Mundo Na COP26, Brasil deve ampliar compromissos para compensar omissão

13:55  25 outubro  2021
13:55  25 outubro  2021 Fonte:   poder360.com.br

COP26: O que é a conferência do clima em Glasgow e por que ela será tão importante

  COP26: O que é a conferência do clima em Glasgow e por que ela será tão importante Líderes mundiais vão se reunir do dia 31 de outubro a 12 de novembro na Escócia para discutir novos compromissos para mitigar as mudanças climáticas.A Terra está aquecendo por causa da emissão de combustíveis fósseis pela ação humana. Eventos climáticos extremos ligados às mudanças climáticas, como ondas de calor, alagamentos e incêndios florestais, estão se intensificando. A década passada foi a mais quente já registrada, e governos concordam que uma ação coletiva urgente é necessária.

O Brasil chega à COP 26 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima) ciente de não ter reduzido o desmatamento ilegal, como havia prometido. Pretende compensar essa omissão com a oficialização, em Glasgow, do compromisso de alcançar emissão líquida zero de gases do efeito estufa em 2050. O governo ainda estuda a apresentação de calendário mais ambicioso de corte de emissão.

O desmatamento sempre foi o ponto frágil do Brasil nessas negociações. E quando se fala no assunto, o mundo todo não culpa só o governo, mas especialmente o agronegócio. O próprio governo reconhece que “patinou” e abriu o flanco para os ataques externos, considerados “desproporcionais”, ao agronegócio.

Metas mais ambiciosas da COP26 ainda estão distantes

  Metas mais ambiciosas da COP26 ainda estão distantes A sete dias do início da cúpula climática global em Glasgow, o ruído de anúncios e iniciativas está mais alto. Mas as chances de sucesso ainda são incertas. © Bloomberg Banners advertising the upcoming COP26 climate talks line a precinct in Glasgow, U.K., on Wednesday, Oct. 20, 2021. Glasgow will welcome world leaders and thousands of attendees for the crucial United Nations summit on climate change in November. Most Read from BloombergCities' Answer to Sprawl? Go Wild.

A maior parte das emissões do país está atrelada à destruição de matas nativas. Em 2015, quando foi assinado o Acordo de Paris sobre Mudança Climática, alcançou 500 mil hectares. O Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) registrou desmatamento de área de 879 mil hectares de agosto de 2020 a julho de 2021.

Marcos Jank, coordenador do centro Insper Agro Global, afirma que esta será uma COP diferente. Estados Unidos, União Europeia e China chegarão bastante alinhados e prontos para negociar compromissos mais ambiciosos. Os países médios também se mostram mais engajados. O setor privado e as organizações não governamentais pressionarão mais do que no passado, em especial, contra o agronegócio brasileiro.

“Temos a agricultura vilã, associada ao desmatamento ilegal, e aquela que faz parte da solução da mudança climática”, disse Jank no debate “Impactos potenciais da COP26 no agronegócio brasileiro”, promovido pelo Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais). “Não podemos fechar os olhos para um mercado de carbono que vai movimentar US$ 100 bilhões e no qual seremos credores”, completou.

Glasgow se prepara para a COP26 entre fumaça, inundações e covid

  Glasgow se prepara para a COP26 entre fumaça, inundações e covid Sob uma chuva fina, um grupo de ativistas climáticos americanos lança bombas de fumaça em Glasgow, cidade escocesa palco de uma COP26 crucial para o futuro do planeta que se prepara para receber líderes e manifestantes de todo o mundo. Shaun Clerkin, um residente de Glasgow, que observa os manifestantes americanos lançando bombas de fumaça, espera o pior. "Para ser sincero, acredito que a COP26 será um fracasso e uma mentira", opina o cidadão, de 60 anos, que acredita que os organizadores estão invadindo a vida dos habitantes, isolando os visitantes dos problemas sociais muito reais da cidade.

Ana Toni, diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade, concorda que o encontro de Glasgow será genuíno. As discussões estarão concentradas em floresta e agricultura. “Haverá zero chance de separar agricultura de desmatamento”, disse Toni no debate do Cebri.

A situação da população indígena será outro tema importante, assim como o uso da energia fóssil, retomado pelo anfitrião Reino Unido e, de maneira bem mais reduzida, pelo Brasil por causa da crise hídrica.

Como meio de abafar as críticas diretas ao Brasil, o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) anunciou na semana passada o Plano ABC+. “Trouxe metas essenciais para o país zerar as emissões líquidas até 2050 e cortar as de gás carbônico em 1,1 bilhão de toneladas até 2030”, segundo Fernando Camargo, secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação da pasta.

