Mundo OMS planeja fundo para indenização relacionada a vacinas da Covid-19 em países pobres

21:45  29 outubro  2020
21:45  29 outubro  2020 Fonte:   reuters.com

Com medo de nova onda de covid-19, China quer ampliar uso emergencial de vacinas em testes

  Com medo de nova onda de covid-19, China quer ampliar uso emergencial de vacinas em testes Iniciada em julho com profissionais da linha de frente no combate à covid, utilização de imunizantes experimentais agora está sendo oferecida para estudantes e servidores públicosTemendo uma nova onda de covid-19, a China quer ampliar para centenas de milhares de pessoas o uso de vacinas ainda em testes. O país asiático já autorizou o uso emergencial de três vacinas desenvolvidas pelas companhias chinesas China National Biotec Group Co. e Sinovac. A última é a responsável pelo desenvolvimento da coronavac, em testes no Brasil e que será produzida pelo Instituto Butantã.

Por Francesco Guarascio

. © Reuters/DENIS BALIBOUSE .

BRUXELAS (Reuters) - Um programa de vacina coliderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) está criando um fundo de indenização para populações de países pobres que podem sofrer efeitos colaterais de vacinas contra Covid-19, com a meta de apaziguar temores que poderiam prejudicar um lançamento global de vacinas.

O mecanismo foi concebido para evitar a repetição de atrasos como os vistos uma década atrás durante a pandemia de gripe suína H1N1, quando as inoculações foram freadas em dezenas de países de baixa renda por não haver uma responsabilidade clara.

Como disputa entre Bolsonaro e Doria pode atrasar imunização dos brasileiros contra covid-19

  Como disputa entre Bolsonaro e Doria pode atrasar imunização dos brasileiros contra covid-19 Disputa com governador põe em risco verba de R$ 80 milhões para fábrica de vacinas do Instituto Butantan. Ideal seria investir no maior número possível de vacinas, dizem especialistas.Com apenas 67 caracteres, o presidente dinamitou um acordo de cerca de R$ 2 bilhões de reais. O Ministério da Saúde planejava a aquisição de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em conjunto com o Instituto Butantan, uma instituição pública do governo de São Paulo. O acordo tinha sido anunciado na tarde desta terça (20), pelo ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello.

O fundo está sendo montado pelos apoiadores da plataforma de vacinas Covax, que é coliderada pela OMS e pela Gavi, uma aliança global de vacinas, mostrou um documento da Covax publicado nesta quinta-feira. A Covax almeja distribuir ao menos dois bilhões de vacinas eficientes em todo o mundo até o final do ano que vem.

O esquema poderia pagar a conta de 92 países de baixa renda, a maioria na África e no sudeste da Ásia, o que significa que seus governos arcariam com pouco ou nenhum custo de queixas feitas por pacientes caso algo inesperado ocorra depois de uma vacina distribuída pela Covax ser administrada.

Mas dezenas de países de média renda, como África do Sul, Líbano, Gabão, Irã e a maioria dos latino-americanos, não receberiam esta proteção.

"A plataforma Covax está desenvolvendo um sistema para oferecer indenizações aos indivíduos de qualquer uma das 92 economias... que sofram reações adversas graves inesperadas associadas a tais vacinas ou sua administração", disse a Covax.

(Reportagem adicional de Karen Lema em Manila)

“A máquina da morte deve ser parada no Chile”, diz jornalista sobre nova constituição .
Para Mónica González, que investigou violência e corrupção na ditadura de Pinochet, chilenos disseram “basta” a um estado violento e que humilha cidadãosO país tem agora a possibilidade de transformar seu sistema de saúde, as aposentadorias, a privatização da água, os direitos de mulheres e indígenas, dentre tantas outras reivindicações que explodiram nas ruas do país. Está em pauta até mesmo a existência dos carabineros, a polícia militar chilena, denunciada pela repressão violenta aos mesmos protestos que tornaram possível a nova constituição.

usr: 0
Isto é interessante!