Mundo Em 2 anos, Lula fez 4 viagens internacionais; Bolsonaro 7

12:41  20 novembro  2021
12:41  20 novembro  2021 Fonte:   poder360.com.br

Lula se reúne com vencedor da eleição alemã

  Lula se reúne com vencedor da eleição alemã Ex-presidente se encontrou em Berlim com o social-democrata Olaf Scholz, que tem chance de ser o próximo chanceler da Alemanha. Recentemente, político alemão foi ignorado por Jair Bolsonaro em reunião do G20. © Ricardo Stuckert/Instituto Lula Lula e o ministro Olaf Scholz, que atualmente negocia a formação de um novo governo na Alemanha O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu nesta sexta-feira (12/11) em Berlim com o social-democrata Olaf Scholz, atual ministro das Finanças da Alemanha e o vencedor da eleição parlamentar de setembro. Lula ainda teve encontros com políticos e sindicalistas alemães.

Pouco mais de 2 anos depois de ter deixado a prisão, em Curitiba (PR), no dia 08 de novembro de 2019, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já realizou 4 viagens internacionais. No mesmo período, o atual presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), fez 7.

Os destinos também foram diversificados: enquanto o petista fez 2 tours pela Europa e esteve em Cuba, Bolsonaro foi duas vezes aos EUA, prestigiou a posse do novo presidente do Equador e rodou pelo Oriente Médio em busca de investimentos no “mundo árabe”.

O mês de novembro de 2021 foi o mais agitado para os 2 nomes colocados, até o momento, como os pré-candidatos à presidência da República com melhor colocação nas pesquisas eleitorais.

Lula discursa no Parlamento Europeu e ataca Bolsonaro

  Lula discursa no Parlamento Europeu e ataca Bolsonaro Ex-presidente diz que Bolsonaro é "cópia mal feita de Trump" que "representa peça importante da extrema direita fascista mundial". Lula ainda se reuniu com chefe da diplomacia da UE e não descartou Alckmin como vice. © Ricardo Stuckert/Instituto Lula O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira (15/11) em Bruxelas, na Bélgica, que Jair Bolsonaro "representa uma peça importante da extrema direita mundial" e que o atual presidente brasileiro não passa de "uma cópia mal feita de Trump".

TURNÊS NO EXTERIOR

O ex-presidente Lula chegou à Europa no dia 11 de novembro. Durante viagem à Alemanha, 1ª país visitado pelo petista, no dia 12 de novembro, encontrou as deputadas do SPD Yasmin Fahimi e Isabel Cademartori, eleitas em setembro.

No mesmo dia, também na Alemanha, se encontrou o ex-presidente do Parlamento Europeu e presidente da fundação do SPD, Martin Schulz, que visitou o petista na cadeia em agosto de 2018.

A agenda no dia 12 também incluiu um encontro com Olaf Sholz, do SPD, possível próximo primeiro-ministro da Alemanha.

Scholz foi ignorado por Jair Bolsonaro (sem partido) durante reunião de líderes do G20 (21-22.nov.2021), segundo o colunista Jamil Chade. Durante viagem à Roma, o presidente evitou contatos bilaterais na cúpula e priorizou o turismo na capital italiana.

"Vai demorar muito para reconstruir o Brasil", diz Lula ao anunciar encontro com Macron em Paris

  Em seu primeiro dia em Paris, terceira etapa de seu giro europeu, o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva proferiu a conferência “Qual lugar para o Brasil no mundo de amanhã” nesta terça-feira (16) na prestigiosa escola de ciências políticas Sciences Po de Paris, onde recebeu o título de Doutor Honoris Causa há dez anos. Em seu discurso sobre as relações entrre o Brasil e a Europa, Lula disse que vai se encontrar na capital francesa com o presidente francês Emmanuel Macron. © RFI/ Paloma Varón Em seu giro pela Europa, Lula não cansa de reiterar o quanto é grato pela solidariedade que recebeu durante os seus 580 dias de prisão.

