Mundo Futura ministra da Alemanha sugere restringir importações da China para pressionar por respeito aos direitos humanos

07:11  05 dezembro  2021
07:11  05 dezembro  2021 Fonte:   dw.com

Nomeação de Andersson como premiê será votada novamente pelo Parlamento sueco

  Nomeação de Andersson como premiê será votada novamente pelo Parlamento sueco Após sua caótica renúncia na quarta-feira, a líder social-democrata sueca Magdalena Andersson passará por uma nova votação no Parlamento na segunda-feira para se tornar primeira-ministra, anunciou o presidente da Câmara nesta quinta-feira(25). Assim, a candidatura de Andersson será colocada em votação na segunda-feira, anunciou o presidente da Câmara. O futuro governo, a princípio, só será formado por social-democratas, sem ambientalistas. Embora tenha sido eleita horas antes, a economista de 54 anos não havia assumido oficialmente suas funções antes de renunciar.

Annalena Baerbock, que chefiará pasta das Relações Exteriores, quer usar poder de compra da União Europeia para pressionar Pequim a respeitar direitos humanos. Embaixada chinesa reage e pede relação bilateral pragmática.

Annalena Baerbock quer posição mais dura do novo governo da Alemanha em relação à China © Bernd Von Jutrczenka/dpa/picture alliance Annalena Baerbock quer posição mais dura do novo governo da Alemanha em relação à China

A próxima ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, afirmou que é necessário colocar limites a países autoritários como a China. Uma das formas de fazer isso, segunda ela, seria restringir, na União Europeia, a importação de produtos chineses, o que seria um "grande problema" para Pequim.

Restringir voos quando surge nova variante é medida eficaz?

  Restringir voos quando surge nova variante é medida eficaz? União Europeia, EUA e outros países decidiram restringir voos de nações do sul da África por causa da variante ômicron do coronavírus. Mas não há consenso se isso funciona ou se apenas dá falsa sensação de segurança. © Leon Neal/Getty Images Nova rodada de restrições a viagens é implementada quando elas começavam a ser retiradas Uma nova variante do coronavírus identificada na África do Sul está provocando uma nova rodada de restrições de viagem, justo quando elas finalmente começavam a ser retiradas. Os riscos da variante, chamada ômicron, são em sua maioria ainda desconhecidos.

A proposta de Baerbock, que também é co-líder do Partido Verde da Alemanha, foi feita em entrevista ao jornal Die Tageszeitung (TAZ), e provocou uma resposta da embaixada da China em Berlim na sexta-feira (3/12)

Os comentários de Baerbock indicam uma mudança de política no próximo governo alemão, liderado pelo futuro chanceler federal Olaf Scholz, que deverá tomar posse na próxima quarta-feira.

O que disse Baerbock?

A futura ministra das Relações Exteriores defendeu que as críticas da Alemanha sobre a China deveriam ser abordadas claramente.

"O silêncio eloquente não é uma forma de diplomacia no longo prazo, mesmo que tenha sido considerado como tal por alguns nos últimos anos", disse ela ao TAZ, em uma aparente referência ao governo prestes a deixar o poder, comandado pela chanceler federal Angela Merkel.

Novo governo promete revolução climática na Alemanha

  Novo governo promete revolução climática na Alemanha Fim da era do carvão até 2030, 80% da energia de fontes renováveis, 15 milhões de carros elétricos nas ruas: ambientalistas veem país no caminho "de uma transformação profunda" rumo a uma economia limpa.O governo que vai suceder Angela Merkel na Alemanha será uma aliança chefiada pela centro-esquerda, com o social-democrata Olaf Scholz como chanceler federal, em parceria com liberais e verdes. A gestão terá uma política climática ambiciosa no topo de sua agenda.

"Para mim, uma política externa baseada em valores é sempre uma interação entre diálogo e dureza."

A futura ministra das Relações Exteriores disse que, apesar de o diálogo ser um componente central da política internacional, "isso não significa que você tenha que encobrir as coisas ou ficar quieto".

Seu comentário é uma referência às diversas acusações de violações de direitos humanos pela China, incluindo a detenção de cerca de um milhão de muçulmanos uigures em "campos de reeducação" na província de Xinjiang.

Baerbock sugeriu que uma das ferramentas para pressionar Pequim poderia ser restringir a importação de produtos chineses pela União Europeia, dizendo que isso seria "um grande problema para um país exportador como a China".

"Nós europeus deveríamos usar muito mais esse poder do mercado interno comum [da UE]", disse ela ao TAZ.

