Mundo Furacões deixaram cerca de 200 mortos e detruição milionária na América Central

02:16  27 novembro  2020
02:16  27 novembro  2020 Fonte:   msn.com

Covid-19: África com mais 272 mortos e 9.699 infectados nas últimas 24h

  Covid-19: África com mais 272 mortos e 9.699 infectados nas últimas 24h A África do Sul, o país mais afetado do continente, contabiliza um total de 752.269 casos de infecção e 20.314 mortes. Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o novo coronavírus infectou nas últimas 24 horas mais 9.699 pessoas nos 55 Estados-membros da organização, e o número de recuperados passou em igual período para 1.676.584, mais 11.783.O maior número de casos de infecção e de mortos registra-se na África Austral, com 842.379 infecções e 21.877 mortos por covid-19. Nesta região, a África do Sul, o país mais afetado do continente, contabiliza um total de 752.

Os furacões Eta e Iota, que atingiram a América Central este mês, deixaram pelo menos 200 mortos , bem como milhões de As inundações e deslizamentos de terra deixaram o maior número de vítimas em Honduras, com 94 mortos e oito desaparecidos, segundo o registro oficial, embora

Os furacões Eta e Iota, que atingiram a América Central este mês, deixaram pelo menos 200 mortos , bem como milhões de dólares em danos à infraestrutura produtiva e social, da Guatemala ao Panamá, segundo balanços dos países afetados.

Os furacões Eta e Iota, que atingiram a América Central este mês, deixaram pelo menos 200 mortos, bem como milhões de dólares em danos à infraestrutura produtiva e social, da Guatemala ao Panamá, segundo balanços dos países afetados.

(21 nov) Povoado de Honduras afetado pelo transbordamento do rio Chamelecon após a passagem do furacão Iota © Wendell ESCOTO (21 nov) Povoado de Honduras afetado pelo transbordamento do rio Chamelecon após a passagem do furacão Iota

Tanto o Eta quanto o Iota atingiram o norte da Nicarágua como furacões, provocando tempestades que causaram destruição na América Central e nas ilhas do Caribe colombiano. O Eta chegou àquela região como furacão de categoria 4 e foi superado duas semanas depois pelo Iota, que atingiu a categoria máxima ao tocar a terra na mesma área nicaraguense, no último dia 16.

Opas prevê aumento de casos de covid-19 na América Central após Iota e Eta

  Opas prevê aumento de casos de covid-19 na América Central após Iota e Eta A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) afirmou nesta quarta-feira (18) que a resposta à covid-19 na América Central está ameaçada pela temporada de furacões e prevê um aumento das infecções, após as passagens devastadoras das tempestades Iota e Eta pela região. "O aumento nos casos de covid-19 ainda não pode ser medido, mas é muito provável que cresça nas próximas semanas", afirmou em entrevista coletiva. Perguntado pela AFP, Ugarte lembrou que pode levar em média de cinco a sete dias a partir do momento em que uma pessoa exposta ao covid-19 comece a apresentar sintomas, e mais tempo até que novos casos sejam detectados, o sistema de vigilância se

Os furacões Eta e Iota, que atingiram a América Central este mês, deixaram pelo menos 200 mortos , bem como milhões de dólares em danos à No Panamá, os dois fenômenos deixaram mais de 20 mortos e uma dezena de desaparecidos, além de um prejuízo milionário , principalmente na

Es muy importante conocer la ubicación de cada uno de los países para diferenciarlos de los demás y qué mejor que hacerlo que con el mapa de América Central para colorear. En el mapa para colorear encontrarás nada más las líneas fronterizas que dividen a cada uno de los países del subcontinente

As inundações e deslizamentos de terra deixaram o maior número de vítimas em Honduras, com 94 mortos e oito desaparecidos, segundo o registro oficial, embora vizinhos do vale de Sula tenham afirmado à imprensa local que muitos corpos não foram resgatados.

Os maiores prejuízos foram registrados no vale de Sula, eixo da economia de Honduras, devido ao transbordamento de rios, que obrigou milhares de pessoas a subir em árvores ou no telhado de suas casas, de onde foram resgatadas por lanchas e helicópteros.

- Ciclones mortais -

A Guatemala registrou oficialmente 60 mortos, 100 desaparecidos e 2,1 milhões de pessoas afetadas, embora o governo tenha reconhecido que um deslizamento de terra provocado pelo Eta na aldeia indígena de Quejá pode ter causado mais de 100 mortes.

América Central faz balanço dos danos após a passagem do ciclone Iota

  América Central faz balanço dos danos após a passagem do ciclone Iota Uma instalação de arte com 111 manequins foi apresentada na praça central de Munique, a Marienplatz, para estimular mais a 'atenção plena e a apreciação' nas pessoas, segundo o criador da obra.

O furacão Michael provocou a morte de 13 pessoas na América Central e agora segue para a Flórida, nos Estados Unidos. O estado se prepara para receber o

Com diferença de cerca de uma hora, um forte terremoto de magnitude 7,0 ocorreu no Oceano Pacífico, no lado oposto do continente da Amércia Central . Ao passar pelo Panamá, ainda como tempestade tropical, o fenômeno deixou quatro mortos e três desaparecidos, mas os alertas foram

Na Nicarágua, 21 pessoas morreram em deslizamentos de terra e inundações, que afetaram mais de 3 milhões de pessoas e causaram um prejuízo de 742 milhões de dólares, segundo o governo.

No Panamá, os dois fenômenos deixaram mais de 20 mortos e uma dezena de desaparecidos, além de um prejuízo milionário, principalmente na província ocidental de Chiriquí e na comarca indígena Nabe-Buglé.

A Costa Rica foi mais atingida pelo Eta, que deixou dois mortos em um deslizamento ocorrido no cantão de Coto Brus, fronteira com o Panamá. Os dois ciclones deixaram 29 comunidades isoladas, segundo a Comissão Nacional de Emergências.

Em El Salvador, os furacões deixaram dois mortos e prejuízos não quantificados à agricultura. Outras duas pessoas morreram no arquipélago colombiano de San Andrés, Providencia e Santa Catalina.

bur-nl/mas/rsr/mr/lb

Honduras pede aos EUA extensão de benefícios aos migrantes após furacões .
Honduras pediu aos Estados Unidos nesta sexta-feira (4) a extensão do benefício de trabalho a seus migrantes que está prestes a expirar, conhecido como TPS, devido à crise que atinge o país após a passagem de dois furacões. “Diante dos desastres gerados no país pelas tempestades tropicais Eta e Iota, o chanceler Lisandro Rosales apresentou em Washington um novo pedido oficial de Status de Proteção Temporária (TPS, na sigla em inglês)”, informou a chancelaria em nota.O pedido foi feito ao secretário interino do Departamento de Segurança Interna (DHS), Chad Wolf. O TPS distribuiu autorizações de trabalho a cerca de 44.

usr: 1
Isto é interessante!