Mundo Queiroga se nega a responder em CPI sobre cloroquina

20:57  06 maio  2021
20:57  06 maio  2021 Fonte:   ansabrasil.com.br

CPI da Covid-19 elege Omar Aziz presidente; Renan Calheiros será relator

  CPI da Covid-19 elege Omar Aziz presidente; Renan Calheiros será relator Justiça tentou impedir Renan. Trabalhos começam nesta 4ªA comissão vai investigar as ações do governo federal e o uso de recursos da União por Estados e municípios no enfrentamento da pandemia.

Marcelo Queiroga é o quarto ministro da Saúde no governo Bolsonaro © Ansa Brasil Marcelo Queiroga é o quarto ministro da Saúde no governo Bolsonaro

(ANSA) - Em depoimento à CPI da Covid no Senado, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se recusou a responder se concorda com a promoção da cloroquina feita pelo presidente Jair Bolsonaro e disse não ter sido consultado sobre um possível decreto contra medidas de restrição nos estados.

Principal autoridade sanitária do país, Queiroga foi questionado pelo relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), se compartilha da defesa da cloroquina como tratamento contra a Covid-19 feita por Bolsonaro há mais de um ano, embora estudos clínicos já tenham comprovado a ineficácia do medicamento.

As perguntas que devem ser feitas aos primeiros convocados a depor na CPI da covid

  As perguntas que devem ser feitas aos primeiros convocados a depor na CPI da covid Comissão decide nesta quinta quais serão os primeiros convocados; Mandetta deve falar na terçaOs demais ex-ministros da Saúde (Nelson Teich e Eduardo Pazuello), assim como o atual titular da pasta, Marcelo Queiroga, também devem ser convocados em breve.

No entanto, Queiroga se esquivou da questão e, mesmo pressionado por Renan e pelo presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), disse tratar-se de um assunto "técnico". "Essa é uma questão técnica que tem que ser enfrentada pela Conitec [Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS]", justificou Queiroga.

Instado a responder apenas "sim" ou "não", o ministro insistiu que o debate sobre a cloroquina deve ser técnico e que ele não sofreu pressão para distribuir o medicamento para o enfrentamento da pandemia. "Eu estou aqui na condição de testemunha, e o senhor está pedindo para eu fazer um juízo de valor", desconversou Queiroga.

Em seguida, Aziz respondeu que até sua "filha de 12 anos falaria 'sim' ou 'não'".

Decreto

Queiroga também foi questionado a respeito da ameaça feita por Bolsonaro na última quarta-feira (5) de editar um decreto contra medidas de restrição à circulação impostas por estados e municípios para conter a disseminação da Covid-19.

CPI da Covid: erros de governadores foram muito mais graves que os de Bolsonaro, diz Ciro Nogueira

  CPI da Covid: erros de governadores foram muito mais graves que os de Bolsonaro, diz Ciro Nogueira Presidente do PP, senador que integra comissão acredita que população vacinada e recuperação econômica em 2022 vão selar reeleição do presidente.Líder de um dos maiores partidos do país, o Progressistas, Nogueira explicou à BBC News Brasil seus cálculos políticos. Para o senador, a CPI não ganhará credibilidade junto à população porque será vista como instrumento de guerra política, focada em explorar o que seriam erros menores de Bolsonaro, em vez de priorizar a investigação de supostos desvios de recursos federais repassados a Estados e municípios.

"Peço a Deus que eu não tenha que baixar esse decreto. Mas se baixar, ele será cumprido. E não será contestado, esse decreto. Não ouse contestar, quem quer que seja. Sei que o Legislativo não contestará", disse o presidente.

Na CPI, o ministro da Saúde afirmou não ter sido consultado sobre o suposto decreto, embora tenha dito pouco antes que sua gestão na pasta é "autônoma". "Não estou participando da elaboração desse decreto nem fui consultado sobre o tema", garantiu.

Apesar disso, Queiroga declarou não ter conhecimento sobre um "aconselhamento paralelo" ao presidente, conforme havia sido mencionado pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta em seu depoimento na CPI.

"Se não foi o senhor que sugeriu o decreto, então tem um aconselhamento paralelo", rebateu Renan Calheiros. (ANSA)

Quem fizer toma lá, dá cá na CPI será cúmplice do morticínio .
Crime de Stalking: Homem ameaça adolescente ao dizer que tem arma em casa

usr: 1
Isto é interessante!