Mundo O plano dos democratas para tentar afastar Trump ainda antes do fim do mandato

12:55  11 janeiro  2021
12:55  11 janeiro  2021 Fonte:   bbc.com

Donald Trump, do sonho ao pesadelo americano

  Donald Trump, do sonho ao pesadelo americano Donald Trump, do sonho ao pesadelo americanoO showman de cabelos tingidos, bronzeado artificial e um talento para se conectar com as multidões assumiu o mandato quatro anos atrás, fazendo em seu discurso inaugural a promessa de que poria fim à “carnificina americana”.

Dois senadores do próprio partido de Trump já pediram a saída do presidente. Democratas ameaçaram abrir um novo processo de impeachment contra Trump , caso ele não renuncie Multidão pró- Trump invadiu o Capitólio na quarta-feira, interrompendo sessão para confirmar vitória de Biden.

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, anunciou que vai ser avançada legislação para um novo processo de destituição contra o Presidente cessante, Donald Trump . Outros eleitos do Partido Republicano, como os senadores Josh Hawley, do Missouri, e Ted Cruz, do Texas, têm

Os democratas no Congresso dos Estados Unidos têm uma acusação formal pronta contra o presidente Donald Trump pelo violento ataque ao Capitólio em 6 de janeiro.

O democrata James Clyburn, um dos líderes do partido na Câmara dos Deputados, detalhou o plano para processar Trump © Getty Images O democrata James Clyburn, um dos líderes do partido na Câmara dos Deputados, detalhou o plano para processar Trump

Da Câmara dos Representantes, os legisladores planejam acusar o presidente republicano de "incitamento à insurreição", disse James Clyburn, um dos líderes dos democratas, à rede de notícias CNN.

A votação será colocada em votação já nesta terça-feira (12/1), segundo Clyburn.

No entanto, mesmo que a medida avance na Câmara, a intenção dos democratas não é enviar nenhum artigo de impeachment ao Senado — para abrir um julgamento contra Trump — nos primeiros três meses do governo de Joe Biden.

O que era Trump representou para os EUA e para o Brasil

  O que era Trump representou para os EUA e para o Brasil No próximo dia 20, país encerra quatro anos do governo republicano de Trump, período que provocou repercussões em todo mundo, particularmente no BrasilNa manhã do próximo dia 20, Trump sairá da residência oficial em Washington D.C. e não mais voltará — ao menos pelos próximos quatro anos. A expectativa é que ele siga diretamente para a Flórida, onde tem uma mansão, sem sequer passar pela cerimônia de posse de seu sucessor, o democrata Joe Biden.

O presidente em fim de mandato também foi privado de sua segunda ocupação favorita desde Assim, o republicano pode se ver tentado a usar os últimos dias de seu mandato para solidificar De acordo com relatos da mídia, Trump planeja uma visita à fronteira do sul na próxima semana para

Após 8 anos, Partido Democrata volta a ter maioria de deputados e pode complicar 2 ª metade do mandato de Trump ao rejeitar projetos de interesse do No Twitter, antes mesmo da apuração oficial indicar que integrantes do partido de Barack Obama comandariam a Câmara dos Representantes

  • Autogolpe de Trump fracassou por não ter apoio militar, diz Steven Levitsky, autor de Como as Democracias Morrem
  • O novo e polêmico papel do vice Mike Pence nos últimos dias de Trump na presidência dos EUA

"Vamos dar ao presidente eleito Biden os 100 dias de que ele precisa para colocar sua agenda em movimento", disse Clyburn.

A medida permitiria ao novo presidente confirmar seu novo gabinete e dar início à sua agenda política, incluindo a luta contra o coronavírus. Tudo isso teria de ser adiado se o Senado recebesse pedidos de impeachment agora, já que esse processo tem prioridade sobre todo o resto.

O novo presidente dos EUA fará seu juramento de posse em 20 de janeiro.

Por enquanto, os democratas e um número crescente de republicanos acusam Trump de encorajar uma insurreição contra o Congresso em 6 de janeiro, que deixou cinco pessoas mortas.

Ataque à democracia

  Ataque à democracia Mais uma vez a postura do presidente Donald Trump altera as relações políticas dentro dos EUA. Uma multidão de apoiadores radicais foi ao Congresso com a intenção de impedir a certificação da vitória de Joe Biden nas eleições de novembro Trump e o Partido Republicano apelaram à Justiça por 60 vezes e todos seus pedidos foram negados. No caso do Estado da Geórgia, historicamente um cabedal político dos republicanos, já houve duas recontagem de votos. Mas quem levou a melhor foram os democratas.

Membros democratas da Câmara dos Deputados irão introduzir os chamados artigos de impeachment na segunda-feira depois de Trump encorajar seus apoiadores a invadirem o Capitólio norte-americano na quarta-feira, afirmou o deputado Ted Lieu no Twitter.

Os integrantes democratas da Comissão de Justiça da Câmara dos Representantes escreveram que Trump incitou um motim e " tentou minar As declarações de Trump feitas pouco antes do ataque, devem, portanto, ser vistas como um chamado para marchar rumo ao Capitólio e tentar influenciar os

Até agora, nenhum senador republicano declarou apoio a uma ação judicial contra o presidente, mas alguns pediram que ele renunciasse.

