Mundo Países que fecharam escolas por menos dias tiveram pouco ou nenhum déficit de aprendizagem

12:27  11 junho  2021
12:27  11 junho  2021 Fonte:   estadao.com.br

MG se prepara para volta às aulas presenciais mesmo com impasse na Justiça

  MG se prepara para volta às aulas presenciais mesmo com impasse na Justiça Um memorando foi enviado aos gestores nas Superintendências de Ensino com uma lista de tarefas a serem cumpridas até 11 de junho

Países que ficaram menos dias que o Brasil com escolas fechadas durante a pandemia não tiveram grande perda de aprendizagem ou sequer tiveram algum déficit. É o que mostra um estudo sobre avaliações internacionais feito pela consultoria pelo Vozes da Educação, a pedido da Fundação Lemann. A maioria das 23 nações analisadas manteve testes nacionais em 2021 para verificar o que aprenderam seus alunos durante a crise sanitária causada pela covid-19.

O Brasil é o segundo país com mais tempo de escolas fechadas, segundo a Unesco, passando dos 260 dias. Estudos iniciais já têm mostrado um déficit gigantesco no desenvolvimento dos alunos no País durante a pandemia, com resultados que comprometem uma geração.

Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia

  Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia Maioria cortou rotas internacionais. Saiba os voos programadosAs rotas internacionais ainda em atividade estão sendo usadas por brasileiros que estão no exterior para voltar ao Brasil. O Itamaraty informou em nota que está buscando todas as opções para repatriar os nacionais residentes no Brasil que encontraram problemas com seus voos de retorno ao país.

Além disso, o Ministério da Educação (MEC) ainda não confirmou que será realizado o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) este ano, exame que justamente mostra como está a aprendizagem dos estudantes do ensino fundamental e médio de todas as redes.

Apesar de oficialmente o governo dizer que a prova será no segundo semestre, ainda não há gráfica contratada e nem um coordenador para o Saeb, segundo o Estadão apurou. O Saeb é feito desde os anos 90 no País, com provas de Português e Matemática, e seus dados compõem o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

“O movimento majoritário no mundo é retomar avaliações, que até poderiam ter sido suspensas em 2020, para saber onde os alunos estão, o impacto do fechamento das escolas e para ajudar o professor sobre o que ele tem que fazer daqui para frente”, diz o diretor de políticas educacionais da Fundação Lemann, Daniel de Bonis. Mas, segundo ele, só com a volta às aulas presenciais em massa será possível entender melhor o quadro.

Os 'desertos alimentares' dos EUA, que condenam 47 milhões de pessoas a comer pouco e mal

  Os 'desertos alimentares' dos EUA, que condenam 47 milhões de pessoas a comer pouco e mal Cerca de 47 milhões de pessoas na maior economia do mundo vivem em áreas do país onde não há oferta de alimentos saudáveis, com graves prejuízos à saúde pública.Não há crise ou pandemia aqui, ou pelo menos não parece haver. Cinco quarteirões adiante, contudo, uma outra Miami se descortina. Aquela que não pode ser vista, que existe à sombra da opulência.

Segundo o estudo, a maioria dos países avaliaram seus alunos em 2020 ou 2021 e o fizeram já com as escolas totalmente ou parcialmente abertas. É o caso da França, Noruega, Rússia, Estônia, Colômbia e Uruguai. Na Colômbia, a média dos alunos foi apenas um ponto menor que a de 2019.

Os resultados na Estônia e na Noruega mostram que não houve mudança na aprendizagem durante a pandemia. Os países ficaram 102 e 34 dias com escolas fechadas, respectivamente. Já na Polônia, que fechou por 171 dias, a performance dos alunos chegou a melhorar em 1% em Matemática em comparação com 2019, mas caiu cerca de 5% em Língua Polonesa e Inglês.

Os países têm testes com vários perfis, há os que avaliam as redes, os que examinam os estudantes individualmente e também aqueles que são usados para certificação ou para evolução em uma etapa de ensino. Na maioria, as provas são obrigatórias. Mas na Alemanha, por exemplo, a avaliação se tornou voluntária no período de pandemia. Também na Estônia, segundo o estudo, os exames finais do ensino secundário deixaram de ser obrigatórios para a aprovação em 2020 e em 2021.

