (20) e na segunda-feira (21), apesar do ressurgimento do coronavírus na Europa, para votar um referendo e em eleições regionais com a atenção voltada para Toscana, um bastião histórico de esquerda que a extrema direita de Matteo Salvini espera conquistar. Inicialmente previstas para o final de março, essas duas votações foram adiadas em várias ocasiões, devido à pandemia. Na Itália, são cerca de 36.000 mortes por covid-19. O governo decidiu dividir a votação em dois dias para evitar aglomerações.Segundo alguns cientistas políticos, estas eleições regionais terão um valor menor como teste nacional.

MILÃO, 19 SET (ANSA) - A Itália terá em 20 e 21 de setembro sua primeira eleição desde o início da pandemia do novo coronavírus, mas tem sofrido com uma fuga de mesários às vésperas da abertura das urnas. A votação de domingo e segunda-feira inclui um referendo constitucional sobre a reforma

Qualquer eleitor regular maior de 18 anos pode se oferecer para participar livremente, inscrevendo-se no Programa * Mesário Voluntário* . Para inscrever-se

(ANSA) - A Itália terá em 20 e 21 de setembro sua primeira eleição desde o início da pandemia do novo coronavírus, mas tem sofrido com uma fuga de mesários às vésperas da abertura das urnas.

A votação de domingo e segunda-feira inclui um referendo constitucional sobre a reforma que reduz em um terço o número de senadores e deputados, eleições para governador em sete regiões e para prefeito em quase mil cidades, incluindo as capitais Aosta, Trento e Veneza.

Começou o jogo

  Começou o jogo Começou o jogo

© Swipe News, SA A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, ladeada pelo primeiro-ministro, António Costa (E), durante a cerimónia de assinatura de declaração de compromisso de parceria para Reforço Excecional dos Serviços Sociais e de Saúde e lançamento do

Segunda e Última Parte do Vídeo de Treinamento de Mesários do TSE Tribunal Superior Eleitoral para as Eleições 2010. Encerramento da Votação.

Em Milão, um dos principais focos de disseminação do novo coronavírus no auge da pandemia, cerca de 100 mesários renunciaram de última hora a suas convocações e forçaram a Prefeitura a iniciar uma corrida contra o tempo para preencher as vagas.

"Informamos aos cidadãos de Milão que estamos procurando presidentes de seção para o referendo constitucional", diz uma mensagem divulgada pela Prefeitura neste sábado (19), menos de 24 horas antes da abertura das urnas.

Em Bari, no sul da Itália, que sofreu menos com a pandemia em relação ao norte, aproximadamente 70% dos presidentes de seções ordinárias renunciaram, assim como os quatro dos colégios eleitorais para pacientes da Covid-19 em hospitais.

Todas as vagas já foram preenchidas, mas a Prefeitura teve de recorrer a voluntários da Defesa Civil para encontrar presidentes para as seções voltadas a infectados pelo novo coronavírus. Entre os mesários, o índice de desistência em Bari chegou a 40%, e os substitutos serão indicados pelos novos presidentes de seção.

Eleições regionais na Itália são um teste para governo diante de avanço da Liga de Salvini

  Eleições regionais na Itália são um teste para governo diante de avanço da Liga de Salvini Apesar do novo avanço de contaminações de Covid-19, a Itália organiza neste domingo (20) e segunda-feira (21) eleições municipais e regionais. Os eleitores também são convocados para se pronunciar em um referendo nacional sobre a redução do número de parlamentares. A eleição é considerada um teste para a coalizão no poder e pode apontar o crescimento da extrema direita liderada de Matteo Salvini. Com informações da correspondente da RFI em Roma, Anne TrécaTodas as atenções estão voltadas para a eleição dos governadores de sete regiões italianas, e particularmente para a votação na Toscana.

Governo Bolsonaro se silencia sobre derrota de Trump. Governo Bolsonaro se silencia sobre derrota de Trump. O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, apresenta suas medidas contra a covid-19 em pronunciamento nesta segunda.Carolyn Kaster / AP.

Nascido a 23 de fevereiro de 1956, no município de Viçosa (AL), é jornalista e redator e esteve matriculado no curso de Direito da Universidade Federal de Alagoas de 1975 a 1978. Filiado ao PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) de 1980 a 1985 e ao PCdoB (Partido Comunista do

Oficialmente, a maior parte das renúncias apresenta a justificativa de "indisponibilidade" de tempo, mas as autoridades tratam a onda de desistências como medo de contágio pelo coronavírus.

Em Imperia, na Ligúria, uma das sete regiões com eleição para governador, 114 dos 180 cidadãos convocados para a apuração tiveram de ser substituídos de última hora.

"A votação para as eleições regionais na Ligúria e o referendo será absolutamente segura porque os colégios já são, por si só, lugares de distanciamento social", disse o governador lígure, Giovanni Toti, buscando tranquilizar mesários e eleitores.

Regras - Tradicionalmente, as eleições na Itália acontecem apenas no domingo, mas o governo decidiu estender a votação até 15h (horário local) de segunda-feira (21) para evitar aglomerações nos colégios eleitorais.

Os italianos terão de usar máscara e higienizar as mãos antes de depositar seus votos nas urnas, e as autoridades ainda pedem que pessoas com febre superior a 37,5º, sintomas respiratórios ou que estejam em quarentena não saiam de casa.

Serão montados colégios eleitorais em hospitais com pacientes da Covid-19, e cidadãos que cumprem isolamento domiciliar, como o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, terão seu voto recolhido em casa.

Ainda assim, as autoridades temem um crescimento nos índices de abstenção. A Itália tem hoje cerca de 40 mil pessoas com o novo coronavírus cumprindo isolamento domiciliar, mas os pedidos para ter o voto recolhido em casa não chegam a mil. (ANSA).

Suíços rejeitam fim da livre circulação de pessoas com a UE .
Partido populista de direita propôs revogar acordo bilateral com bloco europeu, alegando "imigração descontrolada e excessiva" no país. Criticada pelo governo, medida foi rechaçada em referendo, afirmam projeções. © Martin Schroeder/dpa/picture-alliance Para apoiadores, a proposta permitiria à Suíça controlar suas fronteiras e selecionar melhor os imigrantes Em referendo, os eleitores suíços rejeitaram neste domingo (27/09) a proposta de um partido populista de direita que visava restringir a livre circulação de pessoas entre a Suíça e os países-membros da União Europeia (UE).

usr: 0
Isto é interessante!