No dia 14, Lula se reuniu com o vice-presidente da Comissão Europeia, Josep Borrell Fontelles, e com a secretária-geral da Confederação Sindical Internacional (ITUC), Sharan Leslie Burrow, na Bélgica.

Ainda na Bélgica, Lula participou da Conferência de Alto Nível da América Latina promovida pelo bloco social democrata do Parlamento Europeu. Também participaram José Luis Zapatero, ex-primeiro ministro da Espanha, e Claudia Nayibe López Hernández, prefeita de Bogotá.

Na Espanha, Lula foi recebido pelo presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez. O tour do petista pela Europa também incluiu um encontro com o futuro chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, que disse ter ficado “muito satisfeito” com as discussões.

Por causa do choque de agendas, Bolsonaro não compareceu à COP26 (31.out-12.nov.2021), que reuniu líderes mundiais para debater políticas climáticas. Além de Bolsonaro, apenas o líder chinês Xi Jinping e Vladimir Putin, presidente russo, faltaram ao evento.

Lula gigante é avistada por pesquisadores nos EUA; veja vídeo

  Lula gigante é avistada por pesquisadores nos EUA; veja vídeo Lula gigante é avistada por pesquisadores nos EUA; veja vídeoO anúncio foi feito pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) norte-americana. A expedição é marcado por uma série de mergulhos com veículo operado remotamente que acontecem desde 26 de outubro. O projeto foi encerrado no dia 15 de novembro.

Enquanto acontecia a cúpula do clima, Bolsonaro visitou o município de Anguillara Vêneta, no Norte da Itália, onde supostamente seu bisavô nasceu.

Lula chegou à França na última 3ª feira (16.nov.2021). No seu 1ª dia na capital francesa, almoçou com a prefeita de Paris, Anne Hidalgo. Na 4ª feira (17.nov.2021), foi recebido pelo presidente da França, Emmanuel Macron, no Palácio do Elysée.

No G20, Macron disse que a relação da França com o Brasil “já foi melhor”. O presidente francês tem trocado farpas com Bolsonaro, o qual já chegou a endossar um comentário que ofendia a primeira-dama da França, Brigitte Macron.

Enquanto Lula dialogava com autoridades europeias, Bolsonaro realizava um tour pelo Oriente Médio. Com a viagem, o governo brasileiro espera estreitar as relações comerciais com países do Golfo Pérsico, grandes produtores de petróleo.

O presidente fez uma turnê pela região de 13 a 18de novembro. Esteve em Dubai, nos Emirados Árabes, em Manama, no Bahrein, e na capital do Catar, Doha, onde fez uma “motociata” e teve encontro com o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

Como foi encontro com 'honrarias' entre Lula e Macron em Paris

  Como foi encontro com 'honrarias' entre Lula e Macron em Paris Ex-presidente foi recebido com tratamento de chefe de Estado por presidente francês, que é um desafeto do atual líder brasileiro, Jair Bolsonaro.A chegada de Lula à sede da Presidência francesa contou com a presença da guarda republicana, que marchou e se posicionou na escadaria onde Macron recebe os convidados.

No dia 19 de novembro, Lula se reuniu com o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez. O encontro foi realizado no Palácio de Moncloa, em Madri, sede do governo. Segundo Sánchez, o encontro serviu para discutir sobre a pandemia do coronavírus, mudanças climáticas e a recuperação econômica.

