Mundo Fórum dos Leitores

10:41  11 junho  2021
10:41  11 junho  2021 Fonte:   estadao.com.br

Polêmicas antecipam inauguração do Humboldt Forum de Berlim

  Polêmicas antecipam inauguração do Humboldt Forum de Berlim Lista de problemas com planejado megacentro cultural é longa: de segurança digital insuficiente e controvérsias sobre arte pilhada de ex-colônias a acusações de assédio no local de trabalho. Paira ameaça de adiamento. © Britta Pedersen/dpa/picture-alliance Edifício à beira do rio Spree tem histórico acidentado Certa vez, a ministra alemã da Cultura, Monika Grütters, se referiu ao prédio do Humboldt Forum, que se ergue na margem do rio Spree, em Berlim, como "o mais ambicioso projeto cultural do país".

Estado de calamidade

Voto impresso

Vejo que deve passar em comissão na Câmara a aprovação do voto impresso já nas próximas eleições, ao custo estimado de R$ 2 bilhões. Curioso que não haja esse valor para se fazer o censo demográfico, tão importante para as políticas públicas do País. Não dá para entender os nossos parlamentares.

JANE ARAÚJO JANEANDRADE48@GMAIL.COM

BRASÍLIA

*

Cabelos em pé

Três notícias chamam a atenção. A primeira, Lula chamar Franklin Martins para coordenar a comunicação de sua campanha eleitoral. Para quem não se lembra, o sr. Martins foi defensor do controle da mídia durante o governo petista de que participou. Terá ele mudado de opinião depois destes anos de oposição ao governo Bolsonaro? Quem mais da velha-guarda Lula chamará para fazer parte de seu entourage, o sr. Arno Augustin, talvez? Voto impresso é outro assunto estapafúrdio. Só pode ser adepto quem pretende ir contra o povo, que é contra tal projeto. Querem nos enfiar goela abaixo uma estupidez que é confusão anunciada. Quem são esses 22 abnegados deputados federais que querem a implementação de medida tão cara e esdrúxula? Precisamos dar nome aos bois. E, enfim, a inflação volta a dar as caras, disseminada com maior força. Se tratada com cloroquina econômica, seu resultado será o velho conhecido de uma população já madura: descontrole total do valor do dinheiro. Estricnina financeira. Num cenário em que o governo não apresenta metas concisas e necessita do aval do Centrão, as esperanças de uma reação eficaz se tornam miragem. Nesse samba do crioulo doido político-econômico que nos persegue, os brasileiros pagam preço alto por serem ingênuos vindos das selvas e acreditarem nas miçangas entregues pelos que vieram de barco.

Fórum dos Leitores

  Fórum dos Leitores Cartas de leitores selecionadas pelo jornal o Estado de S. PauloMarginalidade

SERGIO HOLL LARA JRMHOLL.IDT@TERRA.COM.BR

INDAIATUBA

*

Para o povo as migalhas

A verdade nua e crua é que a maioria esmagadora dos políticos quer o poder apenas para satisfazer as suas necessidades, de sua família e de seus amigos. Se sobrar um tempinho (e nunca sobra) e algum dinheirinho (também nunca sobra), aí, sim, atiram os farelos ao povo. O resto é papo pra boi dormir. São os velhos discursos de bem comum, de ajuda aos mais pobres, de nacionalismo, educação, saúde, etc., etc. Enganem-nos que nós gostamos!

ARMANDO BERGO NETO BERGONETO@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Quem faz diferente

Enquanto políticos brasileiros dispõem de fartas mordomias e brigam para aprovar um orçamento secreto que os beneficie ainda mais, Eduardo Lyra, jovem nascido na favela Jardim Vila Nova Cumbica, na periferia de Guarulhos, luta para acabar com a pobreza no Brasil. Ele foi eleito pelo Fórum Econômico Mundial um dos 15 jovens brasileiros que podem mudar o mundo, informa o Estado. E eu pergunto: Edu Lyra, que não nasceu em berço esplêndido (ele dormia numa pequena banheira azul), seria eleito para algum cargo político neste país?

