Mundo EUA retomam uso da vacina da Johnson & Johnson

20:11  24 abril  2021
20:11  24 abril  2021 Fonte:   dw.com

Alívio, ansiedade e protestos: trabalhadores da saúde são vacinados em BH

  Alívio, ansiedade e protestos: trabalhadores da saúde são vacinados em BH Programação da PBH prevê que a faixa etária entre 43 a 49 anos seja vacinada até o fim desta sexta-feira (16/4)

Aplicação havia sido suspensa para análise de ocorrência rara de coágulos sanguíneos em mulheres vacinadas. Autoridades afirmam que benefícios superam os riscos.

Agência europeia também recomenda o uso do imunizante © Dado Ruvic/REUTERS Agência europeia também recomenda o uso do imunizante

Agências reguladoras de saúde dos EUA autorizaram nesta sexta-feira (23/04) a retomada do uso da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Johnson & Johnson, após uma suspensão de 11 dias na administração do imunizante para analisar a ocorrência de casos raros de coágulos sanguíneos em mulheres vacinadas.

"Concluímos que os benefícios conhecidos e potenciais da vacina contra a covid-19 da Janssen [braço farmacêutico da Johnson & Johnson] superam seus riscos conhecidos e potenciais em indivíduos de 18 anos ou mais", disse Janet Woodcock, diretora da Administração de Alimentos e Remédios dos EUA (FDA, na sigla em inglês), em um comunicado conjunto com o Centro de Controle de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês).

COVID-19: Minas recebe mais de 700 mil doses de vacina nesta sexta (16/4)

  COVID-19: Minas recebe mais de 700 mil doses de vacina nesta sexta (16/4) De acordo com anúncio feito pelo governador Romeu Zema (Novo), pessoas entre 60 e 64 anos serão vacinadas com o novo lote . Além disso, as doses servirão para dar continuidade à imunização dos trabalhadores da saúde, além dos idosos acima de 65 anos e profissionais das forças de segurança.O estado já aplicou 2.529.995 doses da vacina, ou seja, 11,88% do total da população mineira, segundo o boletim epidemiológico divulgado nesta quinta pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). Desses, 864.604 receberam a segunda dose do imunizante, que corresponde a 4,06% do total.

"Não recomendamos mais a pausa no uso dessa vacina", disse a diretora do CDC, Rochelle Walensky, em entrevista coletiva, acrescentando que a aplicação do imunizante seria retomada imediatamente. Ela disse que coágulos sanguíneos "extremamente raros" foram identificados, e que as agências reguladoras seguirão monitorando o uso da vacina.

A autoridades de saúde americanas haviam suspendido o uso da vacina da Johnson & Johnson em 14 de abril, depois de identificarem 15 pessoas que receberam o imunizante e desenvolveram um tipo de coágulo sanguíneo muito incomum.

Cerca de 8 milhões de pessoas já receberam até o momento a vacina, que é de dose única, ao contrário dos outros imunizantes já aprovados nos EUA, que requerem a administração de duas doses.

'Expectativa é recuperar o tempo perdido', comemora comerciante de Contagem

  'Expectativa é recuperar o tempo perdido', comemora comerciante de Contagem Primeiro sábado de volta do funcionamento das lojas foi de movimento fraco nos principais centros comerciais da cidade

No fim de janeiro, a Johnson & Johnson informou que o imunizante tem eficácia média de 66% na prevenção da covid-19. Contra casos graves da doença e hospitalizações, a eficácia foi de 85%. A vacina pode ser armazenada por pelo menos três meses em temperaturas de 2 ºC a 8 ºC.

Quais são os possíveis riscos?

Todos os casos de coágulos sanguíneos ocorridos depois da vacinação com o imunizante ocorreram em mulheres, a maior parte delas com menos de 50 anos de idade. Três morreram e sete continuam hospitalizadas.

Os especialistas do CDC disseram que a vacina da Johnson & Johnson é importante para combater a pandemia, mas que também é importante que mulheres jovens sejam informadas sobre os riscos de forma clara e compreensível.

A análise foi feita por um grupo de 14 especialistas, dos quais dez votaram a favor da derrubada da suspensão e quatro pela sua manutenção. Eles decidiram também que devem ser incluídos avisos para as mulheres em materiais de divulgação disponíveis nos centros de vacinação.

Exclusivo: Novo VW Taos encara um teste de resistência e tortura

  Exclusivo: Novo VW Taos encara um teste de resistência e tortura Visitamos o campo de provas da marca no Arizona para testar a robustez do SUV médio que chega em maio Todo carro moderno passa por um processo longo de anos para validação antes de chegar às concessionárias. As fabricantes replicam situações por centenas de milhares de quilômetros em climas quentes e frios, ou o efeito corrosivo da maresia, além de colocar o carro em pisos de má-qualidade, altas atitudes e outros cenários bem exigentes. Tudo isso para garantir que o próximo lançamento será o mais confiável possível – e poupar problemas de recalls e processos.

O painel chegou a discutir restringir a faixa etária que poderia usar a vacina, mas decidiu não adotar essa medida. A Johnson & Johnson afirmou à FDA que adicionará um aviso no rótulo da vacina.

Europa também recomenda uso

A suspensão do uso da vacina em solo americano levou a Johnson & Johnson a adiar o lançamento de seu imunizante na União Europeia (UE), onde seu uso já havia sido aprovado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) em 11 de março.

A farmacêutica interrompeu o envio de doses para a UE e aconselhou governos europeus a armazenarem as doses que já haviam recebido até que a EMA emitisse uma nova orientação sobre o uso da vacina.

Na última terça-feira, a EMA informou, após análise, ter encontrado uma possível ligação entre a vacina da Johnson & Johnson contra a covid-19 e coágulos sanguíneos extremamente raros, mas reiterou que os benefícios do imunizante superam os riscos.

Segundo a EMA, seu comitê de segurança concluiu que um aviso sobre coágulos incomuns combinados com nível baixo de plaquetas deveria ser adicionado como "efeito colateral muito raro" ao rótulo da vacina. A agência já havia recomendado o mesmo para a vacina de Oxford/AstraZeneca.

Como a covid-19 "está associada a um risco de hospitalização e morte", a EMA insiste que "os benefícios globais da vacina da Janssen na prevenção da doença superam os riscos de efeitos secundários". A Johnson & Johnson retomou o envio de doses do imunizante para UE.

No Brasil, a vacina da Johnson & Johnson já teve seu uso emergencial aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e em março o Ministério da Saúde fechou contrato com a empresa para a aquisição de 38 milhões de vacinas. Segundo a pasta, 16,9 milhões de doses devem ser entregues em agosto e mais 21,1 milhões em novembro.

bl (AP, Reuters, dpa, AFP)

Anvisa aponta dúvidas sobre segurança e eficácia da Sputnik V; entenda as razões .
Técnicos da agência recomendaram que pedidos de importação da vacina russa sejam negados, porque não há como garantir que imunizante não gera danos à saúde ou protege de fato contra a covid-19. Também foram identificados problemas no controle de qualidade na fabricação.Os responsáveis pelas três áreas técnicas da Anvisa recomendaram de forma unânime que a importação não fosse autorizada por conta de problemas identificados pela agência, mas até as 22h30, o grupo ainda não tinha chegado a uma decisão final.

usr: 1
Isto é interessante!