Mundo Escritório do Panamá opera offshores para mais de 160 políticos na AL

21:55  03 outubro  2021
21:55  03 outubro  2021 Fonte:   poder360.com.br

Investigados por fake news, empresários bolsonaristas têm offshores

  Investigados por fake news, empresários bolsonaristas têm offshores Otávio Fakhoury declarou empresas ao Fisco; Marcos Bellizia não informou se offshore está no seu IRda Pública

Uma das principais descobertas da investigação do ICIJ na operação dos Pandoras Papers é o raio de ação do escritório de advocacia do Panamá Alemán, Cordero, Galindo & Lee, conhecido como Alcogal, na construção e prestação de serviço de variadas offshores que operam no Caribe, mas não apenas lá.

O Alcogal criou empresas em paraísos fiscais para ao menos 160 políticos, funcionários públicos e empresários latino-americanos nos últimos anos. Na lista, estão nomes brasileiros envolvidos em escândalos de corrupção, como a Odebrecht, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o ex-presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) José María Marin.

Executivos de bancos dizem que offshores foram declaradas

  Executivos de bancos dizem que offshores foram declaradas Exceção é o presidente do BRB: afirmou que abriu empresas quando morava nos EUA, mas não respondeu se as declarou.A exceção foi o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa, que disse ter aberto suas duas empresas, a Oakwood Investments Ltd e a Equinox Investments LLC, quando era estudante nos Estados Unidos, mas não respondeu se foram declaradas.

Ao mesmo tempo que faz assessoria aos poderosos da América Latina que buscam empresas offshore para manter recursos, o Alcogal representa empresas de grande porte como Pfizer, Citibank e Kraft Foods. A atividade foi revelada pela investigação Pandora Papers, com base em documentos obtidos pelo ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, na sigla em inglês), uma entidade sem fins lucrativos com base em Washington D.C., nos Estados Unidos.

O Poder360 integra essa investigação internacional da qual participaram 615 jornalistas de 149 veículos em 117 países, entre os quais o jornal The Washington Post, a rede britânica BBC, a Radio France, o jornal alemão Die Zeit e a TV japonesa NHK.

>> Leia aqui todos os textos do Pandora Papers publicados pelo Poder360.

Sócios de 20 das maiores empresas do Brasil têm offshores

  Sócios de 20 das maiores empresas do Brasil têm offshores Incluem os empresários da Prevent Senior, MRV, Riachuelo e até da Crefisa, parceira do PalmeirasAcionistas de 20 das 500 empresas que mais empregam no Brasil têm offshores em paraísos fiscais. Ao todo, 25 acionistas ou donos no quadro social de companhias como Prevent Senior, MRV Engenharia, Grendene e Riachuelo, entre outras, abriram essas empresas com objetivos que foram desde a compra de imóveis e iates, até a economia de impostos e a proteção de suas fortunas contra crises políticas e econômicas do Brasil.

A investigação da Pandora Papers é baseada em mais de 11,9 milhões de registros confidenciais de escritórios de advocacia e prestadores de serviços offshore. Mais de 2 milhões desses arquivos são do Alcogal. Os dados fornecem informações sobre 14.000 empresas offshore criadas pelo escritório de advocacia panamenho em nome de mais de 15.000 clientes, principalmente depois de 1996. Foram mais de 200 empresas de fachada no Panamá.

A lista de clientes do Alcogal inclui presidentes do Panamá, um dos atuais candidatos à presidência de Honduras, o presidente do Equador e o rei da Jordânia. O ex-ditador chileno Augusto Pinochet, morto em 2006, também usou, nos anos 80, empresas offshore criadas pelo escritório de advocacia do Panamá.

Aliados do ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez, indiciados por receber propina para favorecer empresários nos contratos da petrolífera venezuelana PDVSA, também estão na relação, bem como um aliado do presidente da Rússia, Vladimir Putin, e a ex-esposa do “chefe dos chefes” da máfia russa.

