Mundo EUA insistem na segurança das vacinas AstraZeneca, apesar dos casos de trombose

10:40  16 abril  2021
10:40  16 abril  2021 Fonte:   istoedinheiro.com.br

Autoridade da agência reguladora europeia confirma vínculo entre vacina da AstraZeneca e trombose

  Autoridade da agência reguladora europeia confirma vínculo entre vacina da AstraZeneca e trombose Uma fonte da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) confirmou "um vínculo" entre a vacina da AstraZeneca e casos de trombose registrados em pessoas que receberam o fármaco, afirmou nesta terça-feira em uma entrevista ao jornal italiano Il Messaggero. Para a EMA "não se demonstrou um vínculo causal com a vacina", afirmou há alguns dias a diretora executiva da agência, Emer Cooke. Para a agência europeia de acordo com os conhecimentos científicos atuais, "não há provas que apoiem a restrição do uso desta vacina em nenhuma população".

Alguns países continuam mostrando confiança no processo de vacinação. Os EUA deram uma garantia nesta semana ao insistir na segurança das vacinas contra o coronavírus apesar de alguns casos de trombose em pessoas vacinadas doses da Johnson & Johnson. O Canadá anunciou que continuará aplicando o AstraZeneca no  país.

O coordenador da resposta contra covid-19 da Casa Branca, Jeff Zients, expressou que o estudo desses casos indica que o processo de vacinação é sério e que isso deve dar confiança aos Estados Unidos e em geral no mundo.

+ Espionagem: saiba como desativar recursos que te vigiam no celular

Formação de coágulos é efeito colateral muito raro da vacina de Oxford, diz agência europeia

  Formação de coágulos é efeito colateral muito raro da vacina de Oxford, diz agência europeia De acordo com o órgão regulador, a maioria dos casos foi relatada em mulheres com menos de 60 anos de idade nas duas semanas seguintes à vacinação . Os fatores de risco, no entanto, não puderam ser confirmados porque não há dados suficientes para fazer essa correlação. O comitê de segurança da agência analisou 62 casos de trombose do seio venoso cerebral e 24 casos de trombose da veia esplâncnica (no abdômen). Destes, 18 foram fatais. Outros efeitos colaterais listados foram trombose nas artérias, níveis baixos de plaquetas sanguíneas e hemorragia.

Isso depois dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e da Food and Drug Administration (FDA), órgãos que testam vacinas nos Estados Unidos, recomendaram na última terça-feira (13) ao governo americano a suspensão da administração do medicamento J&J para os casos de 6 mulheres menores de 48 anos que sofreram um tipo raro de trombose cerebral, da qual uma faleceu e a outra está em estado grave.

A diretora do CDC, Rochelle Walensky, disse que os casos detectados nos Estados Unidos são semelhantes aos encontrados na Europa após a vacinação com AstraZeneca, onde tanto homens quanto mulheres apresentaram trombose, embora tenham sido mais frequentes.

Walensky acrescentou que a recomendação de suspender a vacinação com o produto J&J responde a três causas: uma delas é alertar os profissionais de saúde que pode haver efeitos adversos e que eles não tratam essas tromboses cerebrais com heparina, um medicamento geralmente usado para esses tipos de coágulos.

Governo britânico tenta tranquilizar população sobre a vacina da AstraZeneca

  Governo britânico tenta tranquilizar população sobre a vacina da AstraZeneca O governo britânico iniciou uma campanha para tranquilizar a população sobre a segurança das vacinas contra a covid-19, um dia depois de anunciar o fármaco desenvolvido pela AstraZeneca será reservado no país a pessoas com mais de 30 anos como medida de precaução. Todas as vacinas utilizadas no Reino Unido são "seguras para todas as idades", mas devido ao risco "extremamente raro" de trombose as pessoas com menos de 30 anos receberão a vacina da Moderna ou da Pfizer/BioNTech, explicou o ministro da Saúde, Matt Hancock, em várias entrevistas.

Além disso, outra razão é porque pode haver mais casos, por isso as autoridades querem que as pessoas fiquem atentas para que relatem imediatamente e vão ao médico se apresentarem sintomas, embora o especialista avise que esses casos são “extremamente raros”.

O Canadá anunciou nesta quinta-feira (15) que não vai descontinuar o uso da vacina AstraZeneca com o fundamento de que o risco de possíveis trombos associados à droga é “muito baixo” e que os benefícios superam os riscos em qualquer caso.

A Dra. Supriya Sharma, uma das diretoras médicas do Ministério da Saúde canadense, destacou em uma entrevista coletiva que, após revisar os dados mais recentes, eles não encontraram “nenhum fator de risco específico, como idade ou sexo”. No entanto, Sharma acrescentou que o Ministério da Saúde acredita que o caso conhecido terça-feira de uma mulher que desenvolveu “um coágulo sanguíneo incomum com baixos níveis de plaquetas” está “possivelmente ligado ao uso da vacina” da AstraZeneca.

Sharma disse que “os benefícios da vacina AstraZeneca continuam a superar os riscos de contrair COVID-19” e que o ministério atualizou as advertências associadas à administração da vacina “para que os canadenses possam ser informados dos efeitos colaterais”.

Dinamarca é 1° país a abandonar vacina da Oxford; França mantém imunizante para maiores de 55 anos .
A Dinamarca anunciou nesta quarta-feira (14) que deixará definitivamente de administrar a vacina contra a Covid-19 da Oxford/AstraZeneca devido a uma possível ligação com casos raros de trombose, uma decisão sem precedentes no mundo. O imunizante continuará a ser administrado na França em pessoas com mais de 55 anos, assim como o da Janssen, no qual o governo francês disse nesta quarta-feira manter a "confiança". A Agência Europeia deA escolha das autoridades sanitárias dinamarquesas terá como consequência o adiamento de alguns dias, de 25 de julho para o início de agosto, da data prevista para o fim do atual programa de vacinação na Dinamarca.

usr: 2
Isto é interessante!