Mundo O Brasil perdeu toda a credibilidade

19:17  24 novembro  2021
19:17  24 novembro  2021 Fonte:   dw.com

Bolsonaro e ministros vendem um Brasil distante do real em Dubai

  Bolsonaro e ministros vendem um Brasil distante do real em Dubai Governo descreve cenários positivos para meio ambiente e economia; falas foram feitas durante fórum Invest in BrazilQuer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

A UE quer vetar a importação de produtos de áreas desmatadas, e agricultores brasileiros têm pouco o que fazer. Pois na COP26 o país perdeu o pouco de credibilidade que lhe restava para ser levado a sério em negociações.

Madeira está na lista de produtos que seriam afetados por proibição da UE © Marcelo Sayao/dpa/picture alliance Madeira está na lista de produtos que seriam afetados por proibição da UE

Poucos dias depois do fim da última Conferência do Clima da ONU, a COP26, a Comissão Europeia apresentou um projeto de lei que propõe proibir a importação para a União Europeia (UE) de todos os produtos provenientes de áreas desmatadas. E não importa se as leis locais permitem ou não esse desmatamento. Se, por exemplo, soja ou óleo de palma forem cultivados em áreas que em 31 de dezembro de 2020 ainda eram floresta, sua importação para a UE seria proibida.

Brasil, Bolívia e Peru estão entre campeões mundiais de desmatamento

  Brasil, Bolívia e Peru estão entre campeões mundiais de desmatamento Os líderes mundiais se comprometeram a parar e reverter o desmatamento.Não é a primeira vez que os líderes mundiais fazem esse tipo de promessa e muitos duvidam que os acordos venham a ser concretizados na data prevista.

Seriam afetadas inicialmente as importações de carne bovina, madeira, soja, óleo de palma, café e cacau, além de uma lista de produtos derivados, como chocolate e couro. A lista poderia ser ampliada futuramente, segundo a UE. Milho e borracha devem ser adicionados. E como fica o minério de ferro, por exemplo, que é extraído em áreas de floresta tropical?

Com a proposta, a UE reage à pressão de consumidores e organizações ambientais que querem reduzir a responsabilidade da Europa na destruição de florestas tropicais mundo afora. O projeto de lei deve agora ser submetido ao Parlamento Europeu e aos Estados-membros da UE. Eles ainda podem fazer mudanças antes que a proposta seja aprovada, e isso pode levar algum tempo.

Mas já está claro que esse projeto de lei é um golpe amargo para agricultores e exportadores brasileiros. Pois futuramente eles devem ter que comprovar que seus produtos não foram cultivados em áreas desmatadas. Isso é caro e complicado. Especialmente porque o Brasil é um produtor para o qual as certificadoras vão olhar particularmente de perto, para ver se não há produtos de áreas desmatadas nas cadeias de fornecimento. Mesmo agricultores que hoje se atêm às leis no Brasil podem vir a enfrentar incertezas quanto à possibilidade de vender seus produtos para a Europa.

Em 2 anos, Lula fez 4 viagens internacionais; Bolsonaro 7

  Em 2 anos, Lula fez 4 viagens internacionais; Bolsonaro 7 Petista fez 2 tours pela Europa desde que deixou a prisão; presidente priorizou EUA e Oriente MédioOs destinos também foram diversificados: enquanto o petista fez 2 tours pela Europa e esteve em Cuba, Bolsonaro foi duas vezes aos EUA, prestigiou a posse do novo presidente do Equador e rodou pelo Oriente Médio em busca de investimentos no “mundo árabe”.

Na verdade, a UE não pode simplesmente desconsiderar leis ambientais nacionais e deve cumprir acordos no comércio internacional. Agora, o Brasil teria que tentar formar uma aliança com outros países produtores para negociar exceções ou prazos com o bloco europeu. No Brasil, por exemplo, faz pouco sentido colocar o cacau na lista, pois seu cultivo muitas vezes protege regiões de floresta tropical contra o desmatamento. A situação da borracha é semelhante, e, em parte, também a do café.

O problema, no entanto, é a falta de credibilidade do Brasil. Quem deve confiar em negociadores brasileiros quando eles omitem o mais recente recorde de desmatamento justamente na Conferência do Clima, apesar de os números estarem disponíveis há muito tempo? Como um governo pode ser levado a sério quando continua a enfraquecer os órgãos ambientais em termos de pessoal e financiamento e, em vez disso, envia militares ou policiais despreparados para a Amazônia para protegê-la? Ou como pode ser levado a sério um presidente que acaba de declarar mais uma vez que a floresta tropical não pega fogo porque é muito úmida?

O Brasil raramente se viu tão vulnerável e indefeso diante de medidas unilaterais de seus parceiros comerciais. As associações agrícolas brasileiras podem agradecer em Brasília por isso.

--

Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil.

O texto reflete a opinião do autor, não necessariamente a da DW.

Autor: Alexander Busch

Izabella Teixeira: sobretaxas por desmatamento e emissões são inevitáveis .
Ex-ministra do Meio Ambiente diz que governo não quer mercado de carbono e fez "fake green" na COP 26“Se Brasil quer ser competitivo em economia de baixo carbono, terá de acabar com o desmatamento ilegal, que é mais de 95% do total no país”, afirmou. “Recorde de 13.000 km² desmatados em 12 meses [na Amazônia]? O governo perdeu o controle.

usr: 1
Isto é interessante!