Jogadores deveriam ser liberados de obrigações com a Copa América, diz fórum de ligas

  Jogadores deveriam ser liberados de obrigações com a Copa América, diz fórum de ligas Jogadores deveriam ser liberados de obrigações com a Copa América, diz fórum de ligas(Reuters) - Os jogadores sul-americanos deveriam receber a opção de não jogar a Copa América neste mês, afirmou o Fórum Mundial de Ligas (WLF, na sigla em inglês) em uma carta aberta à Fifa e à Conmebol neste sábado.

JOSÉ ROBERTO DE JESUS ZEROBERTODEJESUS@GMAIL.COM

CAPÃO BONITO

*

Admiração

A Elie Horn, da Cyrela, minha admiração. Mais que construir prédios, sua “missão de vida” é deixar um legado de retribuição aos menos favorecidos.

MARCO DULGHEROFF NOVAIS MARCODNOVAIS@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

‘Reparador de brechas’

Tributo a um estadista

Merecido o reconhecimento de Paulo Delgado (9/6, A2) do sempre renovado compromisso democrático do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso com o Brasil. Se seu nome não aparece de forma recorrente em pesquisas eleitorais, é porque soube se colocar acima dos debates menores da política nacional e das vaidades pessoais, para figurar na História como um dos raros estadistas que passaram pelo comando da Nação nas últimas décadas.

JUAREZ CORREIA BARROS JUNIOR JUAREZCORREIABARROS@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Economia

Fuga de empresas

Mais uma empresa, a japonesa Canon, decidiu encerrar suas atividades no Brasil. Lamentável. Desde o início da crise, em 2014, acentuada no governo Bolsonaro, muitas marcas internacionais reviram seus investimentos em nosso país, como Ford, LafargeHolcim, Sony, Roche, Eli Lily, Forever 21, Walmart, Lime, Kiabi, Glovo, Wendy’s, Hooters, Fnac, Kirin, Audi, Mercedes-Benz, Fleming’s, Zôdio, Kiabi, Kiehl’s, HSBC, Accessorize, Citibank, Geely Motors, Duke Energy, Nintendo, L’Occitane, LG...

A morte foi banalizada, afirma diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública

  A morte foi banalizada, afirma diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública Samira Bueno fala sobre os casos de violência policial no Rio de Janeiro , cada vez mais frequentes. “A grande questão é que a gente banaliza a morte, a gente se acostumou a ostentar índices tão altos de violência letal”, avaliou Samira. Segundo ela, é possível identificar um padrão de repetição e representa um grande problema a falta de controle da força policial. “A gente tem visto policiais descumprindo uma decisão judicial da Suprema Corte”, afirmou, se referindo à suspensão das operações em comunidades cariocas durante a pandemia de Covid-19, exceto em casos excepcionais.

JORGE DE JESUS LONGATO FINANCEIRO@CESTADECOMPRAS.COM.BR

MOGI-MIRIM

*

PIS-Cofins

Nós, consumidores, já pagamos PIS e Cofins embutidos no ICMS. E agora quem tem CPF terá de contribuir mais ainda para restituir às empresas o imposto que nós pagamos?!

JOSÉ LUIZ SANCHEZ JL@MSBSANCHEZ.COM.BR

SÃO PAULO

*

Energia elétrica

Sol intenso, presente imenso

A crise hídrica no Brasil, evento natural cada vez mais frequente, vem de longos anos. Não é de agora. As soluções alternativas para apoio às hidrelétricas foram pensadas e nunca bem implementadas. Em momento de eletrificação automotiva, irreversível e inevitável, a demanda energética vai aumentar ainda mais nos próximos anos. Assim, vale um olhar mais forte e objetivo para o presente imenso que a natureza deu ao Nordeste brasileiro, que é o sol brilhante e intenso. Não devemos deixar de utilizar esse incrível gerador limpo e natural de energia que é o Sol. Isto posto, é preciso ir além dos telhados, com a instalação, cada vez mais, de usinas, parques ou fazendas solares nas veredas do sertão. A hora é agora. Não podemos perder o expresso do progresso.

