Mundo A China já é a maior economia do mundo

01:35  17 outubro  2020
01:35  17 outubro  2020 Fonte:   estadao.com.br

NIO, a 'Tesla chinesa' que sobrevive de aportes de capital do governo

  NIO, a 'Tesla chinesa' que sobrevive de aportes de capital do governo A montadora chinesa de carros elétricos NIO se lançou para competir no segmento de carros de alta tecnologia, do qual a Tesla é um dos principais expoentes. A NIO conseguirá competir com a marca de Elon Musk?A empresa de Elon Musk difere de outras marcas por seu software e nos avanços que promove nos veículos a cada atualização. Podem ser melhorias de potência, eficiência energética ou mais conforto para os clientes.

A China tem argumentos para reclamar o título de maior economia do mundo , mas os seus cidadãos estão longe da riqueza dos americanos. Durante quase 150 anos, os Estados Unidos foram a maior economia do mundo , depois de terem ultrapassado o PIB britânico em 1872.

A China destronou o Japão e já é a segunda economia do mundo , logo atrás dos EUA. A troca directa de lugares entre os dois gigantes asiáticos ficou a No final do ano passado, o FMI previa que a economia chinesa iria tornar-se na segunda maior do mundo no espaço de quinze meses.

Os Estados Unidos já não são mais o número 1 do mundo em pelo menos um critério importante. A China já os ultrapassou em tamanho do PIB. E se o maior tende a ser o mais influente e mais poderoso, já se pode imaginar o impacto geopolítico desse fato novo.

Na última sexta-feira, a conservadora revista The National Interest, dos Estados Unidos, já advertia para as consequências dessa nova liderança.

Mas vamos primeiramente às relevâncias. Há duas maneiras de medir o PIB de um país. A primeira delas define em moeda local estável (deflacionada) o valor de bens e serviços (renda) e, depois, para efeito de comparação com outras economias, a converte em dólar, a moeda líder, pelo câmbio médio do período, tal como praticado no mercado. Esse pode ser chamado de PIB pelo câmbio de mercado.

Guia do Cartola: Listamos cinco opções por posição para a rodada 16 do Brasileirão

  Guia do Cartola: Listamos cinco opções por posição para a rodada 16 do Brasileirão Guia do Cartola: Listamos cinco opções por posição para a rodada 16 do Brasileirão

Mesmo o Vietnã desconfia mais da China do que dos Estados Unidos. As autoridades de Hanói gostam de lembrar que o gigante americano invadiu o México uma vez. O gigante chinês invadiu o Vietnã dezessete.

Nem sequer foi preciso paciência de chinês para chegar ao topo do mundo . Em muito menos tempo do que qualquer previsão antecipava, a China destronou o Japão como segunda maior economia mundial.

A segunda maneira de cálculo busca quanto um país pode comprar em bens e serviços com sua moeda. Trata-se do critério do PIB pela Paridade do Poder de Compra (PPC), que parece mais apropriado para medir a renda de um país, porque o câmbio de mercado sempre está sujeito a variáveis subjetivas.

Há alguns anos, quando se deu conta das limitações dos cálculos tradicionais das contas nacionais, a revista britânica The Economist procurou um produto universal cujos preços poderiam definir o poder de compra de cada economia. E escolheu o Big Mac, o sanduichão da rede de fast-food McDonald’s produzido em toda a parte com padrão uniforme de qualidade. Assim nasceu o Índice Big Mac.

O critério da PPC – e não propriamente o Big Mac – vem sendo usado não só pela revista The Economist, mas também pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), pelo Banco Mundial e pela própria agência de inteligência americana, a CIA, para medir grandezas relacionadas à renda.

Moçambique: Suspensão ou cancelamento da dívida?

  Moçambique: Suspensão ou cancelamento da dívida? O ministro das Finanças de Moçambique, Adriano Maleiane, continua a tentar negociar com os parceiros estrangeiros o alívio da dívida externa. O objetivo é usar o dinheiro na luta contra a pandemia de Covid-19. © DW/Romeu da Silva Adriano Maleiane, ministro das Finanças de Moçambique Moçambique está submerso em dívidas aos parceiros estrangeiros e, num cenário de pandemia, o titular a pasta das Finanças, Adriano Maleiane, apela à solidariedade, trazendo a discussão o tema do cancelamento de algumas obrigações para poder dar resposta à Covid-19.

