Mundo Membro da delegação do Brasil na ONU testa positivo para Covid

00:55  21 setembro  2021
00:55  21 setembro  2021 Fonte:   bloomberg.com

CPB anuncia maior delegação para Jogos Paralímpicos fora do país

  CPB anuncia maior delegação para Jogos Paralímpicos fora do país A delegação brasileira será composta por 253 atletas. Incluindo atletas sem deficiência, além de comissão técnica, médica e administrativa, totalizando 422 pessoas . Jamais uma missão brasileira no exterior teve tamanha proporção. Na última edição fora do Brasil, em Londres-2012, o Brasil compareceu com 178 atletas, até então a maior. O número para a capital japonesa só é superado pela participação nos Jogos Rio-2016, já que o Brasil garantiu vagas em todas as modalidades por ser país sede e contou 286 atletas no total.

(Bloomberg) -- Um integrante da deleção do presidente Jair Bolsonaro nas Nações Unidas foi colocado em isolamento após testar positivo para Covid-19 em Nova York, aumentando as preocupações de que a assembleia geral desta semana possa desencadear um aumento nos casos na cidade-sede.

Most Read from Bloomberg

  • The Global Housing Market Is Broken, and It’s Dividing Entire Countries
  • Merkel’s Legacy Comes to Life on Berlin’s ‘Arab Street’
  • Is There Room for E-Scooters in New York City?
  • Amazon, Microsoft Swoop In on $24 Billion India Farm-Data Trove
  • Palm Oil Giant’s Industry-Beating ESG Score Hides Razed Forests

O diplomata, integrante da missão que antecedeu a chegada de Bolsonaro, havia testado negativo antes de deixar o Brasil, segundo uma pessoa a par da situação no Itamaraty. A pessoa, que pediu anonimato e não está autorizada a discutir o assunto em público, disse que o diplomata não teve contato com o presidente.

ONU deve decidir amanhã se exigirá vacinação para Assembleia-Geral, o que poderia barrar Bolsonaro

  ONU deve decidir amanhã se exigirá vacinação para Assembleia-Geral, o que poderia barrar Bolsonaro Tradicionalmente, presidente brasileiro é o primeiro a discursar entre os líderes de Estado no mais importante evento multilateral do ano. Bolsonaro, no entanto, afirma não estar vacinado, o que pode ser impeditivoCaso decidam pela obrigatoriedade da imunização, isso poderia barrar a participação do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que oficialmente não está vacinado. Tradicionalmente, o chefe de Estado brasileiro faz o primeiro discurso entre os líderes no evento, marcado para o próximo dia 21.

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil agora está rastreando dezenas de pessoas com quem a pessoa manteve contato em Nova York, segundo a mídia local, citando fontes diplomáticas não identificadas. O próprio Bolsonaro se recusou a receber a vacina contra a Covid, dizendo que ainda tem anticorpos da infecção do ano passado.

Bolsonaro é o único líder das principais economias do G20 que participa da assembleia da ONU e não foi vacinado. O Planalto e o Ministério das Relações Exteriores não responderam aos pedidos de comentários.

A possibilidade de que diplomatas estrangeiros em visita a Nova York nesta semana cheguem infectados tornou-se uma fonte de atrito entre as autoridades de Nova York e a ONU.

Penny Abeywardena, comissária de Assuntos Internacionais da cidade, escreveu uma carta ao presidente da Assembleia Geral observando que, de acordo com as regras de Nova York, a prova de vacinação deve ser exigida para entrar na sede da ONU.

Mianmar e Afeganistão sem voz na Assembleia Geral da ONU

  Mianmar e Afeganistão sem voz na Assembleia Geral da ONU Nem Mianmar nem o Afeganistão vão subir à tribuna de palestrantes da Assembleia Geral das Nações, que nesta segunda-feira (27) conclui seus trabalhos em uma sessão que atraiu uma centena de líderes mundiais e dezenas de ministros a Nova York, apesar do risco de covid-19. No programa inicial da ONU, o debate geral seria concluído com Mianmar, Guiné e Afeganistão. O embaixador do Afeganistão Ghulam Isaczai, nomeado pelo Executivo do presidente deposto Ashraf Ghani, retirou-se no último minuto da lista de oradores. O pedido do novo governo talibã para que seu embaixador falasse na tribuna chegou tarde demais.

Mas o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse à Bloomberg em entrevista que será usado um sistema de honra, pelo qual diplomatas que entrarem no prédio estarão atestando terem sido vacinados.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, expressou sua preocupação durante uma entrevista coletiva na segunda-feira.

“Precisamos enviar uma mensagem a todos os líderes mundiais, incluindo mais notadamente Bolsonaro do Brasil, que se você pretende vir para cá, precisa ser vacinado”, disse ele aos jornalistas. “Se você não quer ser vacinado, não se preocupe em vir, porque todos devem estar seguros juntos.”

Bolsonaro, que deve ser o primeiro chefe de estado a se dirigir à assembleia na terça-feira, contornou os regulamentos de Nova York que exigem prova de vacinação para entrar em espaços fechados. Na noite de domingo, ele foi fotografado com sua comitiva comendo uma fatia de pizza na calçada de um restaurante em Manhattan.

Brasil vai a Tóquio com 301 atletas e já tem 75% da delegação vacinada

  Brasil vai a Tóquio com 301 atletas e já tem 75% da delegação vacinada No Japão, o Brasil terá delegação recorde em Jogos Olímpicos fora do país, sendo 301 atletas, em 35 modalidades. 271 foram vacinados com primeira dose e 226 com a segunda dose, ou seja 75% da nossa delegação está vacinada. Isso nos traz bastante segurança. Além de todo material de proteção, o COB trouxe 6 mil testes de antígeno para o Japão. Estamos usando esses testes em pessoas que chegam próximo à nossa delegação, como nossos motoristas e equipe de alimentação, por exemplo - disse a Dra Ana Carolina Corte, coordenadora de serviços médicos do COB.

Most Read from Bloomberg Businessweek

  • ‘Just Get Me a Box’: Inside the Brutal Realities of Supply Chain Hell
  • Peter Thiel Gamed Silicon Valley, Donald Trump, and Democracy to Make Billions, Tax-Free
  • Germany’s Industrial Giants Confront Their Mortality on Election Eve

©2021 Bloomberg L.P.

Assembleia-Geral da ONU: exigência de vacina ainda não está decidida, mas é improvável que Bolsonaro seja barrado .
Embora presidente da Assembleia Geral tenha defendido obrigatoriedade do certificado vacinal, como queria cidade de NY, possibilidade perdeu forçaA discussão surgiu na terça-feira (14/09), depois que o presidente da Assembleia-Geral, Abdulla Shahid, enviou aos Estados-membros uma carta na qual endossava um pedido das autoridades nova-iorquinas para que as mesmas regras impostas aos habitantes da cidade fossem seguidas no prédio da ONU.

usr: 1
Isto é interessante!