Mundo Segundo Carlos Gustavo Poggio, sanções à Cuba miram eleitorado em território americano

04:26  24 julho  2021
04:26  24 julho  2021 Fonte:   tvcultura.com.br

Comissária da ONU pede libertação de manifestantes em Cuba

  Comissária da ONU pede libertação de manifestantes em Cuba Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, expressou preocupação com relatos de uso excessivo de força pelo regime e denúncias envolvendo presos que seguem com paradeiro desconhecido. © Martial Trezzini/KEYSTONE/dpa/picture alliance Bachelet disse que regime A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu nesta sexta-feira (16/07) a libertação urgente de todos os manifestantes e jornalistas presos durante os protestos contra o governo em Cuba. Ela também expressou preocupação com denúncias de uso excessivo da força por parte dos agentes de segurança.

Ouça a entrevista com Carlos Gustavo Poggio!

Carlos Gustavo Poggio © Foto: Divulgação Carlos Gustavo Poggio

O governo dos Estados Unidos impôs sanções a um oficial de segurança cubano e a uma brigada do Ministério do Interior de Cuba depois da repressão aos protestos antigovernamentais no início deste mês.

Em entrevista ao De Volta 'Pra' Casa, o doutor em Relações Internacionais Carlos Gustavo Poggio, professor da FAAP, afirmou que a medida é apenas simbólica, ou seja, sem muito efeito prático.

"As questões que envolvem Cuba nos EUA são mais questões de política doméstica do que política externa", disse o especialista. Poggio explicou que há um número considerável de eleitores cubanos no país, especialmente no estado da Flórida, que é crítico ao governo de Cuba.

O De Volta 'Pra' Casa, com apresentação de Alexandre Machado e Gilson Monteiro, vai ao ar pela Rádio Cultura FM (103.3 MHz), de segunda a sexta-feira, às 18h, também na Cultura Brasil (AM 1200 kHz ou FM 77,9 MHz) e no aplicativo Cultura Digital.

Biden volta a sancionar Cuba e promete novas medidas se não houver mudanças drásticas .
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, voltou a sancionar Cuba nesta sexta-feira (30), apontando à Polícia Nacional Revolucionária (PNR) e seus mais altos funcionários, e prometendo novas medidas a menos que haja "mudanças drásticas" na ilha comunista. "Haverá mais a menos que haja alguma mudança drástica em Cuba, que não antecipo", disse, ao se reunir na Casa Branca com líderes cubano-americanos após os protestos históricos recentes em dezenas de cidades cubanas.

usr: 3
Isto é interessante!