Mundo Palantir ajudará a seguir distribuição de vacinas contra a covid-19 nos EUA

05:06  23 outubro  2020
05:06  23 outubro  2020 Fonte:   msn.com

Anvisa alerta sobre falsa vacina de Oxford contra a Covid vendida no Rio de Janeiro

  Anvisa alerta sobre falsa vacina de Oxford contra a Covid vendida no Rio de Janeiro A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que recebeu uma denúncia de venda de uma falsa vacina contra a Covid-19 em Niterói, no Rio de Janeiro. De acordo com a reguladora, uma empresa está vendendo o imunizante falsificado e dizendo que se trata da vacina em desenvolvimento pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca. […]“A Anvisa recebeu a denúncia sobre a suposta comercialização irregular da vacina contra a Covid-19 por meio de seus canais oficiais, indicando que estaria sendo disponibilizada por uma empresa localizada em Niterói/RJ a vacina de Oxford contra a Covid-19.

Cientistas de todo o mundo trabalham em mais de 200 projetos para produzir uma imunização eficaz contra o novo coronavírus. A corrida por uma vacina contra a Covid - 19 mobiliza laboratórios em todo o mundo. © Dado Ruvic/Reuters.

A bolsa de Nova Iorque seguia hoje sem uma direção definida 30 minutos após a abertura, quando aumentam os casos de covid - 19 nos Estados Em 24 horas o país registou ainda 1.011 mortes associadas à covid - 19 . Na quinta-feira, a bolsa nova- iorquina encerrou mista, com o Dow Jones a

A empresa de análise de dados Palantir trabalha com o governo americano para ajudá-lo a seguir a produção e a distribuição no país das futuras vacinas contra a covid-19, o que causou inquietações sobre a gestão de dados médicos.

Alex Karp, diretor-executivo da Palantir, em foto de 2019 © Bertrand GUAY Alex Karp, diretor-executivo da Palantir, em foto de 2019

O projeto, sobre o qual o jornal The Wall Street Journal informou em primeira mão e a AFP confirmou com uma fonte interna, se baseia no uso de um software chamado Tiberius, que permitiria identificar melhor a população com maior risco.

Mas a cooperação poderia despertar críticas, pois outorga à Palantir, uma empresa privada, o acesso a dados médicos sensíveis, acrescentou o jornal.

Empatia pode ser a chave para combater fake news sobre vacinas

  Empatia pode ser a chave para combater fake news sobre vacinas A pandemia de covid-19 aumentou a disseminação de fake news sobre vacinação . Para combater esse problema, é preciso empatia para entender dúvidas e preocupações do público e simplicidade para responder as perguntas com transparência, avaliam especialistas que participaram hoje (17) da Jornada Nacional de Imunizações. A vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabela Ballalai, defende que é preciso tratar dos temas que preocupam as pessoas, como os efeitos adversos raros previstos na vacinação. "Nossa comunicação precisa ser tão empática quanto as fake news.

Nos EUA , o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas lançou no mês passado um teste com o objetivo de demonstrar se a hidroxicloroquina combinada com azitromicina pode evitar hospitalizações e mortes em decorrências OMS diz que dexametasona é avanço contra covid - 19 .

O que governos, empregadores e trabalhadores podem fazer para ajudar no combate à crise social e econômica provocada pelo novo coronavírus? Segundo a

Palantir, empresa que costuma ser acusada de cooperar com as forças de ordem no rastreamento de migrantes nos Estados Unidos, não quis fazer comentários.

Alguns críticos dizem que a tecnologia da empresa - que analisa dados tão diversos quanto dossiês financeiros, publicações em redes sociais ou navegação na internet - permite uma vigilância maciça sem precedentes.

Lançada na bolsa de Nova York no fim de setembro, a Palantir costuma se defender, afirmando que não coleta, nem possui informações, apenas opera com base nos dados existentes de seus clientes.

Fundada em 2003 com, entre outros, dinheiro da CIA, a Palantir começou criando software para operações antiterroristas dos serviços de inteligência americanos. A empresa teria, por exemplo, ajudado o exército a localizar Osama bin Laden.

A empresa também trabalhou recentemente com as autoridades sanitárias britânicas, juntamente com Google e Microsoft, no acompanhamento da progressão da covid-19, segundo contratos divulgados pela organização Open Democracy Project.

Nenhuma vacina contra a covid-19 está disponível ainda nos Estados Unidos. Mas as empresas Pfizer e Moderna preveem pedir autorização para as suas até o final de novembro.

bur-rl/jum/lo/la/rs/yow/mvv

Campanha de multivacinação e poliomielite é prorrogada até 13 de novembro em SP .
Governo decidiu prorrogar a medida por causa de baixa adesão; apenas 39,6% de crianças com menos de 5 anos foram imunizadas contra a poliomieliteComo o Estadão mostrou em setembro, os índices de cobertura de vacinas obrigatórias em bebês no Brasil é o pior em 20 anos. Para especialistas, embora os movimentos antivacina tenham impacto na adesão menor, os principais motivos para esse cenário no País são a baixa percepção de risco da população sobre doenças erradicadas e dificuldades no acesso aos imunizantes nos postos de saúde.

usr: 3
Isto é interessante!