Mundo Médicos alertam para cenário 'gravíssimo' em hospitais da Itália

17:11  26 outubro  2020
17:11  26 outubro  2020 Fonte:   ansa.it

Perseguir imunidade coletiva é uma miragem perigosa, dizem cientistas

  Perseguir imunidade coletiva é uma miragem perigosa, dizem cientistas A ideia de deixar o vírus da covid-19 circular livremente para alcançar a imunidade coletiva, em desequilíbrio no início da pandemia, emerge cada vez mais como uma miragem perigosa - alertam vários cientistas. Alguns defensores da imunidade coletiva natural também argumentam que seu limite, estimado geralmente para um vírus entre 60% e 70% da população, seria na verdade menor, porque nem todo mundo contrai a covid-19. Recentemente, foi descoberto que algumas pessoas já estão protegidas contra o SARS-CoV-2 quando se infectam, apesar de não terem estado em contato com ele anteriormente, segundo Frédéric Altare.

(ANSA) - O maior sindicato de médicos hospitalares da Itália alertou neste domingo (25) que as unidades de saúde do país vivem uma situação "gravíssima" devido à explosão no número de casos do coronavírus Sars-CoV-2.

Em entrevista à ANSA, Carlo Palermo, secretário da Associação dos Médicos e Dirigentes Sanitários da Itália (Anaao-Assomed), disse que prontos-socorros já estão cheios e que o serviço de emergência está sobrecarregado de chamadas.

"A situação é gravíssima e absolutamente crítica. Com esse ritmo de contágios, as UTIs ficarão saturadas na segunda semana de novembro, enquanto os leitos nos departamentos de Covid normais e semi-intensivos já estão sob grande estresse", declarou.

Hospitais franceses estão sem margem de manobra para enfrentar a segunda onda da Covid-19

  Hospitais franceses estão sem margem de manobra para enfrentar a segunda onda da Covid-19 Apesar do toque de recolher em vigor em Paris e mais oito cidades francesas desde o último sábado (17), o número de contaminações pelo coronavírus continua a aumentar e volta a provocar tensão nos hospitais do país. O número de pacientes internados em UTIs, com a forma grave da Covid-19, é atualmente superior a 2.000, um patamar que não era atingido desde maio. Especialistas dizem que a margem de manobra do sistema hospitalar para enfrentar essa segunda onda é menor do que no início pandemia, no primeiro semestre. © REUTERS - Eric Gaillard A situação nos hospitais é particularmente tensa na região metropolitana de Paris.

Segundo Palermo, nem mesmo o novo decreto do primeiro-ministro Giuseppe Conte, que fecha academias, piscinas e cinemas e limita o horário de funcionamento de bares e restaurantes, pode ser suficiente para conter essa nova fase da pandemia.

"Se não houver resultados concretos em termos de redução de casos, um lockdown total será inevitável", acrescentou, ressaltando que a pressão sobre os hospitais está se tornando "insustentável".

A Itália vem registrando recordes consecutivos no número diário de casos do novo coronavírus, enquanto as mortes - 128 no último domingo - voltaram ao patamar do fim de maio. Até o momento, o país contabiliza 525.782 contágios e 37.338 óbitos causados pelo Sars-CoV-2. (ANSA).

Em meio à pandemia, 188 hospitais funcionam sem alvará da vigilância sanitária .
São hospitais estaduais . São 47,9% do total . Brecha na lei é criticadaOs dados são de levantamento feito pelo Poder360, nos 26 Estados e no Distrito Federal. Esses estabelecimentos se aproveitam de uma brecha na lei para poder atender sem ter que passar pelo mesmo rigor fiscalizatório que paira sobre as unidades de saúde do setor privado. Especialistas criticam a legislação.

usr: 0
Isto é interessante!