Mundo Putin vê crise de gás na Europa como oportunidade de ouro

18:10  13 outubro  2021
18:10  13 outubro  2021 Fonte:   bloomberg.com

Rússia rejeita acusações 'sem fundamento' dos 'Pandora Papers'

  Rússia rejeita acusações 'sem fundamento' dos 'Pandora Papers' O Kremlin classificou nesta segunda-feira (4) como "infundadas" as informações publicadas em uma ampla investigação jornalística, as quais revelam que várias pessoas próximas ao presidente Vladimir Putin possuem riquezas em sociedades pouco claras. "Aqui, estamos simplesmente diante de um caso de acusações totalmente sem fundamento () Quando há publicações sérias, baseadas em coisas, ou fazendo referência a coisas sérias, então nos informaremos com interesse", desconversou o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, em declaração à imprensa."Não entendo com base em quê estas informações podem ser consideradas confiáveis", completou.

(Bloomberg) -- Depois de prometer aliviar a crise de gás na Europa, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, agora vê oportunidade de capitalizar sobre isso.

Most Read from Bloomberg

  • How France Turned the Humble Roundabout Into a Showcase for Art
  • What the Front Line of the U.S. Abortion Fight in Kentucky Looks Like Now
  • What Comes After GE’s 129 Years of Greenhouse Gas
  • They Invented the Must-Have Instrument for the Burning Man Set. Now They Want to Kill It Off
  • Argentina’s 120-Year-Old Cattle Auction Is Leaving Buenos Aires

Putin quer pressionar a União Europeia a reescrever algumas das regras do mercado de gás depois de ignorar as questões de Moscou por anos, com o objetivo de favorecer contratos de longo prazo, como defendido pela estatal russa Gazprom, em vez dos preços à vista, segundo duas pessoas com conhecimento do assunto. A Rússia também busca a rápida certificação do polêmico gasoduto Nord Stream 2 para a Alemanha com a meta de aumentar as entregas de gás, disseram.

Europa: falta de gás e alta dos preços da energia podem impulsionar renováveis no bloco

  Europa: falta de gás e alta dos preços da energia podem impulsionar renováveis no bloco A disparada dos preços do gás e da energia na Europa poderão impulsionar o bloco a acelerar a transição energética verde para diminuir a dependência das importações, principalmente da Rússia. Os países europeus buscam uma coordenação para responder à diminuição do fornecimento do produto, em um contexto de aumento da demanda mundial pela retomada econômica da pandemia. Puxada pela demanda chinesa, o preço do gás se multiplicou por oito em seis meses na Europa e impacta no valor da energia elétrica. A Rússia, tradicional fornecedora, tem exportado a conta-gotas o gás para os europeus.

A Rússia está preparada para atender as necessidades de gás da Europa e pronta para o diálogo com a UE sobre a estabilização do mercado, disse Putin na quarta-feira durante a conferência da Semana Russa de Energia.

“Sempre encontramos nossos parceiros na metade do caminho e estamos prontos para discutir ações adicionais”, disse Putin. Os projetos de energia russos, incluindo o Nord Stream 2, buscam “garantir a estabilidade e previsibilidade do fornecimento de gás nos volumes necessários aos países europeus nos próximos anos”, afirmou.

Os futuros do gás europeu mostravam alta na quarta-feira. Em meio a oscilações diárias de até 40% nos preços do gás na Europa, Putin fez uma calculada intervenção para esfriar o mercado na semana passada, dizendo que a Gazprom pode elevar os suprimentos para ajudar a aliviar a escassez.

Petróleo encosta em US$ 85 com demanda em alta e oferta apertada

  Petróleo encosta em US$ 85 com demanda em alta e oferta apertada O petróleo Brent se aproximou de US$ 85 o barril em meio à crise global de energia que aumenta a demanda na Europa e na Ásia antes do inverno no hemisfério norte. Most Read from BloombergNYC's Waldorf Gets Plush Renovation, Becomes Icon of China's OverreachHow Singapore's $50 Billion Financial District Will Change After Covid-19Tycoon Behind a Crisis-Era Property Crash Now Sits on a $9 Billion Debt MountainHow France Turned the Humble Roundabout Into a Showcase for ArtThey Invented the Must-Have Instrument for the Burning Man Set.