Líderes mundiais tentam limitar danos dos 'Pandora Papers'

  Líderes mundiais tentam limitar danos dos 'Pandora Papers' Vários governos começaram a agir nesta segunda-feira (4) para tentar limitar as consequências da liberação de milhões de documentos que detalham como chefes de Estado e de Governo usaram offshores em paraísos fiscais para ocultar ativos que alcançam centenas de milhões de dólares. A Jordânia também denunciou como "distorcidas" as revelações sobre os ativos do rei Abdullah II em empresas offshore em paraísos fiscais. Segundo as reportagens, ele acumula um império imobiliário de US$ 100 milhões, da Califórnia a Londres.

Brasileiros também procuraram o Alcogal para abrir empresas em paraísos fiscais. Os casos mais emblemáticos são da empresa Odebrecht, de Marin e de Costa.

A investigação Pandora Papers mostra que a Odebrecht criou 2 empresas de fachada por meio do Alcogal. Essas empresas já haviam sido reveladas nas delações da operação Lava Jato e em investigações no Panamá. As conclusões é que dessas contas saíram US$ 30 milhões em propinas para ganhar contratos de obras públicas no Panamá. A verba foi para filhos do então presidente panamenho, Ricardo Martinelli. A análise do ICIJ mostra que o Alcogal também protocolou relatórios de atividades suspeitas relacionadas à Lava Jato.

Marin também procurou a Alcogal para abrir uma offshore. O caso foi descoberto um mês após ele ter sido preso pelo caso Fifagate, que revelou o pagamento de suborno a dirigentes da Fifa em troca dos direitos de transmissão de grandes torneios esportivos. Só veio à tona porque as autoridades das Ilhas Virgens Britânicas, sede escolhida para a offshore de Marin, pediram ao Alcogal informações sobre a empresa.

Randolfe vai ao STF e convocará Guedes e Campos Neto sobre offshores

  Randolfe vai ao STF e convocará Guedes e Campos Neto sobre offshores Investigação revelou que o ministro e o presidente do Banco Central têm empresas em paraísos fiscaisSegundo o documento, que cita na íntegra reportagem do Poder360 sobre o caso, o senador alega que os fatos revelados podem ser enquadrados como conflito de interesses e improbidade administrativa. Eis a íntegra do pedido (158 KB).

O ex-diretor de compras da Petrobras Paulo Roberto Costa, que ficou conhecido pelo esquema de corrupção investigado pela Lava Jato, também tinha negócios com o escritório de advocacia. Segundo a apuração do ICIJ, ele usou empresas de fachada do Panamá, incluindo duas registradas pelo Alcogal, para transferir as propinas recebidas da Odebrecht para bancos suíços.

Em nota (168KB) ao ICIJ, o Alcogal disse que a abertura de empresas offshore é apenas um dos seus ramos de atuação. Afirmou ainda que opera em total conformidade com a lei e que faz uma diligência aprimorada dos clientes de alto risco.

INTERESSE PÚBLICO

Como está registrado em diversos textos da série Pandora Papers, ter uma empresa offshore ou conta bancária no exterior não é crime para brasileiros que declaram essas atividades à Receita Federal e ao Banco Central, conforme o caso.

Se não é crime, por que divulgar informações de pessoas cujo empreendimento no exterior está em conformidade com as regras brasileiras? A resposta a essa pergunta é simples: o Poder360 e o ICIJ se guiam pelo princípio da relevância jornalística e do interesse público.

Como se sabe, há uma diferença sobre como brasileiros devem registrar suas empresas.

Para a imensa maioria dos cidadãos com negócios registrados dentro do Brasil, os dados são públicos. Basta ir a um cartório ou a uma Junta Comercial para saber quem são os donos de uma determinada empresa. Já no caso de quem tem uma offshore, ainda que declarada, a informação não é pública.

Quem são os brasileiros com offshores reveladas pelos Pandora Papers

  Quem são os brasileiros com offshores reveladas pelos Pandora Papers Além do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do Banco Central, aparecem no vazamento empresários no alvo da CPI da Pandemia, como Luciano Hang, Otávio Fakhoury e donos da Prevent Senior. © Zeljko Lukunic/PIXSELL/picture alliance Investigação jornalística identificou 1.

