Mundo Demanda alivia crise de energia e exportações da China disparam

18:26  13 outubro  2021
18:26  13 outubro  2021 Fonte:   bloomberg.com

Europa: falta de gás e alta dos preços da energia podem impulsionar renováveis no bloco

  Europa: falta de gás e alta dos preços da energia podem impulsionar renováveis no bloco A disparada dos preços do gás e da energia na Europa poderão impulsionar o bloco a acelerar a transição energética verde para diminuir a dependência das importações, principalmente da Rússia. Os países europeus buscam uma coordenação para responder à diminuição do fornecimento do produto, em um contexto de aumento da demanda mundial pela retomada econômica da pandemia. Puxada pela demanda chinesa, o preço do gás se multiplicou por oito em seis meses na Europa e impacta no valor da energia elétrica. A Rússia, tradicional fornecedora, tem exportado a conta-gotas o gás para os europeus.

(Bloomberg) -- As exportações da China subiram para um novo recorde em setembro em meio à forte demanda antes das festas de fim de ano e aumento dos preços que compensaram o efeito da escassez de energia no país.

Most Read from Bloomberg

  • How France Turned the Humble Roundabout Into a Showcase for Art
  • What the Front Line of the U.S. Abortion Fight in Kentucky Looks Like Now
  • They Invented the Must-Have Instrument for the Burning Man Set. Now They Want to Kill It Off
  • What Comes After GE’s 129 Years of Greenhouse Gas
  • Argentina’s 120-Year-Old Cattle Auction Is Leaving Buenos Aires

As exportações cresceram 28,1% em dólar em setembro na comparação com o ano anterior, atingindo a máxima de US$ 305,7 bilhões, segundo dados da Administração Geral de Alfândegas divulgados na quarta-feira. O número superou a alta de 21,5% estimada por economistas. O crescimento das importações desacelerou para 17,6%, abaixo dos 20,9% previstos por economistas, o que resultou em superávit comercial de US$ 66,8 bilhões.

Quedas de energia atingem a China, ameaçando a economia

  Quedas de energia atingem a China, ameaçando a economia Dongguan, China – Os cortes de energia e até mesmo os apagões diminuíram a produção ou fecharam fábricas em toda a China recentemente, adicionando uma nova ameaça à desaceleração da economia do país e potencialmente prejudicando ainda mais as cadeias globais de suprimentos antes da movimentada temporada de compras de Natal no Ocidente. As paralisações se espalharam por grande parte do leste do país, onde a maioria da população vive e trabalha. Alguns prédios desligaram elevadores. Algumas estações municipais de bombeamento fecharam, o que levou uma cidade a pedir aos moradores que armazenassem água extra pelos próximos meses, embora mais tarde tenha voltado atrás.

China trade accelerates, defying production curbs © Bloomberg China trade accelerates, defying production curbs

As exportações da China têm contribuído para a recuperação da economia do impacto da pandemia, ajudando a compensar o fraco consumo interno. A demanda por produtos chineses se manteve forte antes do feriado do Dia Nacional da China no início de outubro, e consumidores aumentaram os pedidos antes da tradicional temporada de compras de fim de ano.

Os números do comércio refletem “a força contínua da demanda global por produtos chineses e, por outro lado, a economia doméstica desacelerou mais do que o esperado”, disse Jian Chang, economista-chefe para a China do Barclays, em entrevista à Bloomberg TV.

Economistas da Nomura Holdings também apontaram a alta dos preços como uma razão para os números de exportação mais fortes. Os custos mais altos de produtos industriais podem ter contribuído com mais de 5 pontos percentuais para o crescimento das exportações, estimaram.

França e mais 9 países pedem 'rótulo verde' para energia nuclear

  França e mais 9 países pedem 'rótulo verde' para energia nuclear Os pais da cantora e compositora vão disponibilizar mais de 800 itens pessoais e profissionais da filha, morta em 2011.

No entanto, exportadores enfrentam vários desafios, incluindo altos custos de frete, preços de matérias-primas, escassez de energia e restrições ambientais. Li Kuiwen, porta-voz do Departamento de Alfândega, disse que o crescimento do comércio no quarto trimestre pode desacelerar por causa da base de comparação mais alta há um ano e problemas logísticos.

