Mundo Quando a China dominará o mundo? Talvez nunca

05:20  14 setembro  2021
05:20  14 setembro  2021 Fonte:   bloomberg.com

China promete alcançar a neutralidade de carbono até 2060, mas relança indústria do carvão

  China promete alcançar a neutralidade de carbono até 2060, mas relança indústria do carvão Desde a Conferência do Clima de Paris, em 2015, a China tenta se livrar da imagem do principal país poluidor do mundo. O governo chinês chegou a estabelecer o objetivo de alcançar a neutralidade de carbono até 2060. Mas mesmo diante do alarmante relatório da ONU sobre o clima, divulgado nesta segunda-feira (9), Pequim continuará a retomada das atividades em suas minas de carvão. Zhifan Liu, correspondente da RFI em Pequim, com agências Em toda aZhifan Liu, correspondente da RFI em Pequim, com agências

(Bloomberg) -- Quando a China ultrapassará os Estados Unidos para se tornar a maior economia do mundo?

Poucas perguntas têm mais implicações, seja para executivos que se perguntam de onde virão os lucros no longo prazo, para investidores que avaliam o status do dólar como moeda de reserva global ou para generais que planejam estratégias para confrontos geopolíticos.

Em Pequim, onde acabam de celebrar o 100º aniversário do Partido Comunista Chinês, líderes fazem o possível para apresentar a entrega do bastão como iminente e inevitável. “A nação chinesa”, disse o presidente Xi Jinping na semana passada, “está marchando para um grande rejuvenescimento em um ritmo imparável.”

Jogadores icônicos que representaram países nos quais não nasceram

  Jogadores icônicos que representaram países nos quais não nasceram Desde que o futebol foi inventado, e muito mais evidente ao longo do século 20 até hoje, centenas de milhares de jogadores profissionais vieram ao mundo de um canto dele, e mais tarde escolheram representar uma nação diferente, seja por amor, princípios familiares, conflitos políticos, ou simplesmente por razões esportivas. Por isso, a FIFA tomou partido neste assunto, e em setembro de 2020, com base em dois casos relacionados à seleção espanhola (Bojan Krkic e Munir El Haddadi), decidiu permitir que qualquer jogador pudesse vestir as cores de dois países diferentes.

No início da crise de Covid-19, quando a China conseguiu controlar os casos e manter o crescimento mesmo enquanto os EUA registravam centenas de milhares de mortes e uma grave recessão, muitos estavam inclinados a concordar com o presidente chinês. Mais recentemente, a recuperação inesperadamente rápida dos EUA ilustrou o tamanho da incerteza em torno do momento da transição, e até mesmo se vai acontecer.

China Celebrates 100 Years of the Chinese Communist Party © Fotógrafo: Qilai Shen / Bloomberg China Celebrates 100 Years of the Chinese Communist Party

O discurso de Xi Jinping em cerimônia para o centenário do Partido Comunista Chinês, transmitido ao vivo em Xangai, 1º de julho

Fonte: Qilai Shen / Bloomberg

Se Xi concretizar as reformas para impulsionar o crescimento, e se o presidente dos EUA, Joe Biden, não conseguir levar adiante suas propostas para renovar a infraestrutura e expandir a força de trabalho, as previsões da Bloomberg Economics sugerem que a China pode assumir o primeiro lugar - ocupado pelos EUA há mais de um século - já em 2031.

China tem o segundo maior número de bilionários do mundo e enfrenta geração cansada do excesso de trabalho

  China tem o segundo maior número de bilionários do mundo e enfrenta geração cansada do excesso de trabalho Enquanto o mundo todo tropicava por conta da pandemia de covid-19, a economia chinesa seguia a todo o vapor depois de controlar o vírus no começo de 2020. Entre 2010 e 2021, o PIB da China quase triplicou e, com isso, o país alcançou números absurdos em todos os parâmetros: detém o maior parque industrial do planeta, domina as exportações do mundo e é a maior parceira comercia de boa parte dos países do terceiro mundo. – Desigualdade bate recorde no Brasil, aponta novo estudo da FGV Entretanto, um dos dados da economia liderada por Pequim parece incongruente com o socialismo: é no país que se concentra o segundo maior número de bilionários do planeta. São 626.

Mas esse resultado está longe de ser garantido. A agenda de reformas da China já está definhando, tarifas e outras restrições ao comércio prejudicam o acesso aos mercados globais e às tecnologias avançadas, e o estímulo da Covid elevou a dívida a níveis recordes.

O cenário de pesadelo para Xi é que a China possa seguir a mesma trajetória do Japão, também apontado como um potencial rival dos EUA antes do colapso da economia há três décadas. Uma combinação de fracasso das reformas, isolamento internacional e crise financeira poderia frear a China antes que chegue ao topo.