Fórum dos Leitores

  Fórum dos Leitores Cartas de leitores selecionadas pelo jornal o Estado de S. PauloImpeachment

PAULO CESAR BASTOS, engenheiro civil PAULOCBASTOS@HOTMAIL.COM

SALVADOR

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PRESIDENTE INDEFENSÁVEL

Neste segundo depoimento o atual ministro da saúde, Marcelo Queiroga, finalmente foi afirmativo de que é contra o tratamento precoce e uso da cloroquina para cura da covid-19. Porém, para não perder o cargo, Queiroga se nega a retirar do site do Ministério a portaria que defende o uso deste medicamento sem eficácia comprovada, o qual, conforme relatos médicos, está matando pacientes. Coisa de louco, ou melhor, demonstra que esse ministro não tem nenhuma autonomia para dirigir a pasta.  Assim como não sustentou sua declaração, dita na Câmara dos Deputados, de que a infectologista Luana Araújo, convidada por ele para dirigir a secretaria de enfrentamento da covid-19, foi demitida por questões políticas. No novo depoimento à CPI, Queiroga mudou sua versão dizendo que ela foi demitida por ele, certamente para tirar das costas de Bolsonaro mais essa estupidez e desrespeito pela ciência. Na realidade, temos um presidente indefensável! Os fatos divulgados pela nossa imprensa, em áudios, vídeos, lives, etc., são tão contundentes sobre seu desprezo em salvar vidas nesta pandemia. As constantes mentiras ou as tentativas de acobertá-lo por parte de seus aliados depoentes na CPI da Pandemia somente têm piorado sua situação. Sua condenação no relatório final desta CPI parece ser iminente. Quem sabe, até será abreviado o fim do seu mandato.

Fórum dos Leitores

  Fórum dos Leitores Cartas de leitores selecionadas pelo jornal o Estado de S. PauloVai passar

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

QUANTO MAIS CONFUSÃO...

Os quatro membros bolsonaristas da CPI da Covid, Ciro Nogueira (PP-PI), Eduardo Girão (Podemos-CE), Jorginho Mello (PL-SC) e Marcos Rogério (DEM-RO), não estão lá visando a contribuir, mas, nitidamente, para, de forma bastante debochada e desprezível, criar confusão e atrasar as averiguações. A maioria dos membros não pode entrar nesse jogo, sob o risco de aquela CPI cair em total descrédito.

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim

*

VERGONHOSA CPI

O País assiste estupefato ao triste e vergonhoso circo da CPI da Pandemia. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito cujo cartão de apresentação traz, na sua fachada e condução das investigações, dois patéticos  protagonistas que, pasmem, respondem a inquéritos no Supremo Tribunal Federal e na Polícia Federal por corrupção e lavagem de dinheiro,  além de desvios de recursos públicos justamente na área de saúde. Isso,  por si só,  a torna suspeita, suspeitíssima, não merece credibilidade, nem o apreço do povo brasileiro. Como diria um conceituado jornalista, “isso é uma vergonha”.

Moacyr Rodrigues Nogueira Filho moaca14@hotmail.com

Salvador

*

COVID-19:  500 MIL MORTES EM JUNHO?