Existem, portanto, 2 tipos de brasileiros empreendedores: 1) os que têm suas empresas no país e ficam expostos ao escrutínio de qualquer outro cidadão; 2) os que têm condições de abrir o negócio fora do país e, assim, proteger os dados por sigilo.

Essas são as regras. Neste espaço não será analisado se são iníquas ou não. A lei é essa. Deve ser cumprida. Cabe ao Congresso, se desejar, aperfeiçoar as normas. Ao jornalismo resta a missão de relatar os fatos.

É função, portanto, do jornalismo profissional descrever à sociedade o que se passa no país. Há cidadãos que ocupam posição de destaque e que devem sempre ser submetidos a um escrutínio maior. Encaixam-se nessa categoria, entre outras, as celebridades (que vivem de sua exposição pública e muitas vezes recebem subsídio estatal); as empresas de mídia jornalística e os jornalistas (pois uma de suas funções é justamente a de investigar o que está certo ou errado no cotidiano do país); grandes empresários; quem faz doações para campanhas políticas; funcionários públicos; políticos em geral. E há os casos ainda mais explícitos: empreiteiros citados em grandes escândalos, doleiros, bicheiros e traficantes.

Todas as apurações devem ser criteriosas e jamais expor alguém de maneira indevida. Um grande empresário que opta por abrir uma offshore, declarada devidamente, tem todo o direito de proceder dessa forma. Mas a obrigação do jornalismo profissional é averiguar também os grandes negócios e dizer como determinada empresa cuida de seus recursos –sempre ressalvando, quando for o caso, que tudo está em conformidade com as leis vigentes.

Pandora Papers: 3 presidentes e 10 ex-líderes da América Latina teriam empresas offshores

  Pandora Papers: 3 presidentes e 10 ex-líderes da América Latina teriam empresas offshores Pandora Papers: 3 presidentes e 10 ex-líderes da América Latina teriam empresas offshoresTer empresas em países distintos do de origem não é ilegal, desde que a conta seja declarada e não seja utilizada para fins de evasão fiscal. Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), até 27% dos ativos financeiros da América Latina seriam desviada para offshores, o que equivaleria a R$ 118 bilhões.

Muitos dos brasileiros citados na série Pandora Papers responderam pró-ativamente ao Poder360. Apresentaram comprovantes da legalidade de seus negócios no exterior. São cidadãos que contribuem para bem comum ao entender a função do jornalismo profissional de escrutinar quem está mais politicamente exposto na sociedade.

A série Pandora Papers é a 8ª que o Poder360 fez em parceria com o ICIJ (leia sobre as anteriores aqui). É uma contribuição do jornalismo profissional para oferecer mais transparência à sociedade. Seguiu-se nesta reportagem e nas demais já realizadas o princípio expresso na frase cunhada pelo juiz da Suprema Corte dos EUA Louis Brandeis (1856-1941), há cerca de 1 século sobre acesso a dados que têm interesse público: “A luz do Sol é o melhor desinfetante”. O Poder360 acredita que dessa forma preenche sua missão principal como empresa de jornalismo: “Aperfeiçoar a democracia ao apurar a verdade dos fatos para informar e inspirar”.

Esta reportagem integra a série Pandora Papers, do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, na sigla em inglês). Participaram da investigação 615 jornalistas de 149 veículos em 117 países.

No Brasil, fazem parte da apuração jornalistas do Poder360 (Fernando Rodrigues, Mario Cesar Carvalho, Guilherme Waltenberg, Tiago Mali, Nicolas Iory, Marcelo Damato e Brunno Kono); da revista Piauí (José Roberto Toledo, Ana Clara Costa, Fernanda da Escóssia e Allan de Abreu); da Agência Pública (Anna Beatriz Anjos, Alice Maciel, Yolanda Pires, Raphaela Ribeiro, Ethel Rudnitzki e Natalia Viana); e do site Metrópoles (Guilherme Amado e Lucas Marchesini).

2 doadores de campanha pagaram multas para legalizar offshores .
Carlos Jereissati e Ronaldo Cezar Coelho entraram no programa de repatriação; outros doadores de políticos mantêm empresas no exterior>>> Leia aqui todos os textos do Pandora Papers publicados pelo Poder360

usr: 3
Isto é interessante!