Mundo Justiça militar dos EUA acusa três presos de Guantánamo por atentados de 2002 em Bali

04:21  22 janeiro  2021
04:21  22 janeiro  2021 Fonte:   msn.com

Pompeo acusa o Irã de ser a nova 'base de operações' do Al-Qaeda

  Pompeo acusa o Irã de ser a nova 'base de operações' do Al-Qaeda O chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, acusou nesta terça-feira (12) o Irã de ser a nova "base de operações" para a rede jihadista Al-Qaeda, "pior que o Afeganistão" no momento dos atentados do 11 de setembro de 2001. "O Al-Qaeda tem uma nova base de operações. É a República Islâmica do Irã", disse Pompeo em um discurso no Clube Nacional de Imprensa, uma semana antes de deixar o cargo.“Eu diria que o Irã é de fato o novo Afeganistão, como centro geográfico chave do Al-Qaeda, mas na verdade é pior.

Los atentados de Bali de 2002 tuvieron lugar el sábado 12 de octubre de 2002 en el distrito turístico de Kuta, en la isla indonesia de Bali . El ataque terrorista fue el acto más mortífero en la historia de Indonesia, con un total de 202 personas asesinadas

A Base abriga três campos de detenção: Camp Delta, construído em 2002 e composto de 5 outros O prisioneiros de Guantânamo são interrogados por comissões militares especiais a fim de Desde sua abertura, já passaram por Guantánamo 775 prisioneiros sem acusação formada, sem processo

A Justiça militar dos Estados Unidos acusou formalmente três presos de Guantánamo por ligação com atentados em Bali e Jacarta ocorridos há mais de 18 anos, anunciou nesta quinta-feira o Departamento de Defesa.

(Arquivo) Policial em frente aos escombros de boate em Bali após o atentado de 2002 © CHOO YOUN-KONG (Arquivo) Policial em frente aos escombros de boate em Bali após o atentado de 2002

Um indonésio e dois malaios são acusados de terem planejado e sido cúmplices do atentado a bomba em uma casa noturna de Bali em 2002, que deixou 202 mortos, e pela explosão, no ano seguinte, de um carro-bomba no hotel JW Marriot de Jacarta, informou o departamento. Os três foram presos em 2003 na Tailândia e enfrentam acusações de complô, assassinato, tentativa de assassinato e terrorismo, entre outras.

O que era Trump representou para os EUA e para o Brasil

  O que era Trump representou para os EUA e para o Brasil No próximo dia 20, país encerra quatro anos do governo republicano de Trump, período que provocou repercussões em todo mundo, particularmente no BrasilNa manhã do próximo dia 20, Trump sairá da residência oficial em Washington D.C. e não mais voltará — ao menos pelos próximos quatro anos. A expectativa é que ele siga diretamente para a Flórida, onde tem uma mansão, sem sequer passar pela cerimônia de posse de seu sucessor, o democrata Joe Biden.

Governo de Obama desistiu de julgamento civil para presos . O secretário de Justiça dos Estados Unidos, Eric Holder, anunciou nesta segunda-feira que o homem acusado As atividades incluiriam um ataque a bomba contra uma casa noturna em Bali , na Indonésia, em 2002 ; um ataque a bomba

Fiquei em Guantánamo por cerca de nove meses. Fui ferido ainda nas primeiras semanas de trabalho, tentando evitar que um preso se ferisse. Acho que o uso da tortura é abominável e completamente contra os valores dos EUA . A detenção indefinida continuada em Guantánamo , sem

A prisão militar de Guantánamo, localizada em uma base americana em Cuba, abriga 40 detidos, dos quais 26 são considerados muito perigosos para serem libertados. Os processos se arrastam, devido à complexidade dos casos.

Os três acusados eram integrantes da rede islamita Jemaah Islamiyah (JI), cujo líder espiritual, Abu Bakar Bachir, foi libertado de Guantánamo no começo do mês, o que irritou as vítimas do ataque em Bali. O grupo, ligado à Al-Qaeda, foi fundado na década de 1980 por islamitas indonésios exilados na Malásia e criou células em vários países do Sudeste Asiático.

sl/vgr/gm/rsr/lb

Aliados esperam nova era com EUA no Acordo de Paris .
Líderes mundiais, negociadores e ativistas do clima celebram decisão de Biden, mas alertam que país precisa fazer mais para cortar emissões e incentivar outros. © Jim Lo Scalzo/UPI Photos/imago images Biden assinou 17 decretos após a posse: um deles marcou a volta dos EUA ao Acordo de Paris A decisão do presidente americano, Joe Biden, de horas após a posse recolocar os Estados Unidos no Acordo de Paris foi recebida com aplausos por líderes mundiais, negociadores e ativistas do clima, mas ao mesmo tempo com um alerta: como segundo maior emissor, o país precisa fazer mais e incentivar outros a seguirem o exe

usr: 0
Isto é interessante!