Assistir aos depoimentos prestados na CPI da Pandemia faz aumentar a impressão que terminará sem atingir seu objetivo maior, clarear o grau de culpa do governo federal pelo fracasso de uma política de enfrentamento a um mal que já causa velozmente um número de mortes que se aproxima de  meio milhão, provavelmente será atingido até o fim de junho. Há quase um mês, senadores e depoentes atuam num palco onde deveria estar apenas uma pessoa, o presidente da República, mesmo porque, basta juntar todos os vídeos nos quais ele aparece mostrando ser contra o  uso de máscaras e álcool em gel, a ponto de ridicularizar os brasileiros conscientes que seguiam tais recomendações, é contra vacinas e receita seu remédio, a cloroquina, que, segundo ele é eficiente no combate à doença, uma irresponsabilidade total partindo do dirigente máximo do País. Tal comportamento pode levar grande parte de uma  população carente de escolaridade a seguir sua orientação. Quanto aos depoentes, presenciamos um debate entre a escuridão, protagonizada por senadores governistas que defendem o ilógico uso da cloroquina e até mesmo a teoria do sacrifício de rebanho, contra a luz da ciência, representada pela infectologista Luana Araújo, reconhecidamente competente que respondeu com argumentos sólidos aos quesitos desse grupo, cujas intervenções até agora nada provaram a não ser a defesa do Bolsonaro. Quanto àqueles que criticaram senadores como Otto Alencar porque “pegou duro” contra a dra. Yamaguchi, que  falhou quando tentou  lhe responder, ela faz parte de um grupo que assessora  Bolsonaro no combate à pandemia, portanto, melhor deixar de “mimimis”.

Brasil trabalha para ampliar exportação de alimentos para Rússia, diz Bolsonaro

  Brasil trabalha para ampliar exportação de alimentos para Rússia, diz Bolsonaro Brasil trabalha para ampliar exportação de alimentos para Rússia, diz Bolsonaro"Nos próximos anos, o Brasil deve consolidar-se como o maior produtor de alimentos... Trabalhamos para potencializar nossas importações de alimentos para o mercado russo e de outros países da região", disse Bolsonaro, durante o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo.

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

CONIVENTES OU NÃO?

Os depoentes da CPI da Covid-19 não querem ser considerados coniventes com as decisões do presidente Bolsonaro. Por esse motivo, mentem descaradamente. Cada um produz uma informação mais desencontrada que a outra, contradizendo-se a todo o momento. Nenhum deles fala o nome de Bolsonaro, como tendo participado das decisões mais importantes nos assuntos relacionados à pandemia: compra de vacinas, suprimento de oxigênio, fornecimento de respiradores, entre outros. Segundo os depoimentos, Bolsonaro não defendeu a cloroquina, a ivermectina, a azitromicina, a imunidade de rebanho e as aglomerações. O fluxo do dinheiro destinado ao combate do vírus ainda não foi devidamente detalhado, considerando eventuais quebras de sigilos bancários e envios de recursos ao exterior. Os vulgares depoimentos servem somente para camuflar toda a situação.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

MOINHO

À semelhança de moagem de trigo, o respondido nas oitivas não deixa dúvida. Salvo um ou outro, os demais são pazuellos do mesmo uniforme...

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

DOAÇÃO DE VACINAS

Em verdade, o fato de os Estados Unidos doarem 500 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 ao mundo, nenhuma delas ao Brasil, demonstra o desapreço do governo norte-americano pelo governo brasileiro, mas também pelo povo brasileiro. Assim, em nome do princípio da reciprocidade, que se insere no âmbito das relações diplomáticas internacionais, que o Brasil, quando tiver de decidir entre companhias e empresas norte-americanas ou chinesas, que dê o beneplácito da reciprocidade aos chineses que, em momentos cruciais desta pandemia, nos têm sido muito mais favoráveis que os americanos do norte.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

'Pobreza vai virar peça de museu', promete o empreendedor Edu Lyra

  'Pobreza vai virar peça de museu', promete o empreendedor Edu Lyra Aos 33 anos, Lyra já foi destaque pela 'Forbes' e eleito pelo Fórum Econômico Mundial um dos 15 jovens brasileiros que podem mudar o mundo . Quem ouve Lyra falar sobre o dia em que a pobreza no Brasil será apenas um quadro na parede, pode achar que ele perdeu o juízo. Afinal, esse é um futuro que nos soa absolutamente improvável. Mas alto lá, ainda assim, convém ouvi-lo. O criador do Instituto Gerando Falcões, uma organização social que atua nas periferias do País, tem na própria história o lastro para a realização do impossível.