“Algumas rotas de tráfego sofreram desequilíbrio de oferta e demanda”, disse. “Estamos acompanhando a situação de perto.”

A expectativa era de desaceleração das exportações no mês passado, depois que cortes de energia levaram ao fechamento de fábricas em várias províncias. De fundições de alumínio a produtores de têxteis e processadoras de soja, fábricas foram obrigadas a frear a atividade ou paralisar totalmente as operações, em parte devido à escassez de carvão e à alta dos preços.

O Departamento de Alfândega está monitorando de perto o impacto do aumento dos preços das matérias-primas e dos produtos de energia no comércio e divulgará suas conclusões posteriormente, disse Li.

Exportações da China aceleram em setembro apesar de crise de energia

  Exportações da China aceleram em setembro apesar de crise de energia Exportações da China aceleram em setembro apesar de crise de energiaPEQUIM (Reuters) - O crescimento das exportações da China acelerou inesperadamente em setembro, uma vez que a demanda ainda sólida compensou parte da pressão sobre as fábricas com a escassez de energia, gargalos de oferta e o ressurgimento de casos domésticos de Covid-19.

O apetite global por produtos chineses também pode começar a diminuir depois que consumidores anteciparam pedidos de Natal. Índices que rastreiam novos pedidos de exportação dos indicadores de gerentes de compras do governo chinês e do Caixin se desaceleraram ainda mais em setembro.

China's Trade with Major Counterparts © Bloomberg China's Trade with Major Counterparts

As importações reduziram o ritmo com a menor demanda doméstica, desaceleração do mercado imobiliário que pesou sobre a economia e preços mais baixos de algumas commodities. O volume de importação de minério de ferro caiu de 97,5 milhões de toneladas no mês anterior para 95,6 milhões de toneladas, enquanto as importações de carvão e gás aumentaram no mês para enfrentar a escassez de energia.

“Os sólidos números das exportações não conseguiram compensar a desaceleração da economia doméstica”, diz Raymond Yeung, economista-chefe para a Grande China do Australia & New Zealand Banking. “A queda das importações é preocupante. A China terá de superar as restrições de fornecimento em várias frentes, principalmente na escassez de energia.”

Os piores lugares que já inventaram de gravar filmes!

  Os piores lugares que já inventaram de gravar filmes! Um filme intenso exige cenas dramáticas, e isso muitas vezes significa gravar em locais extremos. Algumas histórias foram filmadas em selvas úmidas e infestadas por insetos, em desertos quentes e áridos ou em geleiras remotas e congelantes. Ilhas quase inacessíveis, rios selvagens e montanhas isoladas cobertas de neve também serviram como cenários realistas e muitas vezes perigosos. Curioso? Clique e fique impressionado com os locais de filmagens mais difíceis do cinema.

Most Read from Bloomberg Businessweek

  • MLB Is Testing Ways to Fix Baseball’s Boredom Problem
  • Jane Fraser Has a Plan to Remake Citigroup While Tormenting Rivals
  • Anyone Seen Tether’s Billions?
  • How to Persuade White Lawmakers to Protect Black Hairstyles
  • As Louisianans Flee Hurricanes, Natural Gas Dollars and Jobs Flood In

©2021 Bloomberg L.P.

Brasil deve ser um dos principais prejudicados por crescimento mais lento da China .
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os sinais de desaceleração da economia chinesa no terceiro trimestre são uma péssima notícia para países dependentes de commodities (os produtos básicos), como o Brasil. Embora, pelo tamanho da China, o crescimento global deva ser afetado como um todo, a economia brasileira deve ser uma das maiores prejudicadas, com a consolidação de um cenário de desempenho mais fraco do país asiático nos próximos anos. Afetada por uma crise de energia, interrupções nas cadeias de abastecimento, surtos da variante delta do coronavírus e o agravamento das dívidas do setor imobiliário, a economia chinesa cresceu em ritmo mais lento no terceiro trimestre.

usr: 5
Isto é interessante!