Outra possibilidade, atraente para os céticos: se os dados oficiais do PIB da China forem exagerados, a diferença entre a primeira e a segunda maior economia do mundo pode ser maior do que parece e diminuir a um ritmo mais lento.

China as Number 1? © Bloomberg China as Number 1?

No longo prazo, três fatores determinam a taxa de crescimento de uma economia. O primeiro é o tamanho da força de trabalho. O segundo é o estoque de capital - tudo, como fábricas, infraestrutura de transporte e redes de comunicação. Finalmente, há a produtividade ou a eficácia com que os dois primeiros podem ser combinados.

'Não abandonei meus filhos': o mistério de crianças 'desaparecidas' na China

  'Não abandonei meus filhos': o mistério de crianças 'desaparecidas' na China Nos últimos dois anos, BBC investigou paradeiro de dezenas de crianças na província de Xinjiang, cujos pais dizem que foram enviadas para internatos do governo na China.A primeira vez que a China fez uma promessa pública de ajudar a encontrar os filhos de Kalbinur Tursan foi em 2019.

Em cada uma dessas áreas, a China enfrenta um futuro incerto.

No caso da força de trabalho, a matemática é simples: mais trabalhadores resultam em mais crescimento. Esse é o primeiro desafio da China. Com a baixa taxa de natalidade - o legado da política de filho único -, a população em idade ativa da China já atingiu o pico. Se a natalidade continuar baixa, a taxa encolherá em mais de 260 milhões nas próximas três décadas, uma queda de 28%.

Ciente dos riscos, a China mudou a política. Os controles de natalidade foram relaxados. Em 2016, o limite foi elevado para dois filhos. Este ano, o governo anunciou que três seriam permitidos. Enquanto isso, os planos para aumentar a idade de aposentadoria podem manter os trabalhadores mais velhos no emprego por mais tempo.

Fewer Hands Make Heavier Work © Bloomberg Fewer Hands Make Heavier Work

Mesmo se as reformas forem bem-sucedidas, será difícil para a China compensar o impacto do obstáculo demográfico. E as reformas podem não se concretizar. As regras não são o único fator que impede as famílias de terem mais filhos: há também o alto custo de despesas como moradia e educação. “Não comprei três Rolls Royce porque o governo não permitiu”, escreveu um internauta em resposta à notícia dos três filhos.

Centenário, Partido Comunista controla o Estado e o poder na China

  Centenário, Partido Comunista controla o Estado e o poder na China Centenário, Partido Comunista controla o Estado e o poder na ChinaO atual chefe do país é um retrato de como funciona o modelo político chinês —começou a carreira como um dirigente local da sigla e aos poucos foi galgando espaço na hierarquia interna do PC Chinês e dentro do Estado, até chegar ao topo, em 2012.

A perspectiva sobre gastos de capital não é tão sombria: ninguém espera que o número de ferrovias, robôs de fábrica ou torres 5G diminua. Mas depois de anos de crescimento vertiginoso dos investimentos, há muitos sinais de que agora trazem retornos decrescentes. Excesso de capacidade da indústria, cidades fantasmas com prédios vazios e rodovias de seis pistas serpenteando terras agrícolas escassamente povoadas ilustram o problema.

Também há dúvidas generalizadas sobre a confiabilidade dos números oficiais de crescimento econômico da China. Os próprios líderes do país reconheceram o problema. Os dados do PIB são “feitos por humanos”, disse o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, quando era líder da província de Liaoning. Para uma leitura mais confiável, ele preferia olhar fatores como geração de eletricidade, frete ferroviário e empréstimos bancários.

Estudo realizado por economistas da Universidade Chinesa de Hong Kong e da Universidade de Chicago sugeriu que entre 2010 e 2016, o “verdadeiro” crescimento do PIB da China foi cerca 1,8 ponto percentual abaixo do sugerido pelos dados oficiais. Se a China já está de fato em um caminho de crescimento mais lento, ultrapassar os EUA se torna mais difícil.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2021 Bloomberg L.P.

O que muda com a promessa da China sobre centrais elétricas de carvão? .
Uma revolução climática? A China anunciou que não financiará mais usinas termelétricas a carvão no exterior: mas esse avanço, considerado bem-vindo pelos ambientalistas, não resolve todos os problemas. Principal emissor mundial de gases de efeito estufa, a China não definiu datas para implementar esta medida, nem especificou o que vai acontecer com os projetos em desenvolvimento. Isso é o que se sabe por enquanto: - O que a China prometeu? EmPrincipal emissor mundial de gases de efeito estufa, a China não definiu datas para implementar esta medida, nem especificou o que vai acontecer com os projetos em desenvolvimento.

usr: 1
Isto é interessante!