Mundo Índia quer comprar petróleo do Irã após alívio de sanções: Fonte

17:05  08 abril  2021
17:05  08 abril  2021 Fonte:   bloomberg.com

Estados Unidos e Irã dão o primeiro passo para salvar o acordo nuclear

  Estados Unidos e Irã dão o primeiro passo para salvar o acordo nuclear Washington e Teerã iniciam o diálogo para retomar os compromissos pactuadosA mesma cidade, mas salas diferentes. A Administração de Joe Biden e o Governo Hasan Rohani deram os primeiros passos em Viena para abrir uma nova etapa e retomar os termos do pacto selado em 14 de julho de 2015, que buscava impedir que o Irã se tornasse uma potência nuclear. Seus diplomatas não se sentaram cara a cara nesta terça-feira. Nem sequer estavam no mesmo hotel. Mas sua mensagem circula de uma parte a outra por meio dos diplomatas europeus que participaram da reunião do chamado Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA, na sigla em inglês).

(Bloomberg) -- Refinarias estatais da Índia estão preparadas para comprar petróleo iraniano assim que as sanções dos Estados Unidos forem aliviadas, segundo uma autoridade do governo.

As refinarias começaram a se preparar com antecedência para a possível remoção das penalidades de modo que possam rapidamente firmar contratos com o Irã, disse um representante do Ministério do Petróleo, que pediu para não ser identificado. Isso inclui a elaboração de termos comerciais e a implementação de mecanismos para avaliar rapidamente a qualidade do petróleo, disse a autoridade.

A Índia tem manifestado apoio às compras de petróleo iraniano recentemente ao lamentar o preço dos suprimentos da Arábia Saudita. O terceiro maior importador do mundo também sinalizou a intenção de diversificar suas fontes de petróleo, na esperança de que o novo governo dos EUA adote uma postura mais branda em relação a produtores sancionados. A crítica coincide com uma demanda menor no país devido ao aumento dos casos de Covid-19.

Biden mantém 'posição de irracionalidade' sobre Venezuela, diz chanceler

  Biden mantém 'posição de irracionalidade' sobre Venezuela, diz chanceler O presidente americano, Joe Biden, "optou por manter uma posição de irracionalidade", ao desconhecer o governo venezuelano de Nicolás Maduro - afirmou o chanceler Jorge Arreaza, que, ainda assim, tentou restabelecer o contato com a nova Casa Branca. Observou, no entanto, que o novo governo "optou por manter uma posição de irracionalidade", ao considerar como presidente da Venezuela o líder da oposição Juan Guaidó, após a reeleição de Maduro em 2018. Os críticos do herdeiro político de Hugo Chávez alegam que as eleições foram fraudulentas."Enviamos mensagens", disse o chanceler na entrevista concedida à AFP em seu gabinete em Caracas.

Refinarias indianas têm comprado novos tipos de petróleo fora do Oriente Médio, como da Guiana e da Noruega, ao mesmo tempo que importam mais dos EUA para reduzir a dependência de produtores da Opep.

As exportações iranianas despencaram depois que o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, endureceu as sanções em 2018 e encerrou isenções para alguns países em 2019, incluindo a Índia. O Irã e potências mundiais começaram esta semana a tentar ressuscitar um acordo nuclear. Embora tenha havido avanços, o caminho para a flexibilização das penalidades e aumento acentuado das exportações de petróleo permanece incerto.

A Índia - antes segundo maior cliente do Irã - importa mais de 85% de suas necessidades totais de petróleo. Ter acesso ao petróleo iraniano traria uma série de benefícios, como barris mais baratos e um ciclo de crédito mais longo, enquanto a viagem mais curta reduziria custos de frete. A China, entretanto, recentemente aumentou as compras do país sancionado para cerca de 1 milhão de barris por dia.

Porta-vozes das maiores refinarias estatais - Indian Oil, Hindustan Petroleum e Bharat Petroleum - não quiseram comentar.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

©2021 Bloomberg L.P.

Covid-19: FMI anúncia alívo da dívida de três PALOPs .
O Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional anunciou uma extensão do mecanismo de alívio da dívida para 28 países. Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe estão na lista. © Yuri Gripas/REUTERS Provided by Deutsche Welle O Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou esta segunda-feira (05.04) uma extensão do mecanismo de alívio da dívida para 28 países, incluindo os lusófonos Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

usr: 0
Isto é interessante!