A economia chinesa já é a terceira maior do Mundo , à frente da Alemanha, e deverá ultrapassar o Japão "dentro de três ou quatro anos". Pelas contas

a china tornou-se na segunda economia mundial, superando o japão em 2010, com o com estes resultados, a economia chinesa ultrapassou a do seu vizinho em 2010 e tornou-se na segunda mais forte do mundo , atrás dos estados unidos, um lugar ocupado pela economia japonesa desde 1968

Ora, pela medida convencional, o PIB da China ainda será de US$ 15,2 trilhões ou quase 27% menor do que os US$ 20,8 trilhões do PIB dos Estados Unidos, calcula o FMI. Mas, medido pelo PPC, o PIB da China já alcança US$ 24,7 trilhões, ou seja, é quase 20% mais alto do que o PIB dos Estados Unidos, de US$ 20,8 trilhões. (Veja a tabela.)

Ficha das principais economias do mundo © Infográficos/Estadão Ficha das principais economias do mundo

Neste ano açoitado pela pandemia, a China deverá ser a única grande economia que registrará crescimento positivo, de 1,9%, de acordo com as projeções do FMI. E, como pontua a revista The National Interest, o crescimento de dois dígitos por ano em despesas com Defesa já tornou favorável à China o balanço de forças nos conflitos regionais. Em 2020, a China ultrapassará os Estados Unidos em despesas com Pesquisas & Desenvolvimento. Ou seja, prepara-se para ser potência ainda maior em tecnologias de ponta.

Exportações à China alavancam economia brasileira

  Exportações à China alavancam economia brasileira A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) recebeu US$ 3,6 bilhões nos primeiros seis meses do ano, 15,1% a mais do que no mesmo período do ano passado. E o número atual de investidores, 3 milhões, dobrou os 1,6 milhão do ano passado. Mirá también: Argentina: por que brecha entre dólar oficial e paralelo já passa de 100%O ciclo de investimentos da Bovespa responde exclusivamente à dinâmica doméstica, pois o capital estrangeiro se distanciou desde o início da pandemia, em março deste ano.

A China ocupa mais solo, mas tem alguns territórios que disputam independência É considerado um país rico, por ter uma economia baseada no petróleo, sendo o maior exportador do combustível no mundo . É o maior arquipélago do mundo , com um povo de diversos grupos étnicos, linguísticos e

Além disso, uma queda da segunda maior economia mundial pode afetar fortemente outros países. E , em um mundo hiperconectado, no qual a China tem um grande peso hoje — ela representa um terço da manufatura mundial e é o maior exportador de mercadorias do planeta —, o que acontece

O governo Trump não esconde sua contrariedade com o avanço do dragão oriental e decidiu enfrentar o desafio com o jogo duro que já se convencionou chamar de Nova Guerra Fria.

Se Joe Biden vier a ser eleito presidente dos Estados Unidos em novembro, como parece mais provável, o enfrentamento com a China deverá continuar. Mas de Biden se espera um conjunto de políticas mais inteligentes. Uma dessas políticas deverá ser deixar de atirar até mesmo nos aliados históricos, como são os países da União Europeia, e voltar a valorizar mecanismos multilaterais de integração, especialmente a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Biden não poderá coordenar as demais potências se continuar com o mote principal “America first”. Se os Estados Unidos mantiverem a pretensão de defender seus próprios interesses acima dos dos demais, não poderá mesmo ter condições de liderar. E deixará caminho aberto para a China.

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

Registros fiscais de Trump mostram tentativas de negócios e conta bancária na China .
Donald Trump passou anos trabalhando em projetos comerciais na China, onde tinha uma conta bancária - informa o jornal "The New York Times", no momento em que o presidente americano tenta mostrar seu rival democrata, Joe Biden, como alguém fraco diante de Pequim. Além disso, o presidente mantém uma conta bancária na China até agora desconhecida, que era administrada pela Trump International Hotels Management, de acordo com documentos fiscais de Trump examinados pelo jornal. Além da China, o presidente fez o mesmo na Grã-Bretanha e na Irlanda.As declarações de impostos mostram que a empresa de Trump "pagou US$ 188.

usr: 8
Isto é interessante!