Mundo Câmara rejeita destaques e envia projeto de vacinação privada ao Senado

02:16  08 abril  2021
02:16  08 abril  2021 Fonte:   msn.com

Vacinação contra covid: veja calendário atualizado em SP, Rio, DF, BH e outras 6 cidades

  Vacinação contra covid: veja calendário atualizado em SP, Rio, DF, BH e outras 6 cidades Saiba também quem pode receber a vacina hoje contra o coronavírus em Curitiba, Campinas, Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e RecifeA campanha de vacinação no Brasil contra a covid-19 começou em 18 de janeiro. O Plano Nacional de Imunização (PNI) orienta que as vacinas sejam disponibilizadas por faixa etária com intervalos de cinco anos. No entanto, Estados e Municípios podem definir o cronograma, com agendamento ou não para que a vacina seja dada, conforme a disponibilidade de imunizações.

Faltavam os destaques , trechos analisados separadamente. Todos foram rejeitados . Ou seja: manteve-se o texto aprovado inicialmente. Agora o projeto vai ao Senado . Também reduz a exigência de doações ao SUS em caso de agentes da inciativa privada adquirirem imunizantes. A alteração é na lei 14.125, em vigor há menos de 1 mês. Hoje, nem a iniciativa privada e nem o governo podem comprar vacinas sem a avaliação da Anvisa. Além disso, os entes privados que adquirirem imunizantes são obrigados a doar todos para.

A Câmara dos Deputados concluiu na tarde desta quarta-feira (7) a votação do projeto de lei (PL 948/2021), que visa dar a empresários o direito de comprar vacinas contra a Covid-19 para vacinar seus funcionários, o que na prática cria um esquema privado de imunização. A oposição na Câmara tem usado termos como “fura-fila” e “camarote vip” para se referir ao projeto , já que, através dele, seria instituído um esquema de vacinação paralelo à fila do Sistema Único de Saúde (SUS). Apesar do texto prever que os empresários que adquirirem imunizantes devem doar a mesma quantidade

A Câmara dos Deputados concluiu na tarde desta 4ª feira (7.abr.2021) a votação do PL (projeto de lei) 948 de 2021, que afrouxa as condições para a iniciativa privada comprar vacinas contra o coronavírus.

A Câmara dos Deputados, em Brasília © Sérgio Lima/Poder360 A Câmara dos Deputados, em Brasília

O texto-base (lei a íntegra, 146 Kb) foi aprovado na 3ª feira. Faltavam os destaques, trechos analisados separadamente. Todos foram rejeitados. Ou seja: manteve-se o texto aprovado inicialmente. Agora o projeto vai ao Senado.

A proposta permite que pessoas jurídicas de direito privado comprem substâncias aprovadas pela Anvisa “ou por qualquer autoridade sanitária estrangeira reconhecida e certificada pela Organização Mundial da Saúde”.

SUS começa a imunizar contra a gripe nesta segunda-feira, 12; veja quem pode ser vacinado

  SUS começa a imunizar contra a gripe nesta segunda-feira, 12; veja quem pode ser vacinado Cronograma será composto por três etapas; veja perguntas e respostas sobre a campanha na rede pública e privadaEm meio à pandemia de coronavírus e com parte da atenção voltada para a imunização contra a covid-19, a campanha nacional de vacinação contra o vírus influenza, da gripe, começará no dia 12 de abril por meio do Sistema único de Saúde (SUS). A meta do Ministério da Saúde é imunizar 79,7 milhões de pessoas que fazem parte dos grupos prioritários até 9 de julho.

O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira (6), por 307 votos a 131, o recurso contra o envio imediato ao Senado do projeto do sistema de proteção social dos militares (PL 1645/19, do Poder Executivo). Assim, a proposta, por ter tramitado em caráter conclusivo, será Ele destacou que o colegiado era composto majoritariamente por deputados ligados às carreiras beneficiadas. Mitraud disse que seria necessário diminuir o impacto fiscal do texto. “Só o adicional de habilitação previsto nesse projeto de lei aumenta os custos da União na mesma proporção da

O plenário da Câmara rejeitou todos os destaques ao projeto de socorro aos Estados. A votação foi concluída e a medida vai agora à análise do Senado . Deputados rejeitaram três destaques . Um deles queria permitir a contratação de operações de crédito para financiar o pagamento de precatórios pelos Estados e municípios. Outro pedia a suspensão da exigência da incidência do PIS/Pasep sobre a receita dos municípios e dos Regimes Próprios de Previdência Social até o fim do estado de calamidade e, por fim, havia uma proposta de criação do Fundo Nacional de Amparo a Estados e

Também reduz a exigência de doações ao SUS em caso de agentes da inciativa privada adquirirem imunizantes. A alteração é na lei 14.125, em vigor há menos de 1 mês.

