Mundo Manifestantes se reúnem contra Bolsonaro em atos previstos para centenas de cidades; acompanhe

19:00  19 junho  2021
19:00  19 junho  2021 Fonte:   estadao.com.br

'Nenhum nome do centro tem musculatura sozinho para enfrentar Lula ou Bolsonaro', diz Rodrigo Maia

  'Nenhum nome do centro tem musculatura sozinho para enfrentar Lula ou Bolsonaro', diz Rodrigo Maia Deputado confirmou à BBC News Brasil que se colocou à disposição do petista para dialogar com sua campanha, mas disse que isso não significa apoio no primeiro turno.Em entrevista à BBC News Brasil, Maia defendeu que o processo de diálogo político contra Bolsonaro "inclui o presidente Lula" e contou que se colocou à disposição dele para conversar com a equipe que organizará o plano de governo de sua candidatura. Ressaltou, porém, que isso não significa um apoio ao ex-presidente já no primeiro turno.

Grupos de oposição ao presidente Jair Bolsonaro voltam às ruas neste sábado, 19, em manifestações críticas ao governo federal. Organizados por movimentos sociais, centrais sindicais e partidos políticos de oposição, os atos pedem o impeachment do chefe do Executivo, a retomada do auxílio emergencial e a vacinação em massa da população contra o coronavírus. Os organizadores esperam 1 milhão de participantes em mais de 400 cidades no Brasil e no exterior.

Manifestações contra Bolsonaro ganham caráter partidário

  Manifestações contra Bolsonaro ganham caráter partidário Movimento ficou explícito após PT aderir aos atos e possibilidade de Lula estar presente; PSOL e PCdoB manifestam apoioEm publicação nas redes sociais, Lula cogitou ir ao protesto. “Eu ainda não sei se vou na manifestação. Tenho uma preocupação. Não quero transformar um ato político em um ato eleitoral. Não quero os meios de comunicação explorando isso como o Lula se apropriando de uma manifestação convocada pela sociedade brasileira”, escreveu o ex-presidente.

Manifestantes já se concentram no Rio, em Brasília e em São Luís (MA). Segundo registros divulgados pelos organizadores, há protestos também em Goiânia, Belém, Teresina e João Pessoa e Recife, entre outras cidades no Brasil e no exterior.

Manifestantes protestam contra Bolsonaro pelo Brasil; veja fotos e vídeos

  Manifestantes protestam contra Bolsonaro pelo Brasil; veja fotos e vídeos Atos já começaram em tais e tais cidades com registros de aglomeraçõesOs manifestantes cobram a aceleração da vacinação, a proteção dos povos indígenas, o combate ao racismo, defenderam o auxílio emergencial e pedem a valorização da saúde e educação no país.

No último dia 29 de maio, milhares de pessoas protestaram contra o presidente em mais de 200 cidades. Apesar de maior atenção às recomendações de segurança, como o uso de máscaras durante todo o percurso, foram registradas aglomerações. Os protestos ocorreram de maneira pacífica, exceto no Recife, onde a repressão policial resultou em duas pessoas cegas parcialmente e outros feridos. O presidente Bolsonaro minimizou tais atos, chegando a afirmar que faltou “erva e dinheiro” para os presentes.

Dentre os organizadores dos atos deste sábado estão partidos como o PT, PSOL e PCdoB, e centrais sindicais e movimentos sociais como CUT, frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, Coalizão Negra Por Direitos, União Nacional de Estudantes (UNE), Campanha Nacional Fora Bolsonaro e Movimento Acredito. As manifestações ganharam caráter mais partidário com a adesão do PT; a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, porém, não está confirmada. A convocação, no entanto, dividiu lideranças da oposição, principalmente por acontecerem no momento em que o País vive uma escalada no número de casos de covid-19.

Políticos de oposição destacam protestos contra Bolsonaro nas redes sociais

  Políticos de oposição destacam protestos contra Bolsonaro nas redes sociais Alguns políticos estiveram no protesto presencialmente, outros acompanharam virtualmente . © Getty Images Alguns políticos estiveram no protesto presencialmente, ou Ao contrário dos atos pró-governo, os manifestantes usam máscaras e distribuem álcool em gel. Há pontos de distanciamento social, mas também de aglomeração.O senador Humberto Costa (PT-PE) registrou as manifestações em suas redes sociais. No entanto, como integrante da CPI da Covid, o senador decidiu não comparecer presencialmente nos atos.

Acompanhe, a seguir, alguns dos atos contra Bolsonaro no Brasil e no exterior.

Brasília

Com fortes críticas à condução do combate à pandemia e cobrança por mais vacinas, manifestantes ocupam, nesta manhã de sábado, o gramado central da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, para protestar contra o governo de Jair Bolsonaro. Com o Congresso isolado pela policiamento, os manifestantes organizaram uma caminhada pela Esplanada até se posicionarem diante de um carro de som, estacionado no local mais próximo possível do Parlamento, que funciona como uma espécie de palanque improvisado para os discursos.

Com muitas faixas pedindo a saída do presidente e cobrando reforço nos auxílios sociais, a manifestação teve forte presença de militantes de partidos de oposição, especialmente PT e PSOL. “Derrotar Bolsonaro não é uma tarefa para amanhã, derrotar Bolsonaro é uma tarefa para hoje”, afirmou o deputado distrital Fábio Félix, do PSOL.