Neste sábado (20.nov.2021), o petista deve se encontrar com integrantes do Podemos e do Psoe (partidos de esquerda espanhóis) e representantes da comunidade brasileira no país

EIS A AGENDA DE LULA NO EXTERIOR:

  • Dia 11: chegou à Europa;
  • Alemanha (12-13.nov.2021):
    • Olaf Sholz – do SPD, possível próximo primeiro-ministro da Alemanha;
    • Martin Schulz – ex-presidente do Parlamento Europeu e presidente da fundação do SPD (Schulz visitou Lula na prisão em agosto de 2018);
    • Yasmin Fahimi e Isabel Cademartori – deputadas do SPD, partido social-democrata alemão;
  • Bélgica (14-15.nov):
    • Josep Borrell – vice-presidente da Comissão Europeia;
    • Sharan Leslie Burrow – secretária-geral da Confederação Sindical Internacional;
    • Joseph Stiglitz – economista vencedor do premio Nobel em 2001;
    • Parlamento Europeu – Conferência de Alto Nível da América Latina promovida pelo bloco social democrata. Participaram José Luis Zapatero, ex-primeiro-ministro da Espanha, e Claudia Nayibe López Hernández, prefeita de Bogotá. Também esteve com Iratxe García, presidente do Grupo Social Democrata da Casa.
  • França (16-17.nov):
    • Emmanuel Macron – presidente do país;
    • Anne Hidalgo – prefeita de Paris pelo Partido Socialista;
    • Jean-Luc Mélenchon – líder do movimento França Insubmissa;
  • Espanha (18-20.nov):
    • Pedro Sánchez – primeiro-ministro do país;

Neste sábado, o petista tem seus últimos compromissos na Europa. Deve se reunir com integrantes dos partidos espanhóis Podemos e Psoe, além de encontrar representantes da comunidade brasileira no país.

Fórum dos Leitores

  Fórum dos Leitores Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. PauloEnem

EIS AS FALAS DE LULA NA EUROPA:

  • Economia e pandemia – “Muito antes do 1º caso de Covid-19, o mundo já estava doente, vítima de um vírus igualmente mortal chamado desigualdade” (18 de novembro de 2021, no seminário Cooperação multilateral e recuperação regional pós-Covid-19, em Madri);
  • Turismo espacial“Não podemos aceitar como natural que um seleto grupo de homens brancos e ricos façam turismo no espaço, enquanto aqui na Terra milhões de pessoas pobres, principalmente mulheres e negros, continuam a morrer de fome” (18 de novembro de 2021, no seminário Cooperação multilateral e recuperação regional pós-Covid-19, em Madri);
  • Patentes de vacinas“As vacinas que salvaram e continuam salvando milhões de vidas foram desenvolvidas com investimento de recursos públicos – e deveriam, portanto, ser consideradas um bem da humanidade. Mas a quebra das patentes – para democratizar o acesso- continua sendo um tabu mesmo em tempos de emergência global” (18 de novembro de 2021, no seminário Cooperação multilateral e recuperação regional pós-Covid-19, em Madri);
  • Estado e economia“O Bolsa Família não fez sozinho a revolução pacífica que mudou o Brasil. Transformamos o Estado num poderoso e eficiente indutor da economia, e fomos capazes de gerar mais de 20 milhões de empregos, com todos os direitos trabalhistas garantidos” (18 de novembro de 2021, no seminário Cooperação multilateral e recuperação regional pós-Covid-19, em Madri);
  • Tecnologia e desemprego“Precisamos encontrar alternativas para a geração de emprego em meio a transição causada pela digitalização do trabalho, que tem gerado desemprego em massa, perda de direitos trabalhistas, empobrecimento e exaustão física e mental” (18 de novembro de 2021, no seminário Cooperação multilateral e recuperação regional pós-Covid-19, em Madri);
  • Meio ambiente“Cuidar do nosso planeta deve ser compromisso de todos os governos, sobretudo dos países ricos, que se industrializaram há mais tempo. Mas muitos deles se recusam a cumprir as metas de redução de emissão de gases poluentes, tornando-se cúmplices de uma tragédia ambiental da qual talvez não haja retorno” (18 de novembro de 2021, no seminário Cooperação multilateral e recuperação regional pós-Covid-19, em Madri);
  • Política internacional“Esses grandes desafios não serão solucionados pelo sistema criado após a Segunda Guerra Mundial. Como ocorreu depois de outras grandes crises, é necessário reconstruir as instituições internacionais sobre novas bases” (18 de novembro de 2021, no seminário Cooperação multilateral e recuperação regional pós-Covid-19, em Madri)
  • Rotatividade no poder“Qual é a razão para a perseguição ao companheiro Evo Morales? O Evo não poderia concorrer ao 4º mandato? É muito engraçado que em um regime presidencialista só o Roosevelt concorreu a 4 mandatos, mas no restante do mundo todo, pensar em um 3º mandato já é ser considerado como um ditador. E no parlamentarismo que as pessoas governam 16 anos? A Angela Merkel acaba de completar 16 anos no governo, Margaret Thatcher reivindicou e tudo. Todos eles ficam dezenas de anos e não é ditadura, não é autoritarismo, somente quando um de nós tenta concorrer a um 3º mandato. Eu estou muito à vontade para falar, porque na época eu tinha 87% de bom e ótimo nas pesquisas, e queriam me aprovar um 3º mandato. Eu não aceitei, eu disse em alto e bom som que o Brasil tinha que ter alternância de poder e tinha que eleger outros companheiros. Logicamente que eu nunca imaginei que o Brasil fosse eleger uma pessoa como Bolsonaro para presidir nosso país, nunca me passou pela cabeça” (15 de novembro de 2021, na Conferência de Alto Nível da América Latina, no Parlamento Europeu)
  • Meio ambiente e pobreza“A luta pela preservação do meio ambiente para mim é indissociável da luta contra a pobreza e por um mundo menos desigual e mais justo” (15 de novembro de 2021, na Conferência de Alto Nível da América Latina, no Parlamento Europeu);
  • Onda de direita“Felizmente, essa era de trevas que se abateu sobre o planeta, por conta da ascensão de governos de extrema direita pelo mundo afora, emite claros sinais de que está chegando ao fim” (15 de novembro de 2021, na Conferência de Alto Nível da América Latina, no Parlamento Europeu)
  • Política internacional“Acreditamos num mundo multipolar. Voltaremos a ter uma política externa altiva e ativa. Vamos fortalecer o Mercosul, reconstruir a União de Nações Sul-Americanas, a Unasul, e ampliar nossas parcerias com a União Europeia” (15 de novembro de 2021, na Conferência de Alto Nível da América Latina, no Parlamento Europeu);
  • Impostos“Não há justificativa para não termos taxado as transações financeiras globais, e criado fundos de desenvolvimento e combate à pobreza” (16 de novembro de 2021, no Instituto de Estudos Políticos de Paris);
  • Redes sociais“Vamos ter que regulamentar as redes sociais, regular a internet, colocar um parâmetro. Uma coisa é você utilizar os meios de comunicação para informar, educar. Outra coisa é para fazer maldade, para contar mentiras, causar prejuízo à sociedade” (18 de novembro de 2021, em entrevista ao canal Socialists and Democrats);
  • Geraldo Alckmin “Não há nada que aconteceu entre eu e o Alckmin que não possa ser reconciliado. Política às vezes é como jogo de futebol. Você dá uma botinada no cara, ele cai chorando de dor. Depois que termina o jogo eles se encontram, se abraçam e vão discutir o próximo jogo” (15 de novembro), entrevista a jornalistas no Parlamento Europeu).

2020

A 1ª viagem de Bolsonaro ao exterior, depois da saída de Lula saiu da prisão, foi em janeiro de 2020 à Índia. Na ocasião, o presidente retornou ao Brasil com 15 acordos bilaterais assinados. Durante a visita, os governos acordaram em dobrar o intercâmbio comercial entre os 2 países até 2022.

Bolsonaro “não foi preparado para falar, só para mentir”, diz Lula

  Bolsonaro “não foi preparado para falar, só para mentir”, diz Lula Ex-presidente participou de evento em Madrid como parte de sua viagem a Europa“O atual presidente brasileiro infelizmente não foi preparado para falar. Só foi preparado para mentir. Não dá nem entrevista. Só fala de dentro da casa dele, até porque só fala bobagem”, publicou em seu perfil no Twitter.