Hoje, nem a iniciativa privada e nem o governo podem comprar vacinas sem a avaliação da Anvisa.

Além disso, os entes privados que adquirirem imunizantes são obrigados a doar todos para o sistema de saúde público enquanto não forem vacinados todos os integrantes dos grupos prioritários, como idosos. Atingida essa marca, as doações passam a ser de 50% das doses.

O texto aprovado pela Câmara nesta 3ª desobriga a doação de todas as doses. Se a proposta passar a vigorar, ainda existirá obrigação de doar ao SUS. A fração, porém, será de 50% independentemente de os grupos prioritários do programa público terem sido imunizados ou não.

Oposição no Congresso defende Barroso depois de ataque de Bolsonaro

  Oposição no Congresso defende Barroso depois de ataque de Bolsonaro Presidente falou em "politicalha". Atitude é "inacreditável", diz notaBolsonaro comentava a decisão do ministro que obriga o Senado a instalar a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid para investigar as ações do governo federal no combate à pandemia. O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), não queria criar a comissão.

O plenário da Câmara rejeitou todos os destaques ao projeto de socorro aos Estados. A votação foi concluída e a medida vai agora à análise do Senado . Deputados rejeitaram três destaques . Um deles queria permitir a contratação de operações de crédito para financiar o pagamento de precatórios pelos Estados e municípios. Outro pedia a suspensão da exigência da incidência do PIS/Pasep sobre a receita dos municípios e dos Regimes Próprios de Previdência Social até o fim do estado de calamidade e, por fim, havia uma proposta de criação do Fundo Nacional de Amparo a Estados e

Câmara conclui votação da reforma da Previdência e projeto segue para o Senado . tempo mínimo de contribuição para trabalhadores do setor privado : 15 anos para mulheres e 20 anos O Senado tem toda a liberdade para avaliar, debater, manter ou fazer as mudanças que entender relevantes", disse. Reforma da previdência. Câmara conclui votação, e reforma vai ao Senado .

Receba a newsletter do Poder360

A proposta determina que a substância adquirida por empresas seja destinada à aplicação gratuita em seus empregados e outros grupos de trabalhadores que lhes prestem serviço. Os critérios de prioridade de aplicação do sistema público devem ser usados dentro do universo das empresas.

Há, porém, uma restrição: “As aquisições feitas pelas pessoas jurídicas de direito privado com os laboratórios que já venderam vacinas ao Ministério da Saúde só poderão ser pactuadas após o cumprimento integral dos contratos e entrega das vacinas ao Governo Federal”.

“Tivemos o cuidado de colocar isso no nosso texto para que essa narrativa de que nós vamos, com a iniciativa privada, inflacionar preço ou contratar as doses já pactuadas com o SUS”, disse Celina Leão (PP-DF) no plenário. Ela foi a relatora do projeto.

Os entes privados que quiserem comprar vacinas também podem esbarrar em outro obstáculo: os fabricantes têm dado preferência, nas vendas, para governos.

Ao L!, senador explica projeto de lei clube-empresa: 'Tem instrumentos de mercado para captar recursos’

  Ao L!, senador explica projeto de lei clube-empresa: 'Tem instrumentos de mercado para captar recursos’ Carlos Portinho (PL-RJ) é responsável pelo novo texto e tem dialogado com clubes e entidades sobre aspectos como dívidas, captação de recursos e incentivo fiscal aos clubes. © Senador Carlos Portinho é responsável pelo novo texto do projeto de lei clube-empresa (Foto: Reprodu... Senador Carlos Portinho é responsável pelo novo texto do projeto de lei clube-empresa (Foto: Reprodução) > Confira a classificação do Campeonato Carioca ​O nome do parlamentar foi indicado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), autor do projeto original.

A Câmara dos Deputados rejeitou os oito destaques apresentados, como era previsto, e encerrou a votação da reforma da Previdência em segundo turno, com a aprovação do texto sem alterações. O texto segue agora para o Senado Federal e também precisa ser apreciado em dois turnos. No Senado , o texto passará pela Comissão de Constituição e Justiça. Não há Comissão Especial para analisar o projeto . Na sequência, vai ao plenário do Senado , onde também precisa ser aprovado em dois turnos, com 49 votos em cada, ou 3/5 dos senadores. Se o Senado aprovar o texto da Câmara

O plenário da Câmara rejeitou todos os destaques ao projeto de socorro aos Estados. A votação foi concluída e a medida vai agora à análise do Senado . Deputados rejeitaram três destaques . Um deles queria permitir a contratação de operações de crédito para financiar o pagamento de precatórios pelos Estados e municípios. Outro pedia a suspensão da exigência da incidência do PIS/Pasep sobre a receita dos municípios e dos Regimes Próprios de Previdência Social até o fim do estado de calamidade e, por fim, havia uma proposta de criação do Fundo Nacional de Amparo a Estados e

A parte sobre o licenciamento por agências de saúde teve interpretações diversas por técnicos legislativos ouvidos pelo Poder360.

