Mundo Dois norte-americanos admitem ter ajudado Ghosn a fugir do Japão

18:36  14 junho  2021
18:36  14 junho  2021 Fonte:   istoe.com.br

Wilmington, 1898: quando supremacistas brancos derrubaram governo nos EUA

  Wilmington, 1898: quando supremacistas brancos derrubaram governo nos EUA Uma multidão enfurecida invadiu a cidade, na Carolina do Norte, matou moradores negros e forçou os líderes eleitos localmente a renunciar.Após as eleições estaduais em 1898, supremacistas brancos se dirigiram ao porto de Wilmington, na Carolina do Norte, a maior cidade do Estado na época.

TÓQUIO, 14 JUN (ANSA) – Os norte-americanos Michael Taylor, 60 anos, e Peter Taylor, 28, se declararam culpados por ajudarem na fuga do executivo Carlos Ghosn do Japão para o Líbano em dezembro de 2019. A afirmação foi dada por ambos no primeiro dia de audiências sobre o caso em Tóquio nesta segunda-feira (14).

Segundo a acusação, pai e filho fizeram o transporte do ex-CEO da Renault-Nissan da casa dele em Tóquio para um hotel da capital japonesa. De lá, foram para a cidade de Osaka e esconderam Ghosn em uma caixa para instrumentos musicais que foi embarcada em um jato privado para a Turquia.

Por conta da fuga, a lei japonesa até mudou e, agora, todas as caixas embarcadas em voos privados são passíveis de verificação no aeroporto.

Por que líder da Coreia do Norte Kim Jong-un lançou 'guerra' contra gírias e calças jeans

  Por que líder da Coreia do Norte Kim Jong-un lançou 'guerra' contra gírias e calças jeans A candidata de direita Keiko Fujimori largou na frente na corrida presidencial no início desta segunda-feira, mas seu rival socialista Pedro Castillo reduziu a diferença na eleição mais polarizada em décadas no Peru.

Do território turco, Ghosn foi para o Líbano, pois tem cidadania local e o país não tem acordo de extradição de cidadãos com os japoneses. À época, o executivo estava em liberdade condicional e não poderia ter deixado o Japão.

Os Taylors foram presos no ano passado nos Estados Unidos por autoridades locais com base em um mandado internacional e foram extraditados para Tóquio, em fevereiro deste ano, após decisão da Suprema Corte dos EUA. Um mês depois, foram indiciados formalmente no Japão. Se condenados, podem pegar até três anos de prisão.

Ghosn foi preso em novembro de 2018 sob a acusação de vários crimes financeiros e fiscais enquanto era CEO da montadora. No atual julgamento, a empresa exige o pagamento de US$ 95 milhões como parte da recuperação de “parte significativa” dos impactos provocados pela “conduta inapropriada e atividades fraudulentas” do executivo à frente da Renault-Nissan.

O brasileiro sempre negou as acusações e diz ser “vítima” de um esquema mentiroso. (ANSA).

Gil revela 'receita' para completar 300 jogos pelo Corinthians: 'Conhecer e cuidar do corpo' .
Zagueiro, que está em sua segunda passagem pelo Timão, atingirá 300 partidas pelo clube neste domingo e comentou a importância dos treinos completares para essa marcaTABELA

usr: 2
Isto é interessante!