Rio de Janeiro

*

BARCOS EUROPEUS

Tem toda a razão o presidente da Argentina, Alberto Fernández, os mexicanos vieram dos índios, os brasileiros da selva e os argentinos chegaram nos barcos europeus. Acontece que, como era para viver na selva com índios, os europeus colocaram nesses barcos o pior da raça humana que tinham por lá.

Abel Pires? Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

E O ETNISMO?

Segundo o presidente argentino, Alberto Fernández, os mexicanos vieram dos índios, os brasileiros da selva e os argentinos, dos barcos procedentes da  Europa. E os etnistas arrogantes vieram de onde, cara-pálida?

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

RETROCESSO

Alberto Fernández, presidente da Argentina e amigo de Lula da Silva, mostrou seu desprezo em relação ao povo brasileiro dizendo que somos originários da “selva”, enquanto os “hermanos” vieram de barco da Europa. A esquerda com o sonho jurássico de implantar o socialismo está retomando o poder na América Latina. O negacionismo, a irresponsabilidade e o despreparo de Bolsonaro entregarão de bandeja o governo  ao criminoso  mais honesto e inocente da nossa história graças ao STF. Será a volta do atraso e da malfadada política Sul-Sul.

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

DESEMBARQUE EM TERRA

“Os mexicanos vieram dos índios, os brasileiros vieram da selva, mas nós, os argentinos, chegamos nos barcos, e eram barcos que vinham da Europa, assim construímos nossa sociedade.” Frase pronunciada pelo presidente da Argentina, Alberto Fernández, durante encontro na Casa Rosada com o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez. Declarando-se um “europófilo” incondicional, Fernández, para aliviar o mal-estar gerado, se enredou numa teia de desculpas e de esclarecimentos, afirmando, equivocadamente, ser a origem do bordão um dito atribuído ao escritor mexicano Octavio Paz, Nobel de Literatura de 1990, que, na verdade, assim se expressou: “Os mexicanos são descendentes dos astecas; os peruanos, dos incas; e os argentinos, dos navios”. Por outro lado, o jornal La Nación acrescentou, para piorar o desconforto criado pela gafe, que a sentença emitida veio na garupa de uma música popular gravada pelo roqueiro conterrâneo Litto Nebbia. Apesar de tudo, é lícito especular que o chefe de Estado argentino, ao emitir seu ponto de vista e se confundir nas explicações, não está sendo muito incoerente, pois talvez seja vítima, como boa parte da população, de um peronismo resistente e retrógrado e continue achando Maradona o melhor do mundo, sequelas de quem ainda está meio mareado após o desembarque em terra.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

VOTO IMPRESSO

Que os negacionistas bolsonaristas defendam o anacrônico voto impresso é esperado. Porém, surpreende que deputados do PDT, PSB e mesmo do PSDB declarem seu apoio à forma mais explícita de fraude eleitoral, como revela a reportagem e levantamento de Camila Turtelli e Anne Warth (10/6). Todas as denúncias feitas contra o sistema atual de votação mostraram ser ele o mais seguro do mundo, por não estarem ligadas a redes, como já bem havia afirmado o editorial Voto impresso, uma discussão descabida (16/1, A3). A diuturna ação de Bolsonaro contra as urnas eletrônicas é parte de sua estratégia diversionista, envolvido que esteve em fraude eleitoral na eleição para deputado em 1994. Ainda que o voto falso encontrado à época – poderia haver mais – não deve ter alterado o resultado, o fato per se evidencia as falhas naquela forma de votação. Novamente criminoso, o presidente continua apresentando denúncias sem qualquer prova, alimentando sua rede de fake news, que ainda o mantém no poder juntamente com as benesses aos agora mais ainda acovardados parlamentares, que defendem apenas suas versões e não os fatos.

