Mundo China anuncia acordo com Irã e reforça oposição às sanções dos EUA

11:23  16 janeiro  2022
11:23  16 janeiro  2022 Fonte:   folha.uol.com.br

10 perguntas para Luiz Augusto de Castro Neves

  10 perguntas para Luiz Augusto de Castro Neves “O pior que o Brasil pode fazer é tomar partido nos conflitos EUA-China”Como estão as relações comerciais entre Brasil e China hoje?

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ao mesmo tempo em que reforçou sua oposição às sanções dos EUA contra o Irã, a China anunciou neste sábado (15) a implementação de um acordo estratégico de 25 anos com Teerã, ampliando a cooperação econômica e política entre os dois países.

O chanceler chinês, Wang Yi, e seu contraparte iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, reuniram-se nesta sexta-feira (14) em Wuxi, no leste da China, segundo comunicado do Ministério das Relações Exteriores de Pequim.

"Enquanto preparávamos a visita à China, planejamos marcar o dia de hoje como o início da implementação do acordo entre os dois países", disse o chanceler iraniano, que está em sua primeira viagem à China no cargo, sem anunciar projetos ou parcerias específicas, de acordo o site Al Jazeera.

Otan vê risco de conflito na Ucrânia após nova reunião fracassada com a Rússia

  Otan vê risco de conflito na Ucrânia após nova reunião fracassada com a Rússia SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A crise de segurança na Europa ganhou mais tintas sombrias nesta quarta (12), após o fracasso nas conversas entre uma delegação russa e a Otan (aliança militar liderada pelos EUA). Coube ao secretário-geral do clube, o norueguês Jens Stoltenberg, fazer o anúncio de resto previsível. "Há diferenças significativas entre a Otan e a Rússia, que não serão fáceis de acomodar. Mas é um sinal positivo que todos sentaram à mesas e conversaram sobre os tópicos.". Por outro lado, disse a repórteres, "há um risco real de conflito armado na Europa".

No comunicado, Wang disse que o acordo irá aprofundar a cooperação sino-iraniana em áreas como energia, infraestrutura, agricultura, saúde e cultura, bem como cibersegurança e colaboração com outros países.

O tratado foi assinado em 2021, após anos de negociações entre os países, e configura a entrada do Irã para a Iniciativa do Cinturão e da Rota, um projeto trilionário de infraestrutura para ligar o Leste asiático à Europa.

A iniciativa tem como objetivo expandir significativamente a influência política e econômica da China, motivando preocupações nos EUA e em outros países.

Não há muitos mais detalhes sobre o acordo, mas o jornal americano The New York Times divulgou, em 2020, que um dos projetos garantiria o abastecimento regular de petróleo para a China.

“Biden focará construção de legado em 2022”, diz pesquisadora

  “Biden focará construção de legado em 2022”, diz pesquisadora Para Fernanda Magnotta, do Cebri, política externa continuará acompanhada de “agenda de valores”Biden continuará falando de diplomacia verde, transição energética, mudanças climáticas e investindo na manutenção da hegemonia norte-americana, defendendo interesses nacionais na economia e na esfera militar, afirma Magnotta. Ao mesmo tempo, esses movimentos para o exterior seguirão acompanhados de uma “agenda de valores”.

Pequim é o principal parceiro comercial de Teerã e era um de seus maiores compradores de petróleo até o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reimpor sanções ao país persa em 2018. Oficialmente, a China interrompeu a importação, mas analistas dizem que o petróleo iraniano continua entrando, mas com procedência oficial de outros países.

A busca por Pequim em fortalecer os laços com Teerã já ocorre há alguns anos. Em uma rara visita ao país persa, em 2016, o dirigente chinês, Xi Jinping, classificou a República Islâmica como "o principal parceiro da China no Oriente Médio".

Wang aproveitou o momento para reforçar a oposição de Pequim contra as sanções impostas por Washington a Teerã e declarou seu apoio à retomada das negociações do acordo nuclear --abandonado por Trump em 2018.

As tratativas recomeçaram, de maneira indireta, no ano passado, com diplomatas de Irã, Reino Unido, China, Alemanha, Rússia e França, em Viena. Uma pessoa próxima às negociações disse à agência de notícias Reuters, no entanto, que muitas questões seguem sem serem resolvidas. Já o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, considerou nesta sexta ser possível que se chegue a um acordo nas próximas semanas.

Coreia do Norte lança dois novos mísseis e acelera testes militares

  Coreia do Norte lança dois novos mísseis e acelera testes militares A Coreia do Norte lançou nesta segunda-feira (17) dois novos projéteis que são, provavelmente, mísseis balísticos, segundo as autoridades sul-coreanas. Este é o quarto teste que o regime realiza desde o início do ano, aumentando as preocupações da comunidade internacional sobre as ambições militares do regime norte-coreano. A Coreia do Norte acelerou nas últimas semanas os testes de armamentos, o que mostra a intenção do governo de reforçar suas capacidades militares apesar de o país ser alvo de várias sanções internacionais.

Wang disse que os americanos são os principais responsáveis pelas dificuldades enfrentadas, já que desembarcou do acordo. O diplomata também disparou contra o rival EUA --com quem a China vive uma espécie de Guerra Fria 2.0-- ao se opor, além das sanções, à manipulação política por meio de tópicos como direitos humanos e interferência nos assuntos internos do Irã e de outros países regionais.

A imprensa oficial de Teerã divulgou neste sábado que os negociadores voltaram a seus respectivos países para consultas e que retornarão à capital austríaca dentro de dois dias. Segundo o órgão, as negociações estão em um ponto crítico, no qual serão abordadas questões difíceis. "Estamos na fase dos detalhes, a parte mais difícil das negociações, mas que é essencial para atingirmos nosso objetivo."

O acordo de 2015, conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), contemplava suspender algumas sanções econômicas contra o Irã em troca de limites rígidos a seu programa nuclear.

Depois que Trump retirou os EUA do pacto, o Irã passou a ultrapassar os limites da atividade nuclear. Nos últimos meses, o país começou a enriquecer urânio a níveis sem precedentes e restringiu as atividades dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), organismo da ONU responsável por supervisionar as instalações iranianas.

Fluminense lança plataforma para transmissão de jogos do Cariocão .
'FluTV Play' será a plataforma especial para a torcida tricolor assistir o Campeonato CariocaA 'FluTV Play' custará R$129,90 à vista, e poderá ser parcelada em até quatro vezes de R$32,48 sem juros. O torcedor que for sócio terá 10% de desconto na compra do pacote com um cupom enviado pelo e-mail cadastrado no site do Fluminense.

usr: 1
Isto é interessante!