Mundo Dona da 99, Didi fechará capital em NY e listará ações em Hong Kong após pressão do governo

11:59  03 dezembro  2021
11:59  03 dezembro  2021 Fonte:   estadao.com.br

Rede pública de rádio e TV de Hong Kong é dominada pelo governo chinês

  Rede pública de rádio e TV de Hong Kong é dominada pelo governo chinês Hong Kong – Pouco tempo depois que Patrick Li foi escolhido pelo governo para assumir a direção do canal de rádio e TV público de Hong Kong, uma fechadura digital foi instalada na porta de seu escritório. No passado, o escritório do diretor era o local em que os funcionários da Radio Television Hong Kong, ou RTHK, reuniam-se para comunicar suas queixas em relação às decisões da diretoria, de mudanças na programação a disputas trabalhistas. Agora, a fechadura indicava que essas reclamações não seriam mais bem-vindas.

Quer se manter informado, ter acesso a mais de 60 colunistas e reportagens exclusivas?Assine o Estadão aqui!

A gigante de compartilhamento de carros chinesa Didi Global, dona do aplicativo de transporte 99, anunciou, nesta sexta-feira, que fechará capital na Bolsa de Nova York e listará suas ações em Hong Kong, menos de seis meses após uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) em Wall Street que atraiu a ira do governo da China e notabilizou o crescente cerca de Pequim contra o setor de tecnologia local.

Em publicação em uma rede social, a empresa informou que a decisão foi tomada após "cuidadosa análise". A bolsa de Hong Hong caía 0,15%, por volta das 4h (de Brasília), após a notícia.

Fundador da Evergrande vende 9% de participação por US$344 mi em meio à crise de dívidas

  Fundador da Evergrande vende 9% de participação por US$344 mi em meio à crise de dívidas Fundador da Evergrande vende 9% de participação por US$344 mi em meio à crise de dívidasHONG KONG (Reuters) - O presidente da chinesa Evergrande, Hui Ka Yan, vendeu 1,2 bilhão de ações da empresa a um preço médio 2,23 dólares de Hong Kong cada na quinta-feira, de acordo com registros da Bolsa de Valores de Hong Kong.

A companhia não forneceu detalhes de como os planos serão concretizados. Uma opção seria primeiro garantir uma listagem em outro lugar, enquanto outra rota seria buscar um acordo take-private que compraria as ações detidas por investidores públicos - uma transação que exigiria bilhões de dólares de financiamento, dada sua capitalização de mercado.

A Didi revelou que solicitará a retirada de suas ações depositárias americanas em Nova York, ao mesmo tempo em que garante que sejam conversíveis em papéis que possam ser negociadas livremente em outra bolsa de valores internacional. Uma assembleia de acionistas será organizada para tratar do fechamento de capital.

A Didi listou suas ações em Nova York em 30 de junho depois de levantar cerca de US$ 4,4 bilhões em um IPO. Logo em seguida, as autoridades chinesas, surpreendidas com a decisão, disseram que estavam conduzindo uma análise de segurança de dados. Os reguladores chineses também impediram que os negócios de Didi na China adicionassem novos usuários e ordenaram que alguns aplicativos fossem desativados. Com informações da Dow Jones Newsires

Fim da história de amor entre Wall Street e as empresas chinesas .
O anúncio da retirada do "Uber chinês", Didi, marca o fim do romance entre Wall Street e os gigantes chineses da tecnologia, apanhados entre as autoridades chinesas e os reguladores norte-americanos. Na sexta-feira após o anúncio, os investidores abandonaram os pesos pesados do comércio eletrônico Alibaba, JD.com e Pinduoduo, todos negociados em Wall Street. As ações da Alibaba, cujo IPO na Bolsa de Nova York em 2014 deu início aos mega-IPOs chineses, caíram para seu nível mais baixo em quase cinco anos, e há rumores de que é a próxima candidata a sair da Wall Street, depois da Didi.

usr: 6
Isto é interessante!