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

VOTO DE CABRESTO?

Enquanto aqui, o voto impresso avança no Congresso, ou seja, um comprovante do seu voto mostrando em quem votou, no Peru, onde o voto é  impresso no sentido clássico, como é nos EUA, que Bolsonaro tanto admira, a candidata Keiko Fujimori, da direita, alega fraude na votação e pede recontagem! Que interessante, não é? Conclui-se, pois, que o problema não está nas urnas, mas nos candidatos que não sabem perder e querem ganhar a todo custo. Além do que, com o voto impresso,  teremos de volta o  voto de cabresto de triste memória que atenta contra a democracia, pois submete os mais pobres e vulneráveis, dependentes da boa vontade do poder local, aos interesses dos coronéis regionais. Como disse o ministro Barroso, será um grande retrocesso. Mas, como já estamos sob o jugo de um capitão, “seu” exército e suas milícias,  para o qual a democracia nada vale, tudo é possível. O mais aterrorizante é testemunhar o silêncio e apatia das instituições perante tantos desmandos. Até onde tudo isso nos levará?

Eliana França Leme efleme@gmail.com

Campinas

*

DA COMÉDIA À TRAGÉDIA

A derrocada da democracia prossegue. Depois de evidenciado o projeto de poder do atual mandatário, a nação distraída assiste pela TV a novos capítulos da comédia em curso, podendo optar por um cardápio variado que vai das mentiras e patranhas contadas por cúmplices na CPI da Covid à montagem de relatório fajuto do TCU verbalizado em êxtase pelo principal personagem para mobilizar seus fanáticos até as gravações obtidas pela Polícia Federal de empresários reconhecidos tramando a cassação de ministros para neutralizar o STF (e consequente nomeação de Kassios 2, 3, ...). Com tantas escolhas, não se pode considerar maçante a trama. A questão que importa é saber qual o nível de Ibope necessário para as instituições acordarem, tomando atitude a fim de evitar que a comédia termine em tragédia.

Alberto Mac Dowell de Figueiredo admfigueiredo@terra.com.br

São Carlos

*

PASSO NADA EM FALSO

O Brasil tem um governo que não dá ponto sem nó. Seus membros articulam tudo de caso pensado, relatórios falsos e fake news abastecem os discursos do “homem”, depois ele vem e desmente, pede desculpas esfarrapadas da boca pra fora, mas o estrago está feito. Colocam dúvidas nas cabeças das pessoas e corroem as instituições em suas entranhas.

É um governo das trevas.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

AS INSTITUIÇÕES ESTÃO PREVARICANDO

A mineração na Amazônia é uma atividade 100% ilegal, criminosa, não há qualquer vestígio de legalidade. É inacreditável que as autoridades e instituições brasileiras continuem assistindo à devastação que essa atividade vem causando e não façam absolutamente nada para coibi-la. A mineração ilegal é muito fácil de ser combatida, os locais são perfeitamente conhecidos por todos, basta haver vontade política para resolver o problema. A mineração ilegal praticada na Amazônia invade terras, mata os índios, destrói as matas e os rios ficam irremediavelmente contaminados com metais pesados, extremamente prejudiciais à saúde. A mineração criminosa praticada na Amazônia não agrega absolutamente nada à economia, pois, por ser 100% ilegal, não recolhe impostos, o dinheiro circula apenas no submundo, alimentando outras atividades ilegais como o tráfico de drogas e a prostituição. As instituições brasileiras estão prevaricando vergonhosamente ao não combaterem com todas as forças e meios disponíveis essa prática.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

VERGONHA E DESCASO!

