Mundo Baixa eficácia de vacinas chinesas desafia imunização global

19:07  12 abril  2021
19:07  12 abril  2021 Fonte:   bloomberg.com

"Quando um presidente recomenda um medicamento que não serve, isso é um ato criminoso", afirma especialista da OMS

  Em entrevista à RFI, o presidente do Grupo de Especialistas em Imunização da Organização Mundial da Saúde (OMS), o mexicano Alejandro Cravioto, falou sobre as estratégias de combate à pandemia de Covid-19 na América Latina, além do uso de vários medicamentos que não apresentam eficácia comprovados contra a doença. Por Carlos Pizarro, da RFI RFI - Nesta semana, todo o planeta está na expectativa dos resultados do estudo realizado pelo Grupo de Especialistas em Imunização da OMS sobre as vacinas chinesas da Sinovac e da Sinopharm.

(Bloomberg) -- Cresce a preocupação de que as vacinas da China sejam menos eficazes para proteger contra a Covid-19, levantando questões sobre países como Brasil e Hungria que dependem desses imunizantes, assim como a gigante campanha de imunização do país asiático.

Enquanto vacinas desenvolvidas pela Pfizer, Moderna e até mesmo a Sputnik da Rússia tenham proporcionado taxas de proteção acima de 90%, no geral, as candidatas chinesas mostraram eficácia muito mais baixa. Pesquisa divulgada no domingo mostrou que a taxa de eficácia da Coronavac da Sinovac Biotech - usada na Indonésia e no Brasil - ficou pouco acima de 50%, muito perto da proteção mínima para vacinas contra a Covid exigida pelos principais reguladores globais de medicamentos. Outras vacinas chinesas mostraram taxas de eficácia entre 66% e 79%.

Afinal, Brasil vacina pouco ou muito? Confira 5 dados do ranking global

  Afinal, Brasil vacina pouco ou muito? Confira 5 dados do ranking global Se a comparação considerar apenas o número total de doses que cada país aplicou, o Brasil aparece em quinto lugar no ranking global da Universidade de Oxford. Mas quando a comparação do total de doses aplicadas leva em conta o tamanho da população de cada país, o Brasil aparece em 73º entre 166 nações e territórios. A comparação pode ser feita também com o próprio Brasil. O Ministério da Saúde afirma que o país tem capacidade instalada de vacinar 2,4 milhões por dia. E já chegou a vacinar 18 milhões de crianças em campanha contra a poliomielite. Mas desde 17 de janeiro de 2021, o Brasil só superou três vezes a marca de 1 milhão de vacinados em 24h.

A ansiedade em relação a essa disparidade veio à tona no fim de semana, quando George Fu Gao, diretor do Centro de Prevenção e Controle de Doenças da China, disse em fórum que algo precisava ser feito para abordar o baixo índice de proteção das vacinas chinesas, segundo o jornal chinês The Paper.

A declaração atípica de uma autoridade se tornou viral nas redes sociais, mas censores da China entraram em ação, e postagens e reportagens na mídia com os comentários de Gao foram editados ou removidos rapidamente. Gao então retrocedeu, dizendo ao jornal estatal Global Times no domingo que suas observações foram mal interpretadas e que pretendiam apenas sugerir maneiras de melhorar a eficácia das vacinas.

Gao sugeriu que doses de reforço após as vacinações e combinar diferentes tipos de vacinas poderiam ajudar a resolver o problema de eficácia, de acordo com o Global Times.

Ritmo de vacinação em países mais ricos é 2.400% mais rápido

  Ritmo de vacinação em países mais ricos é 2.400% mais rápido Até o momento, cerca de 5% da população global foi totalmente imunizada, mas a distribuição tem sido desequilibrada. A maioria das vacinas é destinada aos países mais ricos. Até quinta-feira, 40% das vacinas contra a Covid-19 administradas globalmente foram aplicadas em pessoas de 27 países ricos, que representam 11% da população global. Os países que correspondem aos 11% menos ricos receberam apenas 1,6% das vacinas administradas até agora, segundo análise de dados coletados pelo rastreador de vacinas da Bloomberg.

As preocupações atingem uma ampla faixa da campanha global de imunização, particularmente no mundo em desenvolvimento, pois nos países mais ricos predominam as vacinas de RNA mensageiro, altamente eficazes. Com isso, países como Turquia e Indonésia recorrem às vacinas da China.

O governo chinês, que também tem doado vacinas para alguns países, acelera sua própria campanha de vacinação. O objetivo é imunizar 40% da população da China - ou 560 milhões de pessoas - até o fim de junho, um esforço ambicioso que exigirá o dobro do ritmo dos Estados Unidos.

“Eles mesmo não confiam” nas vacinas, disse Therese Hesketh, especialista em sistema de saúde da University College London. “Realmente fizeram um trabalho apressado na vacina, e os ensaios clínicos nunca foram devidamente examinados. Sei por colegas na China que há uma grande hesitação em relação às vacinas de qualquer maneira.”

Mundo ainda tem países sem uma única dose de vacina

  Mundo ainda tem países sem uma única dose de vacina Enquanto em nações como EUA e Reino Unido a vacinação contra a covid-19 avança rápido, em outras partes do planeta a campanha sequer começou. © Rodger Bosch/AFP/Getty Images Paciente com covid-19 na África do Sul: país teve acesso a vacinas, mas vários vizinhos, ainda não De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 600 milhões de doses de vacina contra a covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo. Mas a discrepância entre países é alta: enquanto, por exemplo, quase 100% da população de Gibraltar já foi vacinada, países como a Nicarágua ainda aguardam as primeiras doses.

Desenvolvedores de vacinas chinesas têm sido repetidamente criticados pela falta de transparência e estão atrasados em relação a empresas estrangeiras na publicação de dados completos de ensaios em revistas médicas revisadas por pares. O estudo divulgado no fim de semana sobre o ensaio de estágio final da Sinovac no Brasil foi publicado três meses após as primeiras análises de eficácia, enquanto a estatal Sinopharm ainda não publicou os dados completos dos ensaios de fase III para suas duas vacinas inativadas contra a Covid.

Um dos motivos da baixa eficácia do ensaio da Sinovac no Brasil, segundo os pesquisadores do estudo, foi que as duas doses da vacina foram administradas em um curto intervalo de 14 dias. Pesquisadores observaram “uma tendência de maior eficácia” entre um número limitado de participantes que receberam a segunda dose após um intervalo de no mínimo 21 dias.

Embora a China trabalhe em vacinas mais eficazes, como as que usam a tecnologia de RNA mensageiro, deve continuar a aplicar as que foram aprovadas até o momento, disse Benjamin Cowling, chefe de epidemiologia e bioestatística da Universidade de Hong Kong.

“Elas podem fornecer um alto nível de proteção, especialmente contra Covid grave”, disse.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

©2021 Bloomberg L.P.

Por que Brasil vacinou 88 milhões em 3 meses contra H1N1 e agora patina contra covid-19 .
País foi exemplo a ser seguido na imunização durante a última pandemia, mas falta de vacinas causada por erros do governo federal nos colocam em uma situação bastante diferente desta vez.Quando a campanha começou, a maioria das doses necessárias já estavam nas mãos do governo federal, que tinha desde o ano anterior acordos para a compra de três imunizantes.

usr: 0
Isto é interessante!