Mundo Base dos conservadores britânicos se volta contra premiê Boris Johnson

22:02  14 janeiro  2022
22:02  14 janeiro  2022 Fonte:   reuters.com

Boris quer cortar verba da BBC a partir de 2027 em meio a escândalo de festas na pandemia

  Boris quer cortar verba da BBC a partir de 2027 em meio a escândalo de festas na pandemia FLORIANÓPOLIS, SC (FOLHAPRESS) - Enquanto enfrenta uma crise motivada pela realização de festas em meio à pandemia de Covid-19, o governo de Boris Johnson sinalizou que quer cortar o financiamento da BBC a partir de 2027, segundo reportagem do Daily Mail publicada no sábado (15). A emissora pública e o governo britânico negociavam desde novembro passado um acordo de financiamento previsto para começar em abril de 2022, com duração de cinco anos. Na conclusão das tratativas, na noite deste sábado, a secretária de Cultura, Nadine Dorries, informou sobre o congelamento, pelos próximos dois anos, da taxa de 159 libras (R$ 1.200) paga pelos contribuintes.

Por Andrew MacAskill

Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson © Reuters/HENRY NICHOLLS Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson

LONDRES (Reuters) - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, enfrenta uma revolta entre sua base de apoiadores do Partido Conservador, que quer que ele renuncie após uma série de revelações sobre festas realizadas em sua residência oficial Downing Street durante períodos de lockdown contra o coronavírus.

De West Midlands até a Escócia, membros do Partido --responsáveis pelo levantamento de verbas e por reunir os eleitores em época de eleição-- estão se voltando contra o homem que muitos admiravam por sua exuberância, seu estilo desobstruído e por vezes bagunçado e por sua defesa da bandeira do Brexit.

Inglaterra suspende restrições a viagens impostas pela ômicron

  Inglaterra suspende restrições a viagens impostas pela ômicron Diante da forte propagação da ômicron, o governo britânico anunciou nesta quarta-feira (5) o fim das restrições às viagens do exterior, impostas para proteger o país desta variante muito mais contagiosa, mas aparentemente menos letal do coronavírus. Outras regiões do país, onde os governos autônomos regionais têm competências na área da saúde, não se anunciou ainda se as restrições às viagens também serão flexibilizadas. Tanto a Escócia quanto Gales e Irlanda do Norte aplicam medidas mais estritas do que a Inglaterra para conter a covid-19.

John Strafford, de 80 anos, diretor da Campanha pela Democracia Conservadora, classificou Johnson como o pior primeiro-ministro que já viu na vida, e afirmou que as acusações sobre ele comparecendo a festas durante a pior crise sanitária do século mostraram que ele é inconsequente e irresponsável.

"As pessoas estão absolutamente enojadas com isso. É um sinal de arrogância do homem. A realidade é que Boris é um bobo da corte que quer ser rei", disse ele à Reuters.

"O maior fracasso é não ter julgamento, e julgamento é a qualidade mais importante para qualquer político".

Johnson já foi o queridinho dos membros de base do partido, que ajudaram a garantir sua vitória de lavada nas eleições de 2019, permitindo que ele cumprisse as promessas de finalmente tirar o Reino Unido da União Europeia. O premiê também foi aplaudido no ano passado por conta da rapidez do programa de vacinação do país sob sua liderança.

Hospital de Londres pode perder 1.000 funcionários que não aceitam se vacinar

  Hospital de Londres pode perder 1.000 funcionários que não aceitam se vacinar GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - O decreto da obrigatoriedade da vacina contra a Covid para trabalhadores do sistema público de saúde do Reino Unido, o NHS, acendeu alerta vermelho em vários gestores. Com hospitais saturados devido à alta de infecções, eles temem perder parte considerável da mão de obra com funcionários que não aceitam receber o imunizante. O tamanho do problema fica mais claro à medida que se aproxima a data em que a norma entra em vigor --1º de abril. Somente o hospital King's College, em Londres, por exemplo, pode perder 1.

Mas a relação azedou rapidamente sob o impacto de uma série constante de revelações sobre o aparente desrespeito de Downing Street às regras de lockdown.

Na última delas, uma que certamente chateou seus partidários conservadores, o gabinete de Johnson teve de pedir desculpas à rainha Elizabeth após vir à tona a informação de que sua equipe fez uma festa em Downing Street na véspera do funeral do Príncipe Philip no ano passado, no momento em que reuniões em ambientes fechados estavam proibidas.

Johnson não estava presente nas festas, mas se desculpou ao Parlamento na quarta-feira por participar de uma reunião no Jardim de Downing Street em 20 de maio de 2020, quando o Reino Unido passava por um rígido lockdown.

Embora as bases não possam derrubar o líder, suas opiniões influenciam parlamentares e são eles os que votam nos dois candidatos finalistas na escolha da liderança do partido.

Uma autoridade do governo, Sue Gray, está investigando as acusações sobre as festas realizadas em prédios do governo durante os períodos de lockdown. Seu relatório é esperado em algumas semanas.

Os apoiadores de Johnson têm esperança que o documento não vá dizer se ele quebrou as regras conscientemente ou se deveria renunciar.

Mas Strafford disse que não importam as conclusões do relatório. Muitos membros da base já estão decididos.

Segundo ele, seu grupo de conservadores aprovou uma votação simbólica de não-confiança em Johnson no mês passado --antes das últimas revelações-- e seu WhatsApp foi inundado de mensagens de membros do partido dizendo que não apoiam mais o primeiro-ministro.

(Reportagem de Andrew MacAskill)

De olho na presidência, Berlusconi volta à cena na Itália .
Mesmo com escândalos e condenação por evasão fiscal, ex-premiê pretende concorrer a cargo de influência no paísAos 85 anos, vai se candidatar ao posto mais alto do Executivo italiano: quer se tornar presidente do país. O primeiro turno das eleições foi marcado para 24 de janeiro.

usr: 9
Isto é interessante!