"Acho que a melhor coisa para o nosso país seria que o presidente renuncie e saia o mais rápido possível", disse o senador republicano Pat Toomey à TV NBC no domingo. "Reconheço que isso pode não ser provável, mas acho que seria melhor."

Lisa Murkowski, do Alasca, foi a primeira senadora republicana a exortar o presidente a deixar o cargo. Ben Sasse, republicano do Nebraska, disse que consideraria votar a favor de um impeachment caso a Câmara dos Representantes aprovasse o pedido.

Trump convocou seus seguidores a marcharem até o Capitólio em 6 de janeiro, o que alguns consideram um incitamento à violência © Reuters Trump convocou seus seguidores a marcharem até o Capitólio em 6 de janeiro, o que alguns consideram um incitamento à violência

Enquanto isso, as autoridades começaram um plano para procurar e prender os manifestantes que invadiram o Capitólio.

Os deputados e senadores do partido de Trump que votarão a favor do impeachment dele

  Os deputados e senadores do partido de Trump que votarão a favor do impeachment dele Uma influente parlamentar republicana na Câmara diz que apoiará o impeachment em uma votação que deve ocorrer na quarta-feira.A republicana, Liz Cheney, disse que Trump "acendeu a chama" do ataque.

Fim do Talvez também te interesse. Ainda assim, as pesquisas sugerem uma eleição acirrada em novembro, e analistas avaliam que Trump tem grandes chances de ser reeleito. " A maioria dos eleitores veem o rótulo do partido e dizem: 'Se este é o representando do meu partido , votarei nele

Legenda da foto, Defesa do Estado de direito é a justificativa de muitos democratas para defender impeachment de Trump . Então, por que tentar um impeachment agora? Defesa do Estado de direito. "Ao fim do processo, quando ele acabou renunciando para evitar o impeachment, esse

A Casa Branca disse que o possível impeachment seria uma medida "com motivação política" que "só serviria para dividir ainda mais nosso grande país".

Biden diz que cabe ao Congresso decidir sobre um impeachment. Mas ele também observou que há muito havia alertado que "Trump era impróprio para o cargo".

Segundo impeachment?

Se o processo continuar, Trump pode se tornar o primeiro presidente na história dos EUA a ser indiciado duas vezes por impeachment.

Para que isso aconteça, as acusações devem ser apresentadas à Câmara dos Representantes e aprovadas em votação.

"Pode ser nesta terça ou quarta-feira quando a ação for tomada", disse Clyburn à CNN.

Clyburn é um dos parlamentares responsáveis ​​pela coordenação da agenda democrata © Getty Images Clyburn é um dos parlamentares responsáveis ​​pela coordenação da agenda democrata

O impeachment seria então levado ao Senado, onde uma aprovação com dois terços é necessária para o impeachment de um presidente. Se condenado, o Senado também pode votar para proibir Trump de ocupar cargos públicos novamente.

O presidente já foi indiciado em um impeachment em 2020 que fracassou no Senado.

As dúvidas deixadas pela abertura do 2º processo de impeachment contra Trump

  As dúvidas deixadas pela abertura do 2º processo de impeachment contra Trump Com a aprovação do segundo 'impeachment' contra Donald Trump, faltando menos de duas semanas para ele deixar a presidência dos EUA, muitas dúvidas permanecem no ar sobre o significado desse processo e os rumos que ele pode tomar.Nesta quarta-feira, a maioria democrata na Câmara e dez republicanos fizeram de Trump o primeiro presidente da história do país a ter dois impeachments em seu currículo.

No entanto, Clyburn disse que não acredita que seja possível apresentar queixa e realizar um julgamento antes de Trump deixar o cargo em dez dias.

Neste domingo, a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, disse que os parlamentares votariam nesta semana uma resolução pedindo ao vice-presidente Mike Pence que invoque a Emenda 25, que permitiria que ele se tornasse presidente interino caso obtenha o apoio da maioria dos secretários de gabinete.

Mas isso é muito improvável, pois não há sinal de que o vice-presidente esteja disposto a invocar a emenda.

Alguns dos invasores do Capitólio foram detidos pelas autoridades federais © Getty Images Alguns dos invasores do Capitólio foram detidos pelas autoridades federais

Pence se distanciou do presidente nos últimos dias e disse que planeja comparecer à posse de Biden em 20 de janeiro.

Trump, ao contrário, informou que não comparecerá à cerimônia, embora já tenha admitido que haverá um novo governo e tenha prometido uma transferência pacífica do poder.

Mesmo assim, ele continua destacando que as eleições de 3 de novembro foram fraudulentas, o que ele não comprovou.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=Ndsj5rMV_Rg

https://www.youtube.com/watch?v=XNs-WyxrlNM

https://www.youtube.com/watch?v=M_8JepnVDXI

'Banho de sangue é inevitável às vezes': a tensão entre apoiadores de Trump que desaguou na invasão do Congresso .
Desiludidos politicamente, manifestantes disseram à BBC News Brasil pouco antes da ação que apostavam em resultado violento."Há 1 milhão de pessoas em frente ao Monumento Washington", exagerou uma mulher loira de boné vermelho com o slogan trumpista Make America Great Again (Faça a América Grande De Novo), ao indicar o caminho para dois recém-chegados apoiadores do republicano à manifestação em Washington D.C., capital americana.

usr: 1
Isto é interessante!