Sind-UTE vai recorrer

  Sind-UTE vai recorrer Sind-UTE vai recorrer

Os franceses realizaram testes em setembro de 2020 e o desempenho dos alunos em Francês foi melhor do que em 2019. Em Matemática, segundo o estudo, os resultados ficaram estáveis, mas houve queda na performance dos alunos de cursos técnicos. A França ficou 48 dias com escolas fechadas durante a pandemia. Na Austrália, as avaliações mostraram que alunos do 5º ano e do 9º ano ficaram atrasados cerca de 3 meses em Leitura e Matemática.

Na semana passada, o Instituto Unibanco e o Insper divulgaram um estudo mostrando que os estudantes do ensino médio do Brasil aprenderam só 25% do que deveriam no ano passado. E que no fim de 2021 podem retroceder ao que sabiam no fim do fundamental.

Seguindo uma lei instituída em 2020, os Estados Unidos estão coletando dados das escolas mês a mês desde março. Os resultados estão online, abertos ao público, e mostram se as unidades estão trabalhando online ou presencial, a frequência dos alunos e até a vacinação dos professores. Os dados mais atuais da ferramenta indicavam que, em abril, 60% das escolas públicas americanas estavam abertas para todos os alunos, o dia todo.

Weffort: ‘Bolsonaro não obedece às regras de um sistema democrático’

  Weffort: ‘Bolsonaro não obedece às regras de um sistema democrático’ Na avaliação do cientista político, é muito difícil um país com o espírito regional forte, como o Brasil, virar uma ditaduraEu creio que sim: instrumental e propagandístico, porque efetivamente ele fala de uma democracia que a gente não vê acontecer. A única medida que mais ou menos assemelha o governo Bolsonaro à essa tradição brasileira é o auxílio emergencial, algo típico da democracia autoritária. Claro que o Estado deve dar o auxílio, mas isso é um gesto democrático que vem de fonte autoritária.

O Brasil não tem qualquer controle nacional da situação atual das escolas, algo que poderia ter sido feito pelo MEC. Atualmente, a maioria das redes de ensino no País ainda não voltou presencialmente. Há resistência dos professores, que exigem a vacinação, e das famílias. Nesta semana, São Paulo anunciou a imunização de professores, de todas as idades, numa tentativa de garantir uma volta efetiva no segundo semestre.

“Não há no mundo um país que tenha tido tantas perdas de aprendizagem como o Brasil”, diz Carolina Campos, responsável pela pesquisa e fundadora da Vozes da Educação. “Nossos desafios são imensos com escolas fechadas por tanto tempo. E ainda nem as abrimos para saber o tamanho do fosso.”

Alguns países latinos, mesmo sem ainda identificar se houve perda ou não de aprendizagem, fizeram adaptações em suas avaliações por causa da pandemia. No Chile, além de Leitura e Matemática, houve exames socioemocionais dos alunos. O Uruguai deu atenção especial aos estudantes mais vulneráveis porque já identificou crescimento na desigualdade por causa das escolas fechadas.

Pisa é adiado para 2022

A maior avaliação de estudantes, o Pisa, foi adiada por causa da pandemia e será realizada apenas em 2022. O exame, feito pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) desde o ano 2000, aconteceria este ano em cerca de 80 países. A prova avalia Leitura, Matemática e Ciências, com foco em uma das três a cada edição bienal.

A prova de 2022 terá ainda uma avaliação de criatividade dos alunos. Foi modificada também a data do Pisa 2024, que passará a ser feito em 2025, e terá uma prova extra de língua estrangeira.

O Brasil vinha melhorando seu desempenho no exame, mas ainda constava das últimas posições no ranking internacional. Em Leitura, estava na edição de 2018 em 57 lugar, de 77 países. Em Matemática e Ciência, em 70 e 66 lugares, respectivamente. Especialistas acreditam que os resultados dos estudantes brasileiros devem piorar por causa da pandemia na próxima prova.

'Nenhum nome do centro tem musculatura sozinho para enfrentar Lula ou Bolsonaro', diz Rodrigo Maia .
Deputado confirmou à BBC News Brasil que se colocou à disposição do petista para dialogar com sua campanha, mas disse que isso não significa apoio no primeiro turno.Em entrevista à BBC News Brasil, Maia defendeu que o processo de diálogo político contra Bolsonaro "inclui o presidente Lula" e contou que se colocou à disposição dele para conversar com a equipe que organizará o plano de governo de sua candidatura. Ressaltou, porém, que isso não significa um apoio ao ex-presidente já no primeiro turno.

usr: 2
Isto é interessante!