Mundo Itália prende 7 por falsificar documentos para terroristas

16:46  11 junho  2021
16:46  11 junho  2021 Fonte:   ansabrasil.com.br

Itália faz cerimônia simbólica de retirada do Afeganistão

  Itália faz cerimônia simbólica de retirada do Afeganistão País está acelerando a saída de seus militares do paísA operação de retirada dos homens e mulheres, eram 800 no início do ano, e dos equipamentos militares começou em maio e está sendo acelerada, devendo ser efetuada até a metade de julho. A ideia é estar em sintonia com os Estados Unidos, que devem concluir a saída até 11 de setembro.

(ANSA) - A Itália prendeu nesta sexta-feira (11) um grupo de sete pessoas na região da Lombardia acusadas de fornecer documentos falsos para terroristas que realizaram ou queriam realizar ataques na Europa.

As detenções foram feitas no âmbito de uma investigação coordenada pela Direção Distrital Antimáfia e Antiterrorismo da Procuradoria de Milão e conduzida pela Divisão de Investigações Gerais e Operações Especiais (Digos) com a Direção Central da Polícia de Prevenção.

Segundo a investigação, os sete eram estrangeiros do "leste europeu" e podem ter sido os responsáveis, por exemplo, de dar documentos falsos para Kutjimi Fejzulai, o homem que em 2 de novembro do ano passado matou quatro pessoas em Viena, na Áustria. Eles ainda investigam a ligação do grupo com os ataques em Paris e Nice nos últimos anos.

O líder do grupo seria Turko Arsimekov, 35 anos, natural da Chechênia, que havia sido preso em Varese em novembro. Ainda não está provado que foi o grupo dele que deu os documentos para Fejzulai, mas os policiais encontraram dados que ligam a organização a, ao menos, outros 15 suspeitos de terrorismo.

Os investigadores acreditam que a ação é uma das mais amplas contra centrais de emissão de documentos falsos na Europa e classificaram como "impressionante" a quantidade de falsificações encontradas com os suspeitos. (ANSA).

A marcha rumo ao golpe .
A crise institucional mudou de patamar. Depois de conseguir a capitulação do Exército no episódio Eduardo Pazuello e mostrar que tem o apoio em bolsões das PMs, Bolsonaro dobra a aposta e prepara novas motociatas como demonstração de força. Mais grave, ele avança em sua estratégia de ameaçar as eleições de 2022. Suas acusações infundadas de fraude e a exigência de voto impresso fazem parte de um movimento calculado para difundir mentiras,Ainda não estão claros os motivos que levaram os 15 generais do Alto Comando do Exército a referendarem essa insubordinação.

usr: 2
Isto é interessante!