O texto traz o seguinte trecho. O Poder360 grifou em amarelo a parte que fala sobre as agências estrangeiras:

Art. 2º As pessoas jurídicas de direito privado, individualmente ou em consórcio, ficam autorizadas a adquirir vacinas contra a Covid-19 que tenham autorização temporária para uso emergencial, autorização excepcional e temporária para importação e distribuição ou registro sanitário definitivo concedidos pela Anvisa, ou por qualquer autoridade sanitária estrangeira reconhecida e certificada pela Organização Mundial da Saúde, ou contratar estabelecimentos de saúde que tenham autorização para importar e dispensar vacinas, desde que.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) tem gradações em sua certificação. Isso é citado em ao menos uma lei anterior, a 14.124. É o texto que obriga a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a avaliar vacinas e medicamentos aprovados pelos seguintes órgãos. O Poder360 também grifou a parte que cita as gradações:

Câmara aprova projeto que define novos grupos prioritários na vacinação

  Câmara aprova projeto que define novos grupos prioritários na vacinação Texto inclui caminhoneiros autônomos. Destaques ainda precisam ser votadosA proposta inicial era beneficiar apenas caminhoneiros e outros profissionais do setor de transporte de cargas e mercadorias. A relatora, Celina Leão (PP-DF), aceitou sugestões de colegas e expandiu a abrangência da proposta.

I – Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos da América;

II – European Medicines Agency (EMA), da União Europeia;

III – Pharmaceuticals and Medical Devices Agency (PMDA), do Japão;

IV – National Medical Products Administration (NMPA), da República Popular da China;

V – Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency (MHRA), do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte;

VI – Ministry of Health of the Russian Federation, da Federação da Rússia;

VII – Central Drugs Standard Control Organization (CDSCO), da República da Índia;

VIII – Korea Disease Control and Prevention Agency (KDCA), da República da Coreia;

IX – Health Canada (HC), do Canadá;

X – Therapeutic Goods Administration (TGA), da Comunidade da Austrália;

XI – Administración Nacional de Medicamentos, Alimentos y Tecnología Médica (ANMAT), da República Argentina;

XII – outras autoridades sanitárias estrangeiras com reconhecimento internacional e certificadas, com nível de maturidade IV, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ou pelo International Council for Harmonisation of Technical Requirements for Pharmaceuticals for Human Use – Conselho Internacional para Harmonização de Requisitos Técnicos para Registro de Medicamentos de Uso Humano (ICH) e pelo Pharmaceutical Inspection Co-operation Scheme – Esquema de Cooperação em Inspeção Farmacêutica (PIC/S).

Pressão por saída de Ernesto deve dominar semana mais curta do Congresso

  Pressão por saída de Ernesto deve dominar semana mais curta do Congresso Ministro teve conflito no domingo. Kátia Abreu o chamou de "marginal"Receba a newsletter do Poder360

Alguns técnicos entendem que, caso o texto do relatório passe a vigorar, será utilizado o critério estipulado na lei 14.124. Outros julgam que poderão ser compradas pela iniciativa privada no Brasil vacinas aprovadas por qualquer das agências listadas pela OMS, mesmo as de menor prestígio.

“Eu coloco a possibilidade de comprar automaticamente, de qualquer organismo internacional que seja aprovado pela OMS”, disse Celina ao Poder360. Se forem consideradas apenas as autoridades sanitárias que o organismo internacional considera referência, serão as seguintes:

  • BGTD (Canadá)
  • CECMED (Cuba)
  • COFEPRIS (México)
  • EMA (Europa)
  • FDA (Estados Unidos da América)
  • KFDA (Coreia do Sul)
  • TGA (Austrália).

A Anvisa também é considerada referência na área pela OMS.

O PT tentou retirar do texto a possibilidade de compra sem licença da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

O deputado Alexandre Padilha (PT-SP), que foi ministro da Saúde quando o PT esteve no poder, disse que era necessário impedir a seguinte situação:

“Empresário que comprar essa vacina aplicar tanto em si quanto nos seus trabalhadores uma vacina de baixa qualidade, que não foi reconhecida em nenhum dos grandes países do mundo”

“Qualquer autoridade sanitária de qualquer canto nesse mundo, se tiver uma vacina reconhecida naquele país, o empresário pode comprar essa vacina e aplicar nos seus trabalhadores sem qualquer avaliação da Anvisa”, disse Padilha.

Câmara aprova compra por empresas de vacinas sem aval da Anvisa .
Texto base teve 317 votos. Falta análise dos destaquesO texto-base foi aprovado por 317 votos a 120, com 2 abstenções. Ainda faltam ser analisados os destaques, trechos deliberados separadamente. Isso significa que a proposta ainda pode ser alterada.

usr: 0
Isto é interessante!