Mundo Erdogan deixa líder da UE sem cadeira em reunião em Ancara

16:41  07 abril  2021
16:41  07 abril  2021 Fonte:   ansabrasil.com.br

Erdogan deixa líder da UE sem cadeira em reunião em Ancara

  Erdogan deixa líder da UE sem cadeira em reunião em Ancara A legislação para instalações que tratam adolescentes com problemas comportamentais obteve a aprovação final no estado americano do Utah no início de março, um mês depois que Paris compartilhou um relato forte sobre suas experiências em um internato nos anos 90

Tayyip Erdogan recebe Charles Michel e Tayyip Erdogan em Ancara © Ansa Brasil Tayyip Erdogan recebe Charles Michel e Tayyip Erdogan em Ancara

(ANSA) - O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, deixou a mandatária da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, sem cadeira para sentar durante um encontro bilateral em Ancara com representantes do bloco.

Erdogan recebeu Von der Leyen e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em seu palácio na última terça-feira (6), mas o cerimonial separou uma cadeira apenas para o segundo, embora a primeira seja mais importante na hierarquia em Bruxelas.

O líder turco e Michel se sentaram à frente de suas bandeiras, enquanto Von der Leyen ficou sem saber para onde ir, até ser acomodada em um sofá. O Conselho Europeu é o principal órgão político da União Europeia, mas seu presidente exerce mais um papel de mediador entre os interesses dos 27 Estados-membros.

Erdogan rebate crítica de Draghi: 'Você não foi eleito'

  Erdogan rebate crítica de Draghi: 'Você não foi eleito' Premiê italiano havia chamado o presidente turco de 'ditador'"Antes de dizer algo do tipo sobre Tayyip Erdogan, primeiro é necessário conhecer sua história, mas vimos que você não a conhece. Você é alguém que foi nomeado, e não eleito", disse Erdogan em discurso para jovens no palácio presidencial de Ancara.

Na hierarquia de Bruxelas, o cargo mais importante é o de presidente da Comissão Europeia, ocupado por Von der Leyen desde dezembro de 2019. A alemã chefia o equivalente ao poder Executivo da UE e comanda uma equipe de comissários (ministros) indicados por cada integrante do bloco.

O eurodeputado francês Raphael Glucksmann, do bloco de centro-esquerda Socialistas e Democratas (S&D), disse nesta quarta (7) que a postura de Erdogan com Von der Leyen é uma "violência simbólica" e ainda criticou Michel.

"Como Charles Michel pôde aceitar esse tratamento infligido a Von der Leyen? A violência simbólica da sequência imposta por Erdogan é uma loucura. Aceitando o lugar, o presidente do Conselho Europeu sentou-se também sobre a igualdade de gênero", acrescentou Glucksmann.

Turquia prende almirantes da reserva que criticaram o presidente

  Turquia prende almirantes da reserva que criticaram o presidente Em carta aberta, mais de 100 ex-militares de alta patente alertaram contra ambicioso projeto de construção de canal defendido por Erdogan. Dez signatários são detidos, e líder turco fala em tentativa de "golpe político".As autoridades da Turquia prenderam nesta segunda-feira (05/04) dez almirantes da reserva que assinaram, ao lado de dezenas de outros ex-oficiais, uma carta aberta criticando um megaprojeto de infraestrutura defendido pelo presidente Recep Tayyip Erdogan.

O eurodeputado ainda postou no Twitter uma foto de um encontro entre Erdogan e os ex-presidentes Jean-Claude Juncker (Comissão Europeia) e Donald Tusk (Conselho Europeu), quando o líder turco se sentou entre os dois representantes da UE.

Já o Partido Popular Europeu (PPE), ao qual pertence Von der Leyen, afirmou que foi uma "vergonha" a chefe do Executivo do bloco não ter um lugar adequado na reunião em Ancara. "As mulheres merecem o mesmo reconhecimento de seus colegas homens", reforçou a legenda.

Durante o encontro com Erdogan, Von der Leyen demonstrou preocupação com a saída da Turquia da Convenção de Istambul sobre a violência contra as mulheres e afirmou que o "respeito aos direitos humanos é crucial para a Europa". (ANSA)

Dez almirantes da reserva são detidos na Turquia por crítica a projeto de Erdogan .
Dez almirantes da reserva foram detidos nesta segunda-feira (5) na Turquia após criticarem, em uma carta aberta, o projeto do "Canal Istambul", estimulado pelo presidente Recep Tayyip Erdogan, em um país onde a menor ação política dos militares desperta recordações de golpes de Estado. - "Um tom de golpe de Estado" - "Canal Istambul" é o mais ambicioso do que o presidente Erdogan chama de seus "projetos loucos", que transformaram o país com novos aeroportos, pontes, estradas e túneis em seus 18 anos de poder.

usr: 2
Isto é interessante!