Protestos contra Bolsonaro em todos os Estados reúnem milhares

  Protestos contra Bolsonaro em todos os Estados reúnem milhares Entre as principais demandas dos manifestantes estavam o impeachment do presidente, a aceleração da vacinação contra a covid-19 e a proteção ambiental. Os atos ocorreram no mesmo dia em que o Brasil alcançou 500 mil mortes na pandemia. Organizadores pediram aos manifestantes que usassem máscaras e mantivessem distância uns dos outros. De todas as capitais, só não houve protestos em Florianópolis, atingida por chuvas fortes neste sábado. São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília estão entre as cidades que registraram maior público.

A organização do protesto distribuiu máscaras e álcool gel para os participantes da manifestação. Embora tenha havido uma tentativa de reduzir a aglomeração com uma espécie de distribuição de setores separados por faixas de protestos, boa parte dos presentes acabou se reunindo em frente ao carro de som do evento.

Rio de Janeiro

A concentração do ato no Rio de Janeiro começou por volta das 10h no Monumento Zumbi dos Palmares, na Avenida Presidente Vargas, principal via da região central da cidade. A pista central da avenida foi parcialmente interditada para a caminhada dos manifestantes em direção à igreja da Candelária. Guardas municipais e policiais militares acompanham o protesto e orientam o trânsito na região.

Manifestantes se concentram para ato contra Bolsonaro na região central do Rio de Janeiro na manhã deste sábado, 19. © Wilton Júnior/Estadão - 19/06/2021 Manifestantes se concentram para ato contra Bolsonaro na região central do Rio de Janeiro na manhã deste sábado, 19.

Os manifestantes carregam bandeiras e cartazes pedindo o impeachment de Bolsonaro. Uma faixa culpa o presidente pelas 500 mil mortes da pandemia no Brasil, marca que pode ser atingida ainda hoje. Outros manifestantes exibem cartazes demandando a vacinação em massa da população, além de reivindicarem mais educação e saúde. Há ainda bandeiras de partidos como PT, PCdoB, PSTU, PSOL.

Ruas se movem contra Bolsonaro com revolta reforçada por marca de meio milhão de mortos para a covid-19

  Ruas se movem contra Bolsonaro com revolta reforçada por marca de meio milhão de mortos para a covid-19 Sob grito de “Fora Bolsonaro”, milhares foram protestar contra a pandemia, o luto por seus entes perdidos na pandemia e a violência contra a população negra. “Ainda que não derrube Bolsonaro agora, é importante aumentar a força para derrotá-lo no ano que vem”Apoie nosso jornalismo.

Os organizadores estão distribuindo máscaras para os participantes do ato. A grande maioria usa máscara. Diferentemente da manifestação de 29 de maio, o ato não vai percorrer ruas estreitas pelo Centro do Rio, para evitar aglomerações.

São Luís

Em maior número que no protesto de 29 de maio, manifestantes se reuniram na região central de São Luís na manhã deste sábado, em protesto ao presidente da República. Com faixas e cartazes com frase “Fora Bolsonaro, presidente genocida”, manifestantes pediram a renúncia de Bolsonaro e teceram críticas ao seu governo, pedindo celeridade nas medidas de prevenção contra a covid-19.

“O País está passando por um momento difícil e o desemprego aumentando. Somos contra as reformas que esse governo está implantando no Brasil e a favor de uma política mais séria em relação à vacinação contra a covid-19. E, hoje, estamos nas ruas também para reinvindicar ao presidente que retorne com o auxílio emergencial de R$ 600”, afirmou o servidor federal Raimundo Pereira.

Entidades e partidos políticos como UNE, UBES, CUT, UJS, CTB, PSTU, PCO, PSOL, PT e SINPROESEMMA também participaram do ato, que teve fim na praça Maria Aragão.

No exterior

Assim como no último dia 29, protestos contra o presidente também foram registrados no exterior. Em Berlim, na Alemanha, dezenas de manifestantes já se reuniram. Segundo informou a agência de notícias Deutsche Welle em sua conta brasileira no Twitter, eles pediram mais vacinas e o impeachment de Bolsonaro, além de denunciarem a violência contra os povos indígenas.

A teia bolsonarista nos porões da internet

  A teia bolsonarista nos porões da internet Ministério Público do Tribunal de Contas da União pede ao Supremo compartilhamento do inquérito que levanta a engrenagem nas redes para financiar os atos antidemocráticos. Tentáculos passam pelos endereços da primeira-dama e assessores dos filhos do presidente BolsonaroNa manhã do dia 3 daquele mês, um domingo ensolarado, o presidente Jair Bolsonaro devotou-se a apoiar manifestantes em frente ao Palácio do Planalto. Não usava máscara, tampouco seguia a orientação de autoridades médicas e científicas para evitar ―ou ajudar a formar― aglomeração. Diante de fiéis seguidores, disse que havia chegado ao seu limite, e que pedia a Deus para não ter problemas.

Durante o ato em Berlim, cruzes no chão lembraram os quase 500 mil mortos pela covid-19 no Brasil e as vítimas do massacre do Jacarezinho, no Rio de Janeiro. Além da cidade alemã, também já foram registrados atos em Londres, Dublin, Viena e Zurique. /COM AMANDA PUPO, JULIA AFFONSO, LUCI RIBEIRO E MARCELO DE MORAES, DE BRASÍLIA; BRUNO VILLAS BÔAS, DO RIO; E DAVI MAX, ESPECIAL PARA O ESTADÃO, DE SÃO LUÍS

Manifestações contra Bolsonaro são antecipadas para 3 de julho .
Será a primeira manifestação significativa após suspeitas de irregularidades na compra da vacina indiana CovaxinNas redes sociais, pessoas contrárias ao governo compartilham cartazes sobre o ato com frases que pedem o impeachment do presidente, como “Bolsonaro vai cair” e “Dia 3 é rua para tirar Bolsonaro”.

usr: 2
Isto é interessante!