Mundo Ações de frigoríficos sobem, mesmo com exportações suspensas pela 'vaca louca'

20:11  06 setembro  2021
20:11  06 setembro  2021 Fonte:   estadao.com.br

Caos logístico abala exportação de carne do Paraguai e Uruguai

  Caos logístico abala exportação de carne do Paraguai e Uruguai Interrupções no transporte marítimo global e rios atingidos pela seca ameaçam reduzir as exportações de carne bovina do Uruguai e do Paraguai, em um momento em que a alta de preços dos alimentos aumenta a inflação em todo o mundo. No Paraguai, que não tem saída para o mar, os abates nos frigoríficos devem diminuir de 20% a 25% este mês devido à falta de contêineres, à elevação dos fretes e às incertezas em relação aos prazos de transporte, afirmou Korni Pauls, vice-presidente da Câmara Paraguaia de Carnes.“Isso vai continuar pelo menos até setembro e outubro”, disse Pauls em entrevista por telefone.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

As ações de frigoríficos operam em alta nesta segunda-feira, 6, mesmo após o Ministério da Agricultura anunciar, no sábado, a suspensão temporária das exportações de carne bovina do Brasil para a China. A interrupção das vendas foi decidida após serem identificados dois casos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) Atípica, conhecida como "mal da vaca louca", em Mato Grosso e Minas Gerais.

O avanço dos papéis ocorre porque as empresas têm reafirmado que seguirão atendendo à demanda. O frigorífico Minerva, por exemplo, informou que continuará atendendo a China por meio de quatro plantas de abate localizadas no Uruguai e Argentina, sem comprometer a participação de mercado e relacionamento com clientes. Além disso, a empresa acrescenta que realiza exportações para a China por meio das unidades de Barretos (SP), Palmeiras de Goiás (GO) e Rolim de Moura (RO).

Governo confirma 2 casos atípicos de vaca louca e suspende exportações para a China

  Governo confirma 2 casos atípicos de vaca louca e suspende exportações para a China SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério da Agricultura confirmou dois casos atípicos da doença conhecida como vaca louca em frigoríficos de Nova Canaã do Norte (MT) e Belo Horizonte (MG). Com isso, as exportações de carne bovina para a China ficam suspensas temporariamente. Os registros representam o quarto e o quinto caso de EBB (Encefalopatia Espongiforme Bovina, nome técnico do mal) atípicos em mais de 23 anos de vigilância sanitária para a doença, de acordo com a Secretaria de Defesa Agropecuária da pasta em nota divulgada neste sábado (4). O Brasil nunca registrou a ocorrência de EBB clássica.

Já o frigorífico Marfrig informou que possui, na América do Sul, treze plantas habilitadas para a China, sendo sete no Brasil, quatro no Uruguai e duas na Argentina. No acumulado dos primeiros seis meses do ano, as exportações brasileiras da Marfrig para o mercado chinês representaram 5,6% da receita líquida consolidada. Nesta manhã, as ações do Minerva subiam 2,31%, Marfrig ON ganhava 1,27% e JBS ON - que conta com unidade nos Estados Unidos - tinha alta de 1,86%.

Ministério da Agricultura diz que dois casos do mal da vaca louca são atípicos © Leonardo Soares/Estadão Ministério da Agricultura diz que dois casos do mal da vaca louca são atípicos

Em comunicado, o Marfrig afirmou que, em virtude de os dois casos de EEB identificados em animais em Minas Gerais e Mato Grosso serem considerados atípicos, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) "deveria manter inalterado o status do Brasil", de risco insignificante, "encerrando o episódio". "O tratamento que vem sendo dado ao caso comprova a eficiência e a transparência dos mecanismos brasileiros de rastreabilidade e de controle sanitário", afirmou a companhia no documento.

Agricultura confirma dois casos de vaca louca e suspende exportação de carne bovina à China

  Agricultura confirma dois casos de vaca louca e suspende exportação de carne bovina à China Ministério da Agricultura afirma que os dois casos investigados são atípicosO Ministério da Agricultura confirmou nesta sábado, 4, a existência de dois casos atípicos do “mal da vaca louca”, como é conhecida Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), em frigoríficos de Nova Canaã do Norte, no Mato Grosso, e de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Além das notificações protocolares, o governo decidiu pela suspensão das exportações de carne bovina a partir deste sábado para a China, seguindo o compromisso do protocolo sanitário firmado entre os dois países.

No sábado, após o ministério anunciar a suspensão das exportações, Lygia Pimentel, diretora da consultoria Agrifatto, avaliou que a situação deveria se normalizar em 10 a 20 dias.

A especialista explicou que, por protocolo, quando casos da doença são identificados em território brasileiro, as autoridades competentes precisam comprovar laboratorialmente a origem da doença. "No primeiro momento, isso ocorre em laboratórios domésticos, mas depois é necessária uma contraprova em um laboratório internacional autorizado pelo comprador, neste caso, a China", afirmou.

A interrupção dos embarques ocorreu de maneira voluntária pelo Brasil, até que os resultados sejam analisados e todas as questões sejam esclarecidas, comenta Pimentel. Como os casos do mal da "vaca louca" foram reportados pelo Ministério da Agricultura como atípicos, ou seja, quando o problema foi sido desenvolvido dentro do próprio organismo do animal, sem risco de contaminação, o restabelecimento das exportações é uma questão de tempo, disse.

"Quando sair o resultado de todos os testes, o Brasil deve escrever um ofício e enviar para os chineses entenderem o que aconteceu e, na sequência, com as explicações aprovadas, o mercado volta a ser liberado", disse a especialista da Agrifatto.

Ela acrescentou que os negócios devem se normalizar de forma rápida, uma vez que a China ainda tem uma alta necessidade de importar carne brasileira em meio ao aumento dos relatos de casos de peste suína africana no país. Soma-se a isso, o gargalo deixado no mercado internacional pela restrição das exportações de carne argentina, outro importante fornecedor de proteína animal para os chineses.

Arábia Saudita suspende compra de carne brasileira depois de “vaca louca” .
País cancelou a compra de carne de 5 frigoríficos em Minas Gerais, onde 1 caso da doença foi identificadoEm nota divulgada nesta 3ª feira (14.set.2021), o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) informa que “a suspensão foi publicada pela Arábia Saudita” e confirma que “o motivo está relacionado à EEB [Encefalopatia Espongiforme Bovina]”.

usr: 2
Isto é interessante!