Ainda assim, mesmo quando o Kremlin elege o presidente como o salvador da energia da Europa, a Rússia não tem a ilusão de que conseguirá concessões políticas da UE ou aliviará as relações tensas como resultado da crise, de acordo com uma autoridade do governo e assessor político próximo ao gabinete presidencial.

‘Preços estáveis’

“Putin pressente uma oportunidade com a crise”, disse Andrei Kortunov, chefe do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia, fundado pelo Kremlin. “A Rússia quer evitar que a UE atrase a certificação do Nord Stream 2 e quer iniciar negociações sobre preços estáveis de longo prazo para o gás.”

A Rússia há muito tempo se opõe a dar mais peso ao mercado à vista para determinar os preços, preferindo contar com contratos de longo prazo menos voláteis, que podem limitar parte dos ganhos quando os preços estão altos, mas fornecem proteção contra quando caem. No entanto, a liberalização do mercado de gás da UE forçou a Gazprom a ajustar suas fórmulas de preços, vinculando a maior parte deles às cotações à vista e futuros.

Putin se apresenta como solução para crise do gás

  Putin se apresenta como solução para crise do gás O presidente da Rússia, Vladimir Putin, cujo país é muito influente no mercado de gás, afirmou nesta quarta-feira (13) que está disposto a aumentar as exportações para a Europa, tanto quanto necessário, para ajudar o continente a enfrentar a atual crise. Putin afirmou que é "muito importante" estabilizar o mercado de gás, que enfrenta uma crise sem precedentes - em especial na Europa. O presidente reivindicou "um mecanismo de estabilização a longo prazo do mercado de energia, o que é muito importante na difícil situação atual".

“Comprar gás a preços razoáveis é, obviamente, bom”, disse a vice-diretora-presidente da Gazprom, Elena Burmistrova, ao Fórum Internacional de Gás de São Petersburgo em 7 de outubro. “Mas é ainda melhor saber exatamente com antecedência quanto vai custar em um mês, em um trimestre e em um ano.”

Putin atribuiu a crise energética em parte a “esnobes” funcionários e conselheiros da UE que, segundo ele, pressionaram pela mudança para os preços spot “e não querem ouvir mais nada”.

Líderes da UE vão avaliar o aumento do preço do gás e medidas para diminuir o impacto em uma cúpula em Bruxelas na próxima semana.

A Europa depende da Gazprom para cerca de 30% de seu fornecimento de gás natural. Embora o armazenamento de gás no continente esteja sendo reposto em relação a mínimas históricas para esta época do ano, há opções limitadas para entregas de outras fontes, como gás natural liquefeito. Com o inverno se aproximando, esse cenário deixa a região potencialmente mais dependente da Rússia para suprimentos extras para evitar a escassez com a queda das temperaturas.

Moscou alerta sobre chegada de jihadistas estrangeiros ao Afeganistão

  Moscou alerta sobre chegada de jihadistas estrangeiros ao Afeganistão O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta quarta-feira (13) que combatentes jihadistas do Iraque e da Síria estão chegando ao Afeganistão, o que ele teme desestabilizar os países aliados de Moscou na Ásia central. E combatentes experientes do Iraque e da Síria estão ativamente indo para lá", afirmou Putin."Vários grupos terroristas, incluindo a organização do Estado Islâmico, estão ativos naquele país. E combatentes experientes do Iraque e da Síria estão ativamente indo para lá", afirmou Putin.

Lower Flows Ahead of Winter © Bloomberg Lower Flows Ahead of Winter

Most Read from Bloomberg Businessweek

  • MLB Is Testing Ways to Fix Baseball’s Boredom Problem
  • Homeopathy Doesn’t Work. So Why Do So Many Germans Believe in It?
  • Jane Fraser Has a Plan to Remake Citigroup While Tormenting Rivals
  • Anyone Seen Tether’s Billions?
  • How to Persuade White Lawmakers to Protect Black Hairstyles

©2021 Bloomberg L.P.

4 questões definirão o sucesso da COP26 .
Por WRI Brasil em WRI Brasil – No melhor cenário, a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP26) precisa reconstruir a confiança de que a ação global e coletiva pode resolver os maiores desafios da humanidade. Depois do relatório preocupante do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), em meio a meses de eventos climáticos extremos sem precedentes e com impactos devastadores, governos e outros atores devem ir a Glasgow determinados a reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa (GEE) ainda nesta década e a enfrentar os impactos climáticos presenciados em todo o mundo.

usr: 2
Isto é interessante!