Mundo França prende 9 suspeitos de participação em morte de professor

19:31  17 outubro  2020
19:31  17 outubro  2020 Fonte:   ansabrasil.com.br

Polícia francesa prende mais de 60 suspeitos de pedofilia

  Polícia francesa prende mais de 60 suspeitos de pedofilia A polícia francesa anunciou nestra quinta-feira (8) a detenção de 60 pessoas suspeitas de fazer downloads, pesquisar e compartilhar milhares de fotos e vídeos de pornografia infantil online. Os suspeitos, com idades entre 28 e 75 anos, foram detidos em uma operação nacional, iniciada na segunda-feira (5), em 30 dos 101 departamentos da França, e contou com a presença de 220 policiais. Os agentes apreenderam 100 HDs externos, dezenas de telefones celulares e computadores, 150 pendrives, além de DVDs e CDs, com milhares de fotos e vídeos.Alguns detidos tinham antecedentes e estavam fichados como criminosos sexuais.

(ANSA) - O procurador nacional antiterrorismo da França, Jean-François Ricard, informou neste sábado (17) que nove pessoas foram presas suspeitas de envolvimento no brutal assassinato do professor de história Samuel Paty, ocorrido na sexta-feira (16).

Segundo Ricard, o principal responsável pela decapitação do professor é Abdoullakh Abuyezidvich Anzorov, 18 anos. O rapaz nasceu na Chechênia, na Rússia, em março de 2002 e tinha um status de refugiado na França.

França homenageia professor decapitado

  França homenageia professor decapitado Em cerimônia, Macron diz que docente de História, assassinado por mostrar caricatura de Maomé, foi morto por ensinar alunos a serem cidadãos e ressalta que país não renunciará a ilustrações. © Francois Mori/Pool/Reuters Macron participou de homenagem a Samuel Paty A França homenageou nesta quarta-feira (21/10) o professor que foi decapitado num subúrbio de Paris, após mostrar uma caricatura do profeta islâmico Maomé em sala de aula. Na cerimônia solene, na Universidade Sorbonne, o professor recebeu a título póstumo a Legião de Honra, a condecoração francesa mais importante.

Anzorov não era conhecido dos serviços de Inteligência franceses e tinha apenas o registro de "pequenos crimes" na polícia. Ele foi morto pelos policiais na ação que fez a busca pelos suspeitos do assassinato.

"A irmã adotiva do pai do jovem, que publicou um vídeo no YouTube sobre a aula do professor, fez um juramento de lealdade ao Estado Islâmico e fugiu para a Síria. Ela é alvo de um mandato de captura internacional", revelou ainda Ricard.

Segundo as informações atuais da mídia francesa, Paty havia dado uma aula sobre liberdade de expressão e mostrado uma caricatura de Maomé, que teria "ofendido" um grupo de estudantes. (ANSA).

Decapitação põe secularismo novamente em debate na França .
Assassinato de professor de história levou muitos franceses, inclusive Macron, a erguerem a voz pelos valores seculares do país. Mas críticos dizem que a defesa a todo custo do laicismo pode estar fomentando divisões. © Charles Platiau/Reuters Protesto em Paris após a decapitação do professor Em janeiro de 2015, milhões de pessoas tomaram as ruas de Paris e de outras cidades francesas para denunciar os ataques terroristas na redação do Charlie Hebdo. Uma nação indignada erguia lápis coloridos e faixas , em defesa da livre expressão e do secularismo na França.

usr: 4
Isto é interessante!