Mundo 1986: Explosão no reator de Tchernobil

13:26  26 abril  2021
13:26  26 abril  2021 Fonte:   dw.com

Irã identifica suspeito por trás da explosão na instalação nuclear de Natanz

  Irã identifica suspeito por trás da explosão na instalação nuclear de Natanz Irã identifica suspeito por trás da explosão na instalação nuclear de Natanz . Enquanto isso, uma fonte, fazendo eco à posição do líder supremo aiatolá Ali Khamenei, reiterou a exigência do Irã para a remoção de todas as sanções impostas pelo ex-presidente Donald Trump. "Em Teerã, nada será aceito, exceto a remoção de todas as sanções, incluindo aquelas relacionadas ao JCPOA (acordo nuclear), reimpostas e renomeadas durante a era Trump", disse a fonte não identificada à estatal iraniana Press TV.

Há 35 anos, no dia 26 de abril de 1986, ocorria a explosão de um reator de Tchernobil, na então Ucrânia soviética. Foi o pior desastre nuclear em tempos de paz. As consequências são sentidas até hoje.

Fotografia aérea da usina de Tchernobil em 1986 mostra danos causados por explosão em reator © AP Fotografia aérea da usina de Tchernobil em 1986 mostra danos causados por explosão em reator

Tchernobil é uma cidade no centro da Ucrânia, onde foi construída uma central nuclear em meados dos anos 70, a 110 quilômetros da capital, Kiev. O primeiro reator foi ativado em 1977, pela União Soviética. Nos anos seguintes, foram ativados mais três.

Em 1985, um grave acidente nuclear num dos reatores diminuiu a potência da usina em 25%. A 26 abril de 1986, duas fortes explosões destruíram o reator central, originando uma brecha no núcleo de mil toneladas. Seguiram-se outras explosões, provocadas pela liberação de vapor, espalhando uma gigantesca nuvem de radiação que contaminou 75% da Europa, da Irlanda do Norte à Grécia.

Unidade 29155: as ações secretas de 'sabotagem, subversão e assassinato' dos espiões russos na Europa

  Unidade 29155: as ações secretas de 'sabotagem, subversão e assassinato' dos espiões russos na Europa Novas investigações revelaram ligações entre agentes de inteligência russos e eventos fatais em outros países europeus.Mas também levantou questões sobre do que o GRU é capaz, se ele pode ser impedido e quais outras operações ele pode ter realizado até agora.

Nas imediações de Tchernobil, 31 bombeiros ou trabalhadores da usina morreram naquele dia e 135 mil pessoas foram evacuadas. A União Soviética tentou ocultar as proporções do acidente. Antes mesmo de Moscou admitir a catástrofe oficialmente, a Suécia e a Finlândia já alertavam para o aumento da radiação.

Catástrofe aumentou ceticismo antinuclear

No sul da Alemanha, por exemplo, naquele dia, as medições no solo apontaram até 45 mil bequeréis de contaminação por césio 137 (o valor normal é 300 bequeréis). Apesar dos indícios evidentes de perigo, as fontes oficiais, como a Agência Internacional de Energia Atômica e o Fórum Nuclear Alemão, tentaram minimizar as consequências. Em todo o mundo, cresceu a polêmica em torno do uso e dos perigos da energia nuclear.

Papa se reúne com premiê do Líbano e cobra 'responsabilidade'

  Papa se reúne com premiê do Líbano e cobra 'responsabilidade' Pontífice reafirmou desejo de visitar país que vive grande crise    "Durante as conversas, que duraram cerca de 30 minutos, o Papa quis reforçar a sua proximidade ao povo libanês, que vive um tempo de grande dificuldade e incerteza, e recordou a responsabilidade de todas as forças políticas de comprometer-se com urgência em benefício da nação", informou o diretor da Sala de Imprensa do Vaticano, Matteo Bruni.

Após o acidente, milhares de soldados construíram uma proteção de aço e cimento, denominada sarcófago, para proteger o reator destruído. Em 1991, um incêndio de grandes proporções levou ao encerramento das atividades de outro dos reatores. A Agência Internacional de Energia Atômica inspecionou a central em março de 1994 e encontrou várias deficiências de segurança nos dois reatores ainda em funcionamento.

O sarcófago que sela o que resta do reator explodido estava ruindo. Em 1995, foi elaborado um protocolo de acordo entre a Ucrânia e as sete nações mais industrializadas (G7) para o encerramento das atividades da usina nuclear de Tchernobil, em troca de assistência econômica.

Ucrânia aposta na energia nuclear

Com seu fechamento, a Ucrânia teria um déficit de 5% na geração de eletricidade. O governo de Kiev só cedeu à pressão das nações ricas em troca de uma ajuda de US$ 2,3 milhões do G7 para a construção de dois novos reatores, o financiamento de programas sociais e o reforço da segurança das outras quatro usinas nucleares ucranianas.

As estimativas no final do século 20 indicavam que cerca de três milhões de pessoas, entre as quais um milhão de crianças, ainda sofrem de doenças congênitas provocadas pelas radiações.

O processo de desmantelamento da central nuclear pode levar pelo menos 40 anos, pois é necessário esperar que a radioatividade diminua naturalmente. Tentativas para tornar a terra em volta de Tchernobil novamente segura para a agricultura incluem a raspagem de até quatro centímetros da superfície do solo. Em dezembro de 2000, a usina nuclear de Tchernobil encerrou oficialmente suas atividades.

_________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App |Instagram

Autor: (sg/rw)

Abertura de arquivos soviéticos revela acobertamentos em Chernobyl antes de desastre .
Abertura de arquivos soviéticos revela acobertamentos em Chernobyl antes de desastreApós um teste de segurança fracassado no quarto reator da usina, localizada no que então era a Ucrânia soviética, nuvens de material radiativo de Chernobyl se espalharam por grande parte da Europa, o que continua sendo o pior desastre nuclear da história.

usr: 2
Isto é interessante!