Entre as medidas estão a recuperação de 30 mil hectares de mata nativa e a introdução de tecnologia de produção sustentável em 73 mil hectares até 2030. Haverá ainda ampliação da integração lavoura-pecuária-floresta, do uso de bio-insumos, de nitrogênio no solo e da terminação intensiva do gado (redução da idade de abate para diminuir a emissão de metano).

COP26: O que Brasil vai prometer e exigir na conferência sobre mudança climática

  COP26: O que Brasil vai prometer e exigir na conferência sobre mudança climática Sem presença de Jair Bolsonaro, delegação brasileira chega à Escócia com missão difícil: reduzir impacto negativo da política ambiental brasileira e, ao mesmo tempo, cobrar dinheiro de países ricos para projetos de redução do desmatamento.Lideranças de mais de cem países vão se reunir em Glasgow, na Escócia, para discutir novos compromissos para garantir a meta do Acordo de Paris de manter o aumento da temperatura média da Terra em 1,5°C. O Brasil tende a ser alvo de pressões por causa da aceleração do desmatamento desde que Jair Bolsonaro assumiu a Presidência.

Revisionismo

O Poder360 apurou que a revisão da linha do governo Bolsonaro, em abril, para a política externa e o meio ambiente reabriu vias de diálogo internacional estancadas. Pouco antes, o então ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pedira demissão. Logo depois, em junho, foi a vez de Ricardo Salles, do Meio Ambiente. O próprio presidente baixou o tom de suas declarações nesse campo e deve manter distância de Glasgow durante a COP26, que vai de 31 de outubro a 12 de novembro.

A delegação brasileira será comandada pelo atual ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e terá o embaixador Paulino Franco de Carvalho Neto como principal negociador. Na 6ª feira (22.out.2021), Carvalho e o embaixador Fernando Simas Magalhães, secretário-geral das Relações Exteriores, receberam os embaixadores europeus no Itamaraty para antecipar a posição brasileira na COP26.

“Vamos a Glasgow com posição positiva e para construir consenso”, disse Achilles Zaluar, chefe de gabinete do chanceler Carlos França. “Isso não quer dizer que teremos a mesma posição da União Europeia.”

"Oposição vai à COP26 contrapor versão do governo Bolsonaro"

  Em entrevista, senadora diz que estratégia da comitiva parlamentar que vai à cúpula do clima é exibir a verdade sobre a falta de proteção ao meio ambiente no Brasil. © Domenico Stinellis/AP/picture alliance Bolsonaro durante a cúpula do G20 em Roma, que antecedeu a conferência do clima Apesar da ausência do presidente Jair Bolsonaro na COP26, na Escócia, o Brasil terá a segunda maior delegação da Conferência do Clima. O empenho diplomático reflete a tentativa do governo de melhorar a imagem desgastada da política ambiental do país.

Principais temas da COP26

  • Novos compromissos: o Brasil acena com metas mais ambiciosas que as atuais. Prometerá chegar à neutralidade climática em 2050, 10 anos antes do previsto. E, a depender do que os grandes players ofereçam, pode aumentar sua NDC (Contribuição Nacionalmente Determinada). Trata-se da redução das emissões em 43% até 2030, com queda de 37% até 2025;
  • mercado de carbono: a COP26 deverá pelo menos fincar o pilar desse mecanismo. É visto com especial atenção pelo governo e setor privado, que enxergam o Brasil como receptor de créditos. Porém, o governo não avalia ser possível criar um mercado global. Prevê nacionais, que negociarão bilateralmente a partir da troca de certificados de redução de emissões e da intenção de compra;
  • compromissos setoriais: o Brasil não aceita. As exceções são as do transporte marítimo e aéreo;
  • sobretaxa à importação: a União Europeia quer a adoção, pela COP26, de mecanismo de taxação de produtos importados com alta emissão de gás carbônico no seu processo de produção. A medida, do ponto de vista do Brasil, contraria as regras do comércio internacional. “O mercado de carbono é mais interessante para o que queremos, para um modo de vida mais adequado para o nosso planeta”, disse Erivaldo Gomes, secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Economia.

Brasil, China e mais de cem países assinam acordo para zerar desmatamento até 2030 .
Acordo prevê US$ 19,2 bilhões em recursos públicos e privados para combater destruição de florestas, como a Amazônia. Instituições financeiras se comprometeram a não financiar produtos ligados ao desmatamento. Para Waack, a adesão ao texto traz mais oportunidades econômicas que prejuízos à agricultura brasileira."O setor empresarial que está no mercado internacional já percebeu que tem muito mais oportunidades que barreiras", disse o biólogo, que também é co-autor do livro Repensando a Amazônia.

usr: 9
Isto é interessante!