Em março, Bolsonaro viajou para o Uruguai para assistir à posse do presidente eleito, Luís Lacalle Pou.

No mesmo mês, viajou aos Estados Unidos para encontrar o ex-presidente Donald Trump. Na época, a Casa Branca afirmou que os líderes iriam discutir sobre a restauração da democracia na Venezuela, políticas de paz no Oriente Médio e investimentos em infraestrutura.

Já o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou-se com o papa Francisco, no Vaticano, em fevereiro. Em sua conta no Twitter, o petista disse que o encontro serviu para “conversar sobre um mundo mais justo e fraterno“.

No início de março, Lula viajou à Europa, onde teve compromissos em Paris, Genebra e Berlim. Na ocasião, recebeu título de cidadão honorário de Paris.

Em dezembro de 2020, foi para Cuba gravar um documentário sobre América Latina dirigido pelo norte-americano Oliver Stone. A peça foi cancelada porque o ex-presidente e sua comitiva foram infectados pela covid-19. Todos se recuperaram.

IMAGEM INTERNACIONAL

O cientista político e coordenador do Cebrade-Uerj (Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas sobre a Democracia da Universidade Estadual do Rio de Janeiro), Geraldo Tadeu Monteiro, analisou as agendas internacionais de Lula e Bolsonaro no mês de novembro e afirmou que “fica muito nítida a diferença de inserção externa” entre os 2 nomes.

“Lula preservou em grande medida a respeitabilidade e credibilidade que possuía na época que era presidente. E agora, se adaptou muito facilmente ao papel institucional do presidente da República, especialmente nas relações exteriores”, disse Monteiro.

Segundo o especialista, o presidente Bolsonaro, ao “afrontar o multilateralismo e as instituições internacionais’‘, não consegue se inserir no conceito das grandes potências.

“Ele é visto como o outsider daqueles que não querem se tornar insider. É um ponto fora da curva”, afirmou.

Ao Poder360, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse que a atenção que o ex-presidente Lula tem recebido em suas viagens internacionais se deve a sua “credibilidade como porta-voz dos brasileiros” no exterior.

“Mostra que a comunidade internacional vê em Lula a possibilidade real de o Brasil voltar a ser protagonista global no enfrentamento à desigualdade e à crise climática, novamente com base no legado dos governos do PT”, disse.

DE OLHO EM 2022

Monteiro considerou a viagem de Lula à Europa “uma sábia jogada de marketing político”, em especial por ter sido feita logo depois da realização da COP26 e da reunião do G20 e simultaneamente a visita de Bolsonaro ao Golfo Pérsico.

O petista circula com desenvoltura com os líderes internacionais em uma operação de marketing político muito bem arquitetada para mostrar aos investidores internacionais e lideranças globais que ele ainda é um player”, disse.

Apesar de as agendas no exterior de Lula e Bolsonaro estarem sendo pautadas na imprensa dentro e fora do Brasil, o especialista considera que o tema internacional ainda está distante do eleitorado.

“Embora seja muito importante, o eleitor ainda vê essa questão como algo muito distante. Sendo assim, a gente pode imaginar que o impacto dessa imagem seja pequeno no eleitorado, ainda mais com a distância do processo eleitoral”.

Lula defende alternância de poder, mas relativiza ditadura de Ortega em comparação com europeus .
Lula defende alternância de poder, mas relativiza ditadura de Ortega em comparação com europeus"Por que Angela Merkel pode ficar 16 anos no poder e Daniel Ortega não? Por que o Felipe González [primeiro-ministro da Espanha entre 1982 e 1996] pode ficar 14 anos no poder? Qual é a lógica?", questionou o petista em entrevista ao jornal espanhol El País.

usr: 1
Isto é interessante!