Mundo Inflação ao produtor na China atinge maior nível em 26 anos

15:17  14 outubro  2021
15:17  14 outubro  2021 Fonte:   bloomberg.com

Inflação acelera nos EUA e chega a 5,4% em 12 meses, puxada por preços de alimentos e moradia

  Inflação acelera nos EUA e chega a 5,4% em 12 meses, puxada por preços de alimentos e moradia Índice de Preços ao Consumidor subiu acima do esperado por economistas em setembro, o que coloca mais pressão sobre o Fed, o banco central americano; no mês, a alta foi de 0,4%Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

(Bloomberg) -- Os preços de fábrica na China subiram no ritmo mais rápido em quase 26 anos em setembro, o que deve aumentar a pressão sobre a inflação global se empresas chinesas começarem a repassar os custos mais altos aos consumidores.

Most Read from Bloomberg

  • What Comes After GE’s 129 Years of Greenhouse Gas
  • What the Front Line of the U.S. Abortion Fight in Kentucky Looks Like Now
  • Argentina’s 120-Year-Old Cattle Auction Is Leaving Buenos Aires

O índice de preços ao produtor avançou 10,7% em relação ao ano anterior, acima das previsões e atingindo o maior nível desde novembro de 1995, puxado pelos custos do carvão e de outras commodities, segundo dados do Escritório Nacional de Estatísticas divulgados na quinta-feira.

Aumento da vacinação ajudaria a reduzir inflação pelo mundo, aponta FMI

  Aumento da vacinação ajudaria a reduzir inflação pelo mundo, aponta FMI WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O FMI (Fundo Monetário Internacional) avalia que a inflação no mundo deve seguir em alta até o fim de 2021, mas arrefecer no ano que vem e retornar a níveis pré-pandemia. No entanto, o cenário segue incerto, já que a crise sanitária ainda não foi controlada, e o fundo defende que a saída para a crise atual é aumentar a vacinação. "Desdobramentos recentes deixaram muito claro que a pandemia não vai terminar em uma parte até acabar em todas as partes", defende o fundo, no relatório World Economic Outlook (panorama da economia mundial), divulgado nesta terça (12).

While consumer inflation stays muted © Bloomberg While consumer inflation stays muted

Ainda há poucas evidências de que as fábricas de bens de consumo estão repassando os custos mais elevados dos insumos para clientes, já que os preços ao consumidor subiram em ritmo mais lento, com alta de 0,7% no mês passado. No entanto, isso pode mudar se os lucros dos produtores encolherem e com preços mais altos da eletricidade devido à crise de energia na China

“A maior diferença entre o IPP e o IPC resulta em maior pressão para setores upstream repassarem os custos crescentes para o downstream”, disse Bruce Pang, chefe de pesquisa macro e estratégia da China Renaissance Securities Hong Kong.

O presidente do Banco Popular da China, Yi Gang, disse em fórum do G20 que a inflação chinesa é “moderada”, segundo comunicado publicado no site do banco central na quinta-feira. Ele reiterou que a política monetária seria flexível, direcionada, razoável e apropriada.

Guedes: com alta global da inflação, é 'natural' que preços no Brasil subam para 'ao redor de 9%'

  Guedes: com alta global da inflação, é 'natural' que preços no Brasil subam para 'ao redor de 9%' Nesta sexta-feira, o IBGE divulgou que o IPCA atingiu 10,25% no acumulado em 12 meses e subiu 1,16% em setembro, na maior alta para o mês desde o início do Plano Real . A perseguida pelo Banco Central para este ano é de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto (2,25% a 5,25%). Segundo Guedes, em um contexto de aceleração global da inflação, é “natural” que, num País onde os preços já costumam ter variação ao redor de 4%, o índice acabe subindo para algo “ao redor de 9%”. Para argumentar isso, ele citou que nos Estados Unidos, onde a inflação costuma ser próxima de zero, a variação de preços beira os 5%.

Pressão global

Países da América Latina à Europa têm registrado inflação ao consumidor mais alta do que o normal este ano. Na quarta-feira, dados nos Estados Unidos mostraram que os preços ao consumidor aumentaram 5,4% em setembro em relação ao ano anterior, embora o Federal Reserve insista que a maior parte da pressão sobre os preços é um efeito transitório de uma economia global emergindo da pandemia.

Como maior exportador do mundo, os preços chineses são outro fator de risco para o cenário de inflação global. No entanto, economistas geralmente avaliam que a influência é moderada, porque as cestas de produtos que os países usam para calcular os preços ao consumidor tendem a incluir mais serviços produzidos localmente do que bens de consumo da China. Uma pesquisa da Standard Chartered identificou apenas um grau moderado de correlação entre o IPC da China e os preços ao consumidor dos EUA nos últimos anos.

Alta de preços ao produtor na China batem recorde em setembro e apresenta dilema a autoridades

  Alta de preços ao produtor na China batem recorde em setembro e apresenta dilema a autoridades Alta de preços ao produtor na China batem recorde em setembro e apresenta dilema a autoridadesO índice de preços ao produtor subiu 10,7% em setembro na comparação com o mesmo período do ano anterior, informou a Agência Nacional de Estatísticas nesta quinta-feira, maior alta desde que a agência começou a compilar os dados em 1996.

“Os setores downstream continuam a engolir custos de insumos mais altos, já que a demanda permanece fraca”, disse Alicia Garcia Herrero, economista-chefe para a Ásia-Pacífico do Natixis, em post no Twitter. “O mundo não importará inflação da China tão cedo.”

A diferença entre a inflação ao produtor e ao consumidor da China aumentou em setembro para 10 pontos percentuais em relação a 8,7 pontos em agosto, o maior nível desde 1993.

Companies not passing on producer price rises yet © Bloomberg Companies not passing on producer price rises yet

Most Read from Bloomberg Businessweek

  • MLB Is Testing Ways to Fix Baseball’s Boredom Problem
  • Jane Fraser Has a Plan to Remake Citigroup While Tormenting Rivals
  • Homeopathy Doesn’t Work. So Why Do So Many Germans Believe in It?
  • How to Persuade White Lawmakers to Protect Black Hairstyles
  • Anyone Seen Tether’s Billions?

©2021 Bloomberg L.P.

A estratégica rede de portos que a China controla no mundo e avança até no Brasil .
O gigante asiático deu um forte impulso à sua Rota da Seda Marítima para expandir sua influência nos oceanos do mundo. Na América Latina, as empresas chinesas controlam mais de 10 megaportos em sete países.Depois da Grande Crise de 2008-2009, a Grécia teve de implementar reformas e privatizações para pagar suas dívidas depois de receber um resgate financeiro, promovido pela União Europeia.

usr: 3
Isto é interessante!