Baerbock também afirmou ser imperativo que países do mundo inteiro "unam forças" para combater a mudança climática, acrescentando que a crise "só poderá ser superada globalmente e de forma cooperativa".

Alemanha confirma dois casos da nova variante ômicron

  Alemanha confirma dois casos da nova variante ômicron Itália também registra primeiro caso. Reino Unido anuncia novas medidas restritivas, como a volta do uso obrigatório de máscara, para tentar desacelerar disseminação da variante ômicron, recém-identificada no país. © Zumapress/picture alliance Os casos da nova variante na Alemanha foram registrados em viajantes que chegaram da África do Sul pelo aeroporto de Munique A Alemanha confirmou neste sábado (27/11) oficialmente dois casos da nova variante do coronavírus.

Qual foi a resposta da China?

Em um comunicado publicado na sexta-feira, a embaixada chinesa em Pequim pediu a "alguns políticos alemães" que "olhem para a China e para as relações sino-alemãs de forma objetiva e holística" e "dediquem sua energia mais à promoção da cooperação prática entre os dois lados".

Sobre as relações entre os países, a embaixada disse que "nossas diferenças e divergências hoje não são de forma alguma maiores do que eram há 50 anos". "Comparadas a essa época, nossas áreas de cooperação e interesses comuns são agora significativamente maiores."

O comunicado também pediu "construtores de pontes ao invés de construtores de muros", e disse que a China estava "pronta para se reunir com o novo governo federal alemão, para desenvolver nossos interesses comuns com base no respeito mútuo, igualdade e benefício mútuo, com o objetivo de colocar as relações (...) em um caminho bom e estável".

"Nossas relações ao longo do último meio século mostraram que é perfeitamente possível superar diferenças ideológicas entre países, evitar jogos de soma zero e alcançar situações de ganho mútuo para benefício mútuo", afirmou a embaixada.

Primeira-ministra da Suécia é eleita pela segunda vez cinco dias após renunciar

  Primeira-ministra da Suécia é eleita pela segunda vez cinco dias após renunciar SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Parlamento da Suécia elegeu pela segunda vez em menos de uma semana a líder dos social-democratas, Magdalena Andersson, como primeira-ministra do país. A ex-ministra das Finanças, que será a primeira mulher a ocupar o cargo de chefe de governo na Suécia, ganhou uma votação semelhante na semana passada, mas renunciou poucas horas depois, em meio a uma disputa sobre o Orçamento. Andersson foi eleita nesta segunda-feira (29) com 101 votos favoráveis, 173 votos contrários e 75 abstenções. Na Suécia, um governo é aprovado se a maioria absoluta (175 deputados) não votar contra a candidatura.

Merkel, que está de saída do cargo, comandou uma delegação para tratar de negócios em Pequim durante protestos pela democracia em Hong Kong © Michael Kappeler/dpa/picture-alliance Merkel, que está de saída do cargo, comandou uma delegação para tratar de negócios em Pequim durante protestos pela democracia em Hong Kong

Qual é o estado atual das relações teuto-chinesas?

A administração Merkel foi muitas vezes criticada por priorizar os fortes laços comerciais da Alemanha com a China, enquanto fazia vista grossa às questões de direitos humanos na potência asiática. A estratégia ajudou a China a se tornar o maior parceiro comercial da Alemanha.

Merkel também foi a força motriz por trás do acordo de investimento entre a UE e a China assinado no ano passado, que está atualmente suspenso devido às tensões entre Bruxelas e Pequim.

Merkel alertou contra dissociar Europa da China

Diante da crescente rivalidade econômica e militar, os Estados Unidos, sob o comando do ex-presidente Donald Trump, lançaram uma guerra comercial com a China. No entanto, a Alemanha não se envolveu.

A comunidade empresarial alemã tem desejado há décadas que a China siga se abrindo às empresas internacionais. Contudo, as políticas adotadas pelo presidente Xi Jinping parecem estar movendo o país na direção oposta.

A repressão de protestos pró-democracia em Hong Kong, os "campos de reeducação" em Xinjiang e as ameaças militares de Pequim contra Taiwan desencadearam conversas sobre adotar uma resposta mais incisiva ao crescente autoritarismo da China.

Autor: Nik Martin

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim .
Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam a China de violar os direitos humanos. Desde que os Estados Unidos anunciaram, na segunda-feira (6), que não enviarão nenhum diplomata aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, aumenta a lista de países que decidiram boicotar o evento.Na terça-feira a Nova Zelândia seguiu os passos do governo norte-americano. O ministro dos Esportes, Grant Robertson declarou que nenhum membro do governo da primeira-ministra Jacinda Ardern assistiria os Jogos.

usr: 1
Isto é interessante!