Chega a dar vergonha assistirmos pela internet em vídeos o colosso e a modernidade, além da extrema limpeza, das grandes cidades chinesas, com um urbanismo invejável, e vermos o estado das nossas cidades. Na China o povo nas ruas com uma aparência saudável, moças bem vestidas por todo canto. Aqui no Rio de Janeiro, um povo andrajoso e miserável pelas ruas, com calçadas esburacadas, com bueiros roubados, com canos estourados por todo o canto, praças e túneis em estado de miséria, enfim. A cidade é uma vergonha, sem manutenção de nada. O que fazem com o dinheiro dos nossos impostos, com o IPTU escorchante e criminoso que pagamos. O ex-prefeito Crivella nada fez na cidade em quatro anos de gestão. No Brasil, governos estaduais e prefeituras nada fazem em área alguma há décadas!

Paulo Roberto da Silva Alves pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

UM COMBUSTÍVEL QUE PASSOU DE ALTERNATIVA A PESADELO

Em Bauru, no centro-oeste paulista, região produtora de cana-de-açúcar, com milhares de hectares destinados ao plantio da cana para produção do etanol, o preço do combustível subiu na madrugada e está sendo praticado nas bombas por R$ 4,30 o litro.

Temos a impressão que o etanol é extraído pela Opep no mundo árabe, pois seu preço é obsceno para os sofridos brasileiros. Dolarizado, alinhado às muitas nuances do petróleo, mesmo tendo uma frota de milhões de veículos a seu dispor, adição de 28% na gasolina, ainda assim cobram o preço que bem entendem sem que haja uma reação sequer do governo ou da sociedade.

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

*

O BRASIL CERCADO DE BANDIDOS

O Brasil, antes cercado só pelo mar de um lado e pela fronteira com vários países, agora é cercado por bandidos de quatro facções em todo o país, e não só no Rio de Janeiro, onde elas atuam há muitos anos. Os bandidos do tráfico de drogas; os bandidos das milícias; os bandidos infiltrados nas forças policiais; e os bandidos da alta política. Sem contar a bandidagem inerente ao sistema econômico vigente. Democracia e civilização não resolveram o problema da criminalidade em países ricos e desenvolvidos, principalmente em nosso Brasil, onde o crime compensa, em todos os níveis.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

TRAGÉDIAS CONSTANTES

É cada vez mais insuportável a tragédia de jovens mortos nas comunidades da cidade do Rio de Janeiro, independentemente de quem seja o responsável direto de tais crimes. Esse recente assassinato da jovem Kathlen  não pode ficar impune, sob pena de nos transformarmos em uma terra sem lei, que nos impedirá de construir a grande nação que tanto sonhamos e temos condições de ser.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

COPA DO BRASIL

No ano passado, a sensacional eliminação nos pênaltis do Atlético-MG pelo Afogados da Ingazeira causou enorme sensação na Copa do Brasil. Agora, numa única noite, três resultados sacudiram o futebol brasileiro: Juazeirense bateu o Cruzeiro nos pênaltis; CRB eliminou o Palmeiras também nas penalidades máximas; Atlético-GO segurou o empate para classificar-se diante do Corinthians, pois havia ganhado o primeiro jogo. Mais do que retratar o vexame dos grandes times, a mídia deveria valorizar o esforço e a superação de times pequenos e médios que conseguem superar times grandes que possuem melhores estruturas, mas que têm falhado na organização e planejamento de longo prazo.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

'Pobreza vai virar peça de museu', promete o empreendedor Edu Lyra .
Aos 33 anos, Lyra já foi destaque pela 'Forbes' e eleito pelo Fórum Econômico Mundial um dos 15 jovens brasileiros que podem mudar o mundo . Quem ouve Lyra falar sobre o dia em que a pobreza no Brasil será apenas um quadro na parede, pode achar que ele perdeu o juízo. Afinal, esse é um futuro que nos soa absolutamente improvável. Mas alto lá, ainda assim, convém ouvi-lo. O criador do Instituto Gerando Falcões, uma organização social que atua nas periferias do País, tem na própria história o lastro para a realização do impossível